A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Manifestantes turcos criam 'minirrepública' em Istambul

4 junho 2013 Atualizado pela última vez 19:37 (Brasília) 22:37 GMT

O vice-premiê da Turquia, Bulent Arinc, pediu desculpas nesta terça-feira pela reação violenta da polícia aos protestos no país, que já estão em seu quinto dia.

"O uso da força excessiva contra as pessoas que iniciaram os protestos para defender o meio ambiente foi errado e injusto. Então, peço desculpas aos cidadãos", disse ele, apesar de criticar a destruição de patrimônio público durante os distúrbios.

Manifestantes ocupam a praça Taksim e o parque Gezi, para tentar impedir sua demolição

As manifestações, que começaram em reação à demolição do parque Gezi, em Istambul, acabaram se convertendo em um protesto mais amplo contra o governo do premiê Recep Tayyip Erdogan.

Apesar de Erdogan ainda ser o político mais popular do país, ele é acusado de autoritarismo, de obstrução de liberdades individuais e de tentar impor valores conservadores islâmicos em um país que é oficialmente secular.

Em contraste com a retórica conciliadora de Arinc, Erdogan havia dito na segunda-feira que os protestos foram organizados por extremistas e acusou a oposição de provocar "os seus cidadãos".

Ocupação

Barricada separa a praça do restante da cidade

Mas, mesmo com os apelos de Arinc, milhares de manifestantes continuaram ocupando a praça Taksim, pela quinta noite consecutiva.

Separada por barricadas, a praça e o parque Gezi viraram uma minirrepública informal, controlada pelos próprios manifestantes. Ali foi desenvolvido um comércio próprio, e milhares de pessoas têm dormido nas ruas para dar continuidade aos protestos.

Fora dali, porém, Istambul mantém sua normalidade.