« Anterior | Principal | Próximo »

A temida voz dos árabes

Categorias dos posts:

Rogério Simões | 2011-01-28, 13:31

egitoblog.jpgOs ventos revolucionários da Tunísia chegaram ao Egito. Depois da derrubada do regime do tunisiano Zine Al-Abidine Ben Al, que desfrutou de poder quase absoluto por 23 anos, a fúria das chamadas "ruas árabes" se dirige agora contra o líder egípcio. No controle da terra dos faraós há 29 anos, Hosni Mubarak é o alvo da revolta e desejo de mudança da população local. As cenas de caos em vários pontos do país, especialmente no Cairo, sugerem uma nação transformada. De forma espontânea, sem necessariamente ligação com grupo político algum, cidadãos das mais diferentes tendências e ideologias tomaram as ruas para dizer "basta" a um regime autoritário. Mas, ao contrário dos protestos que derrubaram o comunismo na Europa na virada da década de 80 para a de 90, no exterior os movimentos populares árabes geram tanto otimismo quanto preocupação.

O regime de Mubarak é um dos principais aliados dos Estados Unidos no mundo árabe. Recebe de Washington quase US$ 2 bilhões anuais em ajuda econômica e militar, ficando atrás apenas de Israel. Nos últimos anos os Estados Unidos vêm dizendo que essa ajuda precisa ser acompanhada de abertura política e econômica, mas Mubarak nunca sinalizou intenção de mudar as regras do jogo. Pelo contrário: aos 82 anos, o líder egípcio vinha indicando sua intenção de passar o poder para seu filho, Gamal, repetindo o ritual dinástico de nações como Síria ou Jordânia.

Os Estados Unidos nunca condenaram abertamente o modelo político do Egito nem os planos de Mubarak para o país, e o presidente Barack Obama tem sido cauteloso ao defender o direito da população de se manifestar. Obama e seus antecessores nunca esqueceram as circunstâncias em que Mubarak chegou ao poder, em 1981. Ele ocupava a vice-Presidência quando o presidente, Anwar Sadat, que dois anos antes havia assinado o histórico e polêmico acordo de paz com Israel, foi assassinado. Fundamentalistas usaram granadas e metralhadoras contra o presidente e convidados durante uma parada militar. Outras 11 pessoas morreram, e o próprio Mubarak foi ferido. Já na Presidência, Mubarak enfrentou um ressurgimento das ações de fundamentalistas, especialmente nos anos 90, quando um grande atentado em Luxor deixou mais de 50 turistas estrangeiros mortos. A resposta de Mubarak foi um regime cada vez mais fechado, sem direito a dissidências ou manifestações, comandado por truculentas forças de segurança sobre as quais sempre houve a suspeita do uso sistemático da tortura.

A receita sempre foi tolerada por Washington, que teme as consequências para a região da derrubada de regimes autoritários, mas aliados ao Ocidente. Exemplos passados aumentam tal preocupação. Em 1991, as eleições na Argélia foram vencidas no primeiro turno pelo partido islamista, a Frente Islâmica de Salvação, o que levou as autoridades a cancelar a segunda votação. O Exército assumiu o poder, o que levou a uma guerra civil marcada por massacres de civis e um saldo de 200 mil mortos. As eleições palestinas de 2006 resultaram na vitória do Hamas e a consequente divisão política da Palestina, com a Faixa de Gaza nas mãos do grupo religioso e a Cisjordânia sob controle da Autoridade Nacional Palestina. No próprio Iraque, onde uma tentativa de democracia foi imposta militarmente pelos Estados Unidos, a situação interna segue muito mais instável e violenta do que nos tempos de Saddam Hussein.

Com os recentes aumentos de preços dos alimentos, que impôs dificuldades extras a populações já sofrendo com a estagnação econômica, tornou-se ainda mais difícil para regimes autoritários árabes controlarem seus cidadãos. Depois de Tunísia e Egito, protestos foram registrados também no Iêmen. Somada a décadas de frustração e repressão, uma realidade de desemprego e inflação solapa as estruturas do tradicional modelo político local. Estados Unidos, Israel e líderes de outras autocracias locais acompanham os acontecimentos no Cairo com apreensão. Mas sabem que barrar os ventos de mudança é missão quase impossível, e a única opção parece ser ajustar a direção para a qual eles sopram. Isso se não estivermos diante de um verdadeiro furacão.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 04:29 PM em 28 jan 2011, Roberto escreveu:

    O problema das revoluções árabes é que o povo sai de uma ditadura e cai em outra muito pior.

  • 2. às 06:43 PM em 28 jan 2011, Miquelangelo escreveu:

    Nem precisei terminar de ler para escrever aqui uma velha prática dos EUA;o de apoiar regimes ditatoriais e assassinos como esse do Egito e Israel por exemplo.Existem mais,lógico! Não esqueçam o apoio dado a Honduras!
    O pior,é que eles têm duas faces. Uma delas é ir a guerra;a outra é fazer a guerra sem disparar um tiro sequer.
    O mundo seria muito melhor se os EUA sumissem do cenário internacional e deixassem as pessoas decidirem seus próprios caminhos à percorrem!
    Um país que fala tanto em democracia e direitos humanos e apoia regimes há décadas no poder e outros que cometem descaradamente abusos de poder e violações as pessoas como os países citados por mim é bastante irônico,não é mesmo?

  • 3. às 06:45 PM em 28 jan 2011, David escreveu:

    As ditaduras, fomentadas pelo comércio ou ligada a preceitos religiosos, infestam a vida árabe, que acaba sendo obrigada a sempre viver sobre este ou aquele regime, sempre autoritário.

  • 4. às 06:59 PM em 28 jan 2011, Gustavo Lopes escreveu:

    Este caso me parece ser diferente. Não será uma "democracia" imposta, mas conquistada. Claro que não será uma transição fácil (se é que vai mesmo acontecer). Porém, será melhor do que viver sob uma ditadura. Viva o povo do Egito!

  • 5. às 01:24 AM em 29 jan 2011, saulo luiz de aquino escreveu:

    Eu fico impressionado com o preconceito existente no ''ocidente'', com o povo arabe. Alguns chegam a defender ditadores como desculpa para manter a paz... Essa demagogia me da nojo. Viva o mundo arabe, viva a liberdade religiosa, viva a auto-derterminação dos povos.

  • 6. às 02:37 PM em 29 jan 2011, C.Paoliello escreveu:

    Os protestos contra a ditadura egípcia apoiada pelos EUA deve ser interpretada como mais uma manifestação de ódio contra o império americano e mais um sinal da sua longa decadência que estamos testemunhando.
    O governo estadunidense está entrando na perigosa etapa do desespero para manter sua (falsa) hegemonia mundial que já está progressivamente sendo substituída pela China, nova cultura hegemonica dentro de 10-20 anos. Os próximos protestos deverão acontecer em outras ditaduras mantidas pelos EUA ao redor do mundo.

  • 7. às 04:14 PM em 29 jan 2011, Galo Oficial escreveu:

    https://www.galooficial.com/
    Eu li uma materia falando sobre algum jornalista ter dito que apoia a didatura na Egito e desaprova no Irã.
    Que é pelo meno um pouco inteligente sabe que ditadura bom é dittadura desposta.

  • 8. às 10:59 PM em 29 jan 2011, Carlos Figueiredo escreveu:

    As únicas forças políticas organizadas no norte da África são os fundamentalistas islâmicos . Infelizmente os democratas teremos que ver o surgimento de novas teocracias , do Sahara Ocidental (ocupado pelo Marrocos) ao Egito . Esta é a dura realidade que parece prevalecer !

  • 9. às 04:34 PM em 31 jan 2011, carlos fino escreveu:

    OS VERDADEIROS FUNDAMENTALISTAS NO MUNDO SAO OS EUA,ELES E QUE apoiao
    MUBARAK,QUE ESTA MATANDO A FOME O POVO EGIPCIO

  • 10. às 08:44 PM em 31 jan 2011, Bashir Yakir escreveu:

    Engraçado, só criticam as ditaduras apoiadas pelos ianques. E a da Líbia?A da Síria? E a cubana? Quanto cinismo...

  • 11. às 09:33 AM em 05 fev 2011, Salustiano Ferreira escreveu:

    eu acho que nosso querido e amado presidente Lula, o melhor que o Brasil já teve desde 1500, podia ir lá no Egito e resolver aquela confusão. pode ser que o bolsa-familia e o vale-gás sejam a solução dos problemas do Egito. ou até o bolsa-ditadura tambem podia ser dado para o povo que foi torturado pelo ditador Mubaraki.

  • 12. às 03:40 PM em 06 fev 2011, ivan alvarenga escreveu:

    A Cubana trata bem o povo, não tem diferença de classes, não é como o Brasil na saúde, educação, segurança...procure ler mais um pouco, e estudar porque temos revoluções, temos por causa da forme e insegurança, de um povo.

  • 13. às 04:37 PM em 16 fev 2011, Rodrigo Silva escreveu:

    Somente quero deixar claro que também estao havendo manifestaçoes na Líbia do Khadaffi e no Iran do Mahmoud Ahmadinejad, ou seja, creio que os americanos nao sao santos, mas tambem acredito que dessa vez eles nao o bode espiatório.So para deixar os comunistas um pouquinho a par da situaçao do oriente médio, o governo iraniano proibiu qualquer tipo de informaçao na mídia a respetio do que está ocorrendo no egito, e porque voces acham que ele proibiu???

  • 14. às 02:43 AM em 23 fev 2011, jonas fernandes escreveu:

    Comunicação. Esse é o grande veículo da mudança. A internet, se o ocidente colaborasse, poderia continuar sendo uma grande instrumento de transformação e modernização dos modelos arcaicos aos quais, praticamente todo o oriente médio, está submetido.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.