Serra Leoa descobre surfe como diversão e atividade econômica

9 janeiro 2014 Atualizado pela última vez 07:58 BRST 09:58 GMT

País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
A empobrecida Serra Leoa ganhou recentemente seu primeiro clube de surfe: o Bureh Beach Surf Club foi criado no ano passado para estimular o esporte e trazer empregos e renda à aldeia de Bureh. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
Até três anos atrás, os surfistas de Bureh estavam praticamente isolados da cultura global do surfe. Por conta disso, acabaram desenvolvendo um estilo particular de praticar o esporte. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
Muitos na aldeia aprenderam a surfar com pranchas emprestadas de turistas. Agora, o clube dispõe de equipamentos doados, que aluga para diárias. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
Jahbez, um ex-pescador, é um dos membros originais do grupo. "Não era fácil", diz ele de sua antiga profissão. "Às vezes ficava (pescando) a noite inteira sem pegar nada. A vida (de hoje) é melhor para mim." (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
K-K é a primeira surfista mulher de Serra Leoa. "As demais têm medo de água", diz ela. "Elas não sabem nadar. Mas se você se esforçar, consegue." (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
O surfista irlandês Shane O'Connor ajudou a fundar o clube leonês. Ele explica que quase sempre há boas ondas para surfar por ali. "Mas, durante 15 ou 20 dias do ano, fica muito, muito bom." Acima, K-K surfando. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
Atualmente, muitos dos clientes do clube são expatriados que moram em Freetown (capital leonesa), mas Jahbez diz que mais pessoas têm visitado o país especialmente para surfar. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
Peter Wessels, voluntário do Peace Corps baseado na Guiné, já foi duas vezes a Bureh surfar. "Amo o fato de eles estarem (trabalhando de maneira) sustentável", diz ele, a respeito do fato de 100% da renda do clube permanecer na comunidade. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
O'Connor diz que a meta é criar um órgão nacional que ajude a promover o esporte para as novas gerações. Ele vê potêncial sobretudo no público doméstico. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
O clube tem atraído mais surfistas, locais e estrangeiros. "Vai ser algo enorme", diz Jahbez. Também há esforços para incluir a Serra Leoa na Associação Internacional de Surfe. (Foto: Tommy Trenchard)
País africano ganha seu primeiro clube de surfe e atrai turistas e locais à prática.
Onze anos após o fim de sua guerra civil, a Serra Leoa ainda tenta deixar para trás a imagem de país conturbado e reanimar sua indústria turística. Se você visitar a praia de Bureh num dia de semana, provavelmente será o único turista por ali. (Foto: Tommy Trenchard)