http://www.bbcparaafrica.com

01 Março, 2011 - Publicado às 15:03 GMT

BBC em português: 72 anos de história

A BBC para África despediu-se dos seus ouvintes com uma emissão especial no dia 25 de Fevereiro de 2011, marcando o fim de 72 anos de radiodifusão em português.

Tudo começou a 4 de Junho de 1939. O Serviço Mundial da BBC tinha sido criado um pouco antes, em 1932, para ajudar o governo britânico a promover a língua inglesa, assim como os valores e interesses britânicos no estrangeiro, objectivo que se aprofundou durante a Segunda Guerra Mundial.

Clique aqui para ouvir o programa

O Serviço em Língua Portuguesa seria lançado a 4 de Junho de 1939, quando a propaganda nazi se intensificava, pouco antes do início da guerra e com grande ressonancia nos regimes ditatoriais na Península Ibérica, nomeadamente o de Salazar em Portugal e o de Franco na Espanha.

As primeiras transmissões da BBC para Portugal coincidiram com um período de censura bastante apertada. Uma das vozes da BBC que se tornaram um marco desse período é a do jornalista Fernando Pessa.

Pela Bush House, o emblemático edifício do World Service, no centro de Londres, passariam também os jornalistas Carlos Alves, Luis Pinto Enes, Manuel Barata, Teresa Guerreiro, Fernando Sousa, Manuel Santana, Gonçalo de Carvalho, Pedro Oliveira, entre outros.

A Inglaterra pretendia promover valores liberais e democráticos e servir de alternativa aos meios de comunicação social nacionais, sujeitos a censura.

Através da BBC, Portugal tinha acesso a informação independente e tornava-se mais ciente do seu isolamento a nível internacional.

Mas, em Agosto de 1957, o serviço seria encerrado por ser considerado menos importante para os interesses britânicos.

Foi reaberto em 1963, durante período de relações difíceis entre Portugal e a Grã-Bretanha. A tomada de Goa pelo governo indiano, o crescimento dos sentimentos nacionalistas nas então colónias portuguesas e as guerras de libertação fizeram com que o serviço voltasse a reconquistar ouvintes.

Em 1967, seria instalado um potente transmissor Atlântico para servir a crescente audiência em África - elite africana, militares e colonos.

Trabalhava na altura no serviço em português, Carlos Alves, cuja voz ajudou muitos ouvintes a aprenderem a falar inglês pela rádio. Ele disse que, quando viajou para Portugal em 1975, descobriu a grande a popularidade da BBC naquele país.

Mudanças

A seguir à revolução de 25 de Abril de 74, enquanto que as audiências decresciam em Portugal, fruto do desenvolvimento de uma comunicação social livre e independente naquele país, estas aumentavam em África.

Este seria um factor determinante para a mudança do alvo da BBC em português, que iniciou o recrutamento de jornalistas africanos e passou a dar mais atenção aos acontecimentos e interesses das antigas colónias de Portugal em África, recém-independentes.

Entre os jornalistas africanos recrutados a partir dessa altura contam-se nomes como Guilherme Ismael, Carlos Araújo, Sulemane Cabir, Lígio Monteiro, São Lima, João Van Dunem, Walter dos Santos, Filipe Correia de Sá, Teresa Lima, Eleutério Guevane e Zenaida Machado.

Durante as últimas duas décadas Salvador Gomes na Guiné Bissau, José Vicente Lopes em Cabo Verde, Reginaldo Silva em Angola, Artur Pinho em São Tomé e Eleutério Fenita em Moçambique trouxeram aos ouvintes as histórias dos seus país.

Parcerias com rádios locais

Foram criadas parcerias com algumas rádios locais como a Rádio Bombolom na Guiné Bissau, a Rádio Nova em Cabo Verde e a Rádio Moçambique, onde a BBC tem ainda sete frequências próprias em diferentes pontos do país.

Nos últimos anos de exsitência a BBC em português iria radiodifundir em FM também na Rádio Mais em Angola e na estação Savana FM em Moçambique.

A política editorial da BBC de rigor e imparcialidade tornaria esta emissora como uma fonte alternativa de informação em países de partido único, com uma comunicação social extremamente controlada e censurada, como é o caso de Angola ainda nos dias de hoje.

Helena Sousa, professora de Estudos de Comunicação na Universidade do Minho, fez a sua tese de doutoramento sobre a BBC nos Palop.

No seu entender, nos anos das guerras civis em Angola e Moçambique, a BBC conseguiu oferecer aos ouvintes desses países aquilo que os orgãos nacionais, monopólio do Estado, não conseguiam.

Desafios tecnológicos

Os anos 90 trariam mudanças políticas marcantes para alguns dos países africanos de língua portuguesa com o fim da guerra civil e abertura ao multipartidarismo, como foi o caso de Moçambique. O surgimento de uma imprensa independente viria originar uma maior competição no mercado da comunicação social.

Internamente, a BBC procedia a alterações estruturais para responder aos desafios tecnológicos e de mercado.

A passagem do sistema analógico, a gravação em fitas e cassetes para o sistema digital, em 2004 viria provar ser o passo certo, com, no entanto algumas dificuldades.

O avanço das tecnologias da comunicação, o rápido crescimento dos telemóveis em África e o alastramento da Internet e o próprio desenvolvimento das rádios locais levaram a BBC para África a ter uma oferta multiforme.

Teresa Lima, chefe do serviço que liderou o processo, diz que a competição no mercado internacional e nos países alvo levaram a BBC para África a criar uma oferta em plataformas múltiplas, completamentando a rádio, com a Internet, informação online através dos telemóveis e o uso da redes sociais como o Facebook e o Twitter.

O número de ouvintes em Moçambique - onde a BBC para África tem a maior audiência - registou um crescimento de 151% de 2005 para 2010.

A última pesquisa de audiência feita pela BBC apenas em Moçambique (não foram feitos estudos em nenhum dos outros países para onde a BBC transmite em português) mostram um crescimento de meio milhão para 1.5 milhão de ouvintes.

Cortes draconianos

Mas, a actual crise financeira global a que o Reino Unido não é alheio levou o governo britânico a encetar um programa draconiano de cortes orçamentais ao serviço público.

O Serviço Mundial não seria poupado. Um quarto da sua força de trabalho vai ser dispensada ainda este ano, devido a um plano de austeridade para poupar 46 milhões de libras e que incluiu o encerramento de 12 serviços de rádios, como o serviço em português para África, em russo, mandarim chinês, espanhol para Cuba, vietnamita, azeri, inglês para as Caraíbas, entre outros.

Ao anunciar os grandes cortes em Janeiro passado, o director do Serviço Mundial da BBC, Peter Horrocks diria que estes encerramentos não eram um reflexo do desempenho dos serviços ou dos seus programas .

"Eles são extremamente importantes para as suas audiências e para a BBC", disse. Mas sublinhou também a necessidade de grandes poupanças devido ao corte orçamental do governo.

Ao longo de 72 anos, o serviço português acompanhou a evolução dos tempos e das tecnologias, mantendo sempre o rigor editorial que caracteriza a BBC. As audiências estiveram sempre no centro das atenções.

(Fizeram parte da última equipa que trabalhou na BBC para África: Teresa Lima, Aires Walter dos Santos, Gonçalo de Carvalho, Luis Cardador, Leo Guevane, Marina Tadeu, Bruno Portela, Lina Vaz, Zenaida Machado, Herminia Monteiro, Sara Gomes, Vanessa Cruz, e Waldemar Gourgel.)