A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Brasileiro conta como sobreviveu a campo de concentração

18 agosto 2012 Atualizado pela última vez 10:12 (Brasília) 13:12 GMT

Há mais de seis décadas vivendo no Brasil, o thecoeslovaco Thomas Venetianer, de 75 anos, é um dos poucos sobreviventes do Holocausto ainda vivos, quando milhares de judeus morreram assassinados em campos de concentração por forças alemãs durante a Segunda Guerra Mundial.  Em entrevista à BBC Brasil, Venetianer contou que parte de sua família foi morta pelas mãos do ex-comissário de polícia húngaro Laszlo Csatary, de 97 anos, o criminoso nazista mais procurado do mundo detido há um mês em prisão domiciliar após ser descoberto por repórteres do jornal britânico The Sun em Budapeste.  Durante a ocupação nazista na Hungria, Csatary foi comandante do gueto responsável por enviar pelo menos 15,7 mil judeus ao campo de Auschwitz, no sul da Polônia, um dos mais conhecidos centros de tortura do regime de Adolf Hitler (1889-1945).
Thomas Venetianer tinha sete anos quando foi levado a campo de concentração.

Há mais de seis décadas vivendo no Brasil, o engenheiro Thomas Venetianer, de 75 anos, é um dos poucos sobreviventes ainda vivos do Holocausto, quando milhares de judeus morreram assassinados em campos de concentração por forças alemãs durante a Segunda Guerra Mundial.

Em entrevista à BBC Brasil, Venetianer contou que parte de sua família foi morta pelas mãos do ex-comissário de polícia húngaro Laszlo Csatary, de 97 anos. Considerado o criminoso nazista mais procurado do mundo, Csatary está há um mês em prisão domiciliar, após ser descoberto por repórteres do jornal britânico The Sun, em Budapeste.

Durante a ocupação nazista na Hungria, Csatary foi comandante do gueto responsável por enviar cerca de 15,7 mil judeus ao campo de Auschwitz, no sul da Polônia, um dos mais conhecidos centros de tortura do regime de Adolf Hitler (1889-1945).