Doença misteriosa afeta desenvolvimento mental de crianças em Uganda

Atualizado em  5 de abril, 2012 - 11:39 (Brasília) 14:39 GMT

Player

Síndrome causa convulsões e até morte; médicos ainda não descobriram a causa e a cura do problema.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Uma doença misteriosa está afetando o desenvolvimento físico e mental de crianças em Uganda.

A doença ficou conhecida no norte de Uganda como Síndrome de Nodding, o nome em inglês dado ao movimento para cima e para baixo que se faz com a cabeça como quando se concorda com algo.

Entre os sintomas apresentados pelas crianças atingidas pela doença estão convulsões frequentes, problemas de fala e falta de força para se manter em pé, além de permanecer em um estado parecido com um transe durante as crises.

Doença misteriosa afeta o desenvolvimento físico e mental de crianças (BBC)

Doença misteriosa afeta o desenvolvimento físico e mental de crianças (BBC)

De acordo com o repórter da BBC enviado ao norte do país africano Will Ross, mais de 3 mil casos foram registrados na região e o governo do país já estabeleceu centros com exames específicos para detectar a doença.

As famílias fazem fila no hospital da cidade de Kitgum e, nas enfermarias, estão crianças com queimaduras graves, que tiveram convulsões perto de fogueiras acesas para cozinhar e não conseguiram se afastar.

Uma enfermeira afirmou que algumas crianças desenvolvem um tipo de psicose e saem de casa perambulando pelas ruas. Muitas não voltam, algumas morrem de fome.

"Estamos ficando estressadas, lidando com esta situação traumática. Você encontra novos casos todo dia, crianças tendo convulsões, outras caindo. Como ser humano você sente a dor", disse Josephine Adong, enfermeira do setor psiquiátrico do hospital de Kitgum.

"Tantos morreram e outros estão em estado grave (...). Alguns estão fracos demais, sem conseguir comer, sem conseguir andar. Se eles não forem levados para o hospital, as chances são grandes de que alguns morram nos próximos dias", acrescentou.

Década de 60

Casos da doença já tinham sido registrados na Tanzânia na década de 60 e, nos últimos anos, o Sudão do Sul também teve casos da Síndrome de Nodding.

Crianças feridas durante convulsões ocupam enfermarias da região junto com os pais (BBC)

Crianças feridas durante convulsões ocupam enfermarias da região junto com os pais (BBC)

Apesar do impacto da doença, as autoridades de saúde ainda estão tentando encontrar a causa e também a cura.

Como alguns dos sintomas são parecidos com os da epilepsia, funcionários do setor de saúde receitam medicamentos anticonvulsivos, usados para lidar com as convulsões epiléticas.

No norte de Uganda as autoridades começaram a usar o valproato de sódio, um medicamento também usado em casos de epilepsia. Os médicos destacam que algumas crianças que receberam estes medicamentos apresentaram melhoras e tiveram menos convulsões.

Mas, quando uma criança afetada pela síndrome chega neste estágio, seu desenvolvimento já foi afetado de forma irreversível.

Em novembro de 2009 o governo de Uganda pediu ajuda do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. Especialistas americanos visitaram a área atingida e levaram amostras para exames, mas ainda estão lutando para descobrir a causa da doença.

"As equipes do CDC documentaram pela primeira vez a Síndrome de Nodding como uma nova e complexa síndrome epilética e que o movimento da cabeça era uma manifestação direta de convulsões que causam um breve lapso na contração muscular devido a alterações na função cerebral", afirmou a organização americana.

"Crianças vivendo em condições de maior pobreza, nas quais não há alimentos o bastante, água limpa ou condições decentes de habitação parecem estar mais suscetíveis a esta condição", acrescentou o CDC.

O norte de Uganda é uma região que foi devastada pela guerra mas agora está pacificada. No entanto, as famílias ainda vivem em condições de muita pobreza.

Governo estabeleceu centros para fazer exames da doença (BBC)

Governo estabeleceu centros para fazer exames da doença (BBC)

Betty Olana vive no vilarejo de Tumangu, muito próximo de Kitgum. Dois filhos dela, Sarah, de 14 anos, e Moses, de 12, foram afetados pela síndrome e parecem bem mais novos.

Eles precisam de cuidados o tempo todo, não conseguem tomar banho ou se vestir sozinhos.

"Quando vou para a fazenda, amarro os dois a uma árvore, para que eles não se machuquem. Se saem andando, eles não sabem onde vão, apenas continuam e se perdem", conta Betty Olana ao repórter da BBC.

Quando ela traz uma bandeja com uma travessa de mingau, Sarah e Moses lavam as mãos e começam a comer, mas, depois de minutos a cabeça de Moses começa a cair, os olhos fecham e ele entra em um estado parecido com um transe.

Alimentos, calor ou clima frio parecem desencadear as crises.

"Já perdi as esperanças. Apenas cuido de Sarah e Moses como se eles fossem flores dentro de casa, sabendo que eles não serão úteis no futuro", disse Betty.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.