Japonês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover

13 agosto 2014 Atualizado pela última vez 08:45 (Brasília) 11:45 GMT

Neurocientista e artista, pesquisador explora 'anomalia' em nossa visão periférica em relação à percepção da luz e da cor dos elementos do desenho.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan, de Quioto, no Japão, é um mestre na arte da ilusão visual. (ATENÇÃO: Algumas das ilusões de ótica nesta fotogaleria podem causar tonturas ou até mesmo convulsões epilépticas. Se você começar a se sentir mal, cubra imediatamente um dos olhos com a mão e deixe a página. Não feche simplesmente os olhos, o que pode piorar o mal estar.)
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
O caráter lúdico das suas obras oculta um objetivo sério: testar as limitações da nossa visão.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
Há mais de uma década, Kitaoka cria imagens como esta, que parece estar se movendo.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
"Comecei a criar a coleção de imagens para estimular visualmente macacos num estudo eletrofisiológico, pois eu trabalhava numa pesquisa de neurociência”, contou Kitaoka à BBC Brasil.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
Hoje ele quer saber como o cérebro interpreta os sinais recebidos dos olhos e entender questões vitais sobre a natureza da percepção humana e do funcionamento da mente.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
Kitaoka explica que são as imperfeições da visão que nos dão a sensação de que imagens como esta se movem.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
A ilusão é resultado de uma "anomalia" na visão periférica em relação à percepção da luz e da cor dos elementos. Por isso, nem todos conseguem ver os efeitos esperados.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
O pesquisador conta que gasta apenas 20 minutos fazendo os desenhos.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
Seus trabalhos também já viraram livros ilustrados e quebra-cabeças.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
Na sua página na internet, há centenas de imagens, como esta, criadas por ele ao longo dos anos. O endereço é www.ritsumei.ac.jp/~akitaoka/index-e.html.
O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan de Quioto, testa as limitações da nossa visão com obras de arte (Crédito: Akiyoshi Kitaoka)
Perguntado se ele se acha mais cientista ou artista, Kitaoka responde rápido: "Ambos". (Todas as imagens foram cortesia de Akiyoshi Kitaoka.)