A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Barulho de 'vovós dançarinas' causa polêmica na China

12 dezembro 2013 Atualizado pela última vez 15:50 BRST 17:50 GMT

Grupos de senhores e senhoras que se reúnem para dançar em espaços públicos estão causando polêmica na China devido à música alta.

Os grupos dançam todos os estilos, desde as músicas mais tradicionais chinesas, passando por valsas e rock, e reúnem dezenas - ou até centenas - de pessoas. Em comum, além da música muito alta, os participantes têm o fato de todos estarem acima dos 45 anos.

Estes grupos são chamados de "Vovós Dançarinas" (pelo fato de as mulheres serem maioria) e o que os une é a paixão pela Guang Chang Wu, ou, Dança na Praça Pública, em tradução livre.

O nome engana. Em um país superpopuloso onde o espaço é disputado, qualquer lugar pode se transformar em salão de baile: a área livre entre prédios de apartamentos, a calçada em frente a uma biblioteca, parques e até praças.

Para a maioria dos chineses vivendo em apartamentos pequenos, estes grupos são mais do que algo irritante restrito aos parques. O barulho incomoda os que passam pelas ruas e os que estão em casa.

Um homem que vive perto de um dos locais de encontro de um dos grupos afirmou que teme que a filha, ainda bebê, quando falar pela primeira vez, vai recitar a letra de uma das músicas sentimentais tocadas pelo grupo.

Outro teme pela saúde da esposa, que está grávida mas não consegue descansar devido ao barulho.

Nada a fazer

'Vovós dançarinas' ocupam qualquer espaço público na China (BBC)
'Vovós dançarinas' ocupam qualquer espaço público na China (BBC)

Apesar das reclamações, não se pode fazer muita coisa para impedir os grupos de dançarinos.

A China tem leis quanto ao barulho em espaços públicos, mas os limites não estão claros - não ficou esclarecido quantos decibéis são aceitáveis, e nenhuma autoridade quer ser vista no país tentando expulsar um grupo de aposentados de uma praça.

Mas a paciência dos chineses está acabando. Moradores da região de Wuhan foram destaque na imprensa nacional ao atirar fezes em um grupo de "Vovós Dançarinas" meses atrás. Há algumas semanas um morador de Pequim soltou cães da raça mastim tibetano, que são grandes, em cima de outro grupo e disparou um rifle para o alto.

Nada disso adiantou. Os dançarinos apenas aumentaram o volume, desafiando os vizinhos incomodados.

As "Vovós Dançarinas" já causaram tumulto até em Nova York, onde um grupo se reuniu no Sunset Park, do Brooklyn, em agosto, com a tradicional música alta. Moradores do bairro reclamaram, chamaram a polícia e alguns membros do grupo foram presos.

Alguns falam em um conflito de gerações. As "Vovós Dançarinas" surgiram na época do nascimento da China comunista, quando dançar ao som de música alta em público era comum.

Para a geração de chineses mais jovem e urbanos fazer este tipo de exibição pública não é apenas irritante e antissocial. É ilegal, violação da paz e precisa ter consequências jurídicas.

Mas existe na China um respeito verdadeiro pelos idosos e a relutância em acabar com o que é essencialmente visto como uma forma saudável de aproveitar o tempo livre, se os grupos concordassem em abaixar o volume.

E, para complicar a situação, o jornal estatal Global Times recentemente informou que, segundo estimativas, 100 milhões de pessoas praticam a dança em locais públicos na China. E nenhuma autoridade gostaria de ficar contra cem milhões de pessoas.