« Anterior | Principal | Próximo »

Energias renováveis têm investimento recorde

Categorias dos posts:

Eric Camara | 2011-07-08, 19:38

Em todo mundo, novos investimentos em energias renováveis subiram 32% no ano passado, atingindo a soma recorde de US$ 211 bilhões, de acordo com um relatório encomendado pelo Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (Pnuma).

Como tantos outros levantamentos, este também é puxado pela China, responsável por um quinto deste total de investimentos, US$ 48,9 bi.

O Brasil registrou queda de 5% no setor, passando de US$ 7,3 bi (2009) para US$ 6,9 bi (2010) - em contraste com outros grandes países em desenvolvimento, como a Índia, onde o investimento subiu 25%, e, claro, a China, que aumentou em 28%.

Por outro lado, no período anterior (2008-2009), a queda brasileira tinha sido ainda mais vertiginosa: 44%.

solar panels, germany

Mas o documento elaborado pela Bloomberg New Energy Finance e pela Escola de Finanças de Frankfurt também destaca o investimento brasileiro entre os principais do período, na área de energia eólica em 2010.

"Projetos fundamentais em andamento incluem o leilão eólico de 211 megawatts (MW) do portfólio da IMPSA Ceará e 195MW do Renova Bahia, ambos no Brasil, e a fazenda eólica de 200 MW em Hebei Weichang Yudaokou, China."

Mas a Europa não fica atrás. Na Itália, o investimento foi três vezes e meia maior que em 2009 (248%), subindo para US$ 8,4 bi, em grande parte responsável por incentivos do governo à energia solar.

A Alemanha, que já era a campeã mundial em energias renováveis, dobrou os seus investimentos, alcançando US$ 41 bi em 2010. O carro-chefe no período foram compras de paineis solares para casas particulares.

Para o diretor do Pnuma, Achim Steiner, a expansão é uma "crescente contribuição ao combate ao aquecimento global, e à falta de energia e insegurança energética, além de estimular empregos verdes e a realização das Metas de Desenvolvimento do Milênio."

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.