Pentágono busca inspiração em lagosta 'com soco mais rápido do mundo'

Atualizado em  5 de julho, 2012 - 11:11 (Brasília) 14:11 GMT

'Lagosta-boxeadora' serve de inspiração para Pentágono

  • (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
    As tamarutacas são predadores ativos que caçam presas com o auxílio de um sentido de visão muito apurado. (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
  • (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
    A 'lagosta-boxeadora' pode dar um soco de 72km/h, e tem uma aceleração maior do que a de um tiro calibre 22. (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
  • (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
    Com um golpe tão poderoso, a tamarutaca é considerada uma das predadoras mais temidas por caranguejos e moluscos. (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
  • (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
    O segredo está na composição da pata da lagosta-boxeadora que é formado por três camadas compostas de minerais e fibras que amortecem os impactos dos golpes. (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
  • (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
    Um pesquisa da Universidade da Califórnia estuda a composição das patas da lagosta-boxeadora para construir escudos mais resistentes e leves para caças da Força Aérea dos EUA. (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
  • (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)
    A tecnologia desenvolvida a partir da composição da pata da lagosta-boxeadora deve estar disponível para testes militares a partir de 2015. (Foto: Klaus M. Stiefel - Pacificklaus Photography)

Um crustáceo está sendo estudado pela Universidade da Califórnia para incrementar a resistência de aeronaves da Força Aérea dos Estados Unidos.

A lagosta-boxeadora (Odontodactylus scyllarus), também conhecida como tamarutaca no Brasil, chama a atenção pelas cores fortes e por sua semelhança ao louva-a-deus.

Por isso, em inglês é chamada de lagosta pavão-louva-deus.

O bicho é conhecido por ter o soco mais rápido do mundo, que mesmo de baixo d'água chega a 72 km/h.

A equipe usou microscópios eletrônicos, raios-X, espectroscopia e simulações de computadores para entender a estrutura das patas do crustáceo. O coordenador da pesquisa, David Kisailus, declarou ao jornal Los Angeles Times: "Nós ficamos impressionados com este 'cara', que golpeia as suas vítimas dezenas de milhares de vezes em um período de três a quatro meses sem quebrar a mão. Por décadas as pessoas estudaram os caracóis como a referência em resistência a impactos. Mas a tamarutaca come eles no jantar".

O segredo da lagosta-boxeadora é uma pata revestida por três camadas de minerais e fibras que podem absorver repetidos impactos. A pesquisa foi publicada recentemente na versão online da publicação Science.

“Quatro milhões da anos atrás, o crustáceo estava armado com uma lança, mas com o passar do tempo, evoluiu para um taco, capaz de quebrar as carapaças de caranguejos e moluscos... Pensamos que se pudéssemos imitar a estrutura de três camadas, dentro do taco, poderia haver uma aplicação militar", explicou Kisailus ao jornal britânico The Times.

O periódico revelou que a pesquisa recebeu US$ 600 mil de um fundo da Força Aérea americana e que os pesquisadores já construíram um protótipo feito de alumínio e carbono que se mostrou à prova de bala e mais leve do que materiais usados hoje em dia na fabricação dos caças.

Uma versão para testes militares deve estar pronta em 2015.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.