Caso de mãe que vendeu 3 filhas por R$ 6 choca a Índia

Atualizado em  7 de setembro, 2012 - 06:08 (Brasília) 09:08 GMT

Player

Família foi resgatada e está em abrigo para vítimas de tráfico humano em Bengala Ocidental, região onde 15 mil crianças foram vendidas no último ano.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

O caso de uma mulher que vendeu as três filha pelo equivalente a R$ 6 por não conseguir cuidar delas chocou a Índia.

Purnima Halder parece ter 30 e poucos anos, mas não sabe a idade ao certo nem onde nasceu. Para ela, a vida tem sido uma luta constante.

Sem nenhuma dose de emoção, ela conta que decidiu se desfazer das filhas Piya, de 10 anos, Supriya, de 8, e Roma, de 4, para evitar que elas seguissem pelo mesmo caminho.

A história somente se tornou conhecida porque elas foram resgatadas e agora estão, junto com a mãe, em um abrigo para vítimas de tráfico humano em Bijoygunge, a 60 quilômetros de Calcutá.

Os assistentes sociais temiam que elas fossem obrigadas a se prostituir ou serem vítimas de casamentos forçados.

Expulsas

Meninas no abrigo em Bengala Ocidental

Família está em casa que abriga 100 mulheres e meninas e 30 meninos vítimas de tráfico humano

O drama das meninas começou ao serem expulsas de casa pelo próprio pai.

Purnima conta que o marido ficava bêbado com frequência e batia nela e nas filhas.

Até que um dia ele as mandou embora.

Elas acabaram indo morar numa estação de trem, onde Purnima foi convencida a vendê-las para que tivessem supostamente uma vida melhor.

Mas o destino delas era incerto, em uma região onde o tráfico humano é um problema sério.

Mais de 15 mil crianças desapareceram nas mãos de traficantes em Bengala Ocidental no último ano.

"Isso é o que a vida fez a ela (Purnima). Ela está desesperada. Ela enfrentou a pior escolha que uma mãe poderia ter que enfrentar – se desfazer de suas filhas", afirma Annapurna Ghosh, superintendente da casa que abriga mais de cem mulheres e meninas, além de 30 meninos.

No abrigo, as meninas estão seguras, mas sentem dificuldades de adaptação. Elas ainda estão traumatizadas. E ainda temem que a mãe se desfaça delas outra vez.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.