Extrema direita avança, e socialistas veem derrota como 'tapa na cara' na França

  • 31 março 2014
Steeve Briois (à direita), o prefeito recém-eleito de Henin-Beuamong, abraça Marine Le Pen, a líder da Frente Nacional, de extrema direita, na França; cidade é tradicional reduto socialista que enfrenta desemprego de 18%
Marine Le Pen (à esq.), líder da Frente Nacional (extrema direita), disse que demonização do partido acabou

Os socialistas franceses sofreram uma derrota histórica nas eleições municipais encerradas no domingo, marcadas por votos de protesto contra a política do presidente François Hollande.

A direita tradicional conquistou bastiões históricos da esquerda na França. A Frente Nacional, da extrema direita, conseguiu eleger 13 prefeitos (entre eles o do distrito mais populoso de Marselha, uma vitória significativa) e quase 1,4 mil vereadores em todo o país, um recorde.

"Entramos em uma nova fase, a de acesso ao poder. O processo injusto de demonização do partido na sociedade acabou", disse Marine Le Pen, presidente da Frente Nacional.

O Partido Socialista (PS) perdeu o comando de 155 cidades com mais de 9 mil habitantes, sendo 68 delas com mais de 30 mil habitantes e dez cidades com mais de 100 mil habitantes, segundo dados do ministério do Interior.

'Tapa na cara'

"É um tapa na cara sob a forma de uma severa advertência", afirmou a socialista Ségolène Royale, que disputou as eleições presidenciais em 2007.

"Essa é a pior eleição municipal da história da esquerda francesa. É o desabamento de uma parte do socialismo na esfera municipal", disse Frédéric Dabi, diretor do instituto de pesquisas de opinião Ifop.

Na França, os prefeitos não são eleitos diretamente. A população elege listas de vereadores que, por sua vez, escolherão o prefeito. O país possui cerca de 36 mil municípios, e até mesmo vilarejos com algumas dezenas de habitantes elegem prefeitos e vereadores.

As listas que obtêm pelo menos 10% no primeiro turno têm o direito de disputar o segundo, o que permite haver vários candidatos na disputa final.

O PS do presidente François Hollande conseguiu manter algumas grandes cidades, como Paris (que será pela primeira vez comandada por uma mulher, a socialista Anne Hidalgo), Lyon, Lille, Estrasburgo e Rennes, e conquistou apenas três prefeituras até então sob o poder da direita, entre elas Avignon.

Mas os socialistas perderam dezenas de municipalidades importantes para a direita e seus aliados do centro, como Toulouse, quarta maior cidade do país, e também bastiões históricos, como Limoges (comandada pela esquerda desde 1912) ou ainda Angers e Belfort, dirigidas pelos socialistas desde 1977.

Para analistas, o resultado em Paris é um "paradoxo nacional". A candidata socialista vai suceder o socialista Bertrand Delanoë, que criou os sistemas de aluguel de bicicletas e de carros elétricos, a chamada "praia de Paris", situada à beira do Sena, o evento da "noite em claro", onde os museus ficam abertos toda a madrugada e que deixa um balanço de governo, considerado, em geral, positivo.

'Derrota coletiva'

A nova prefeita eleita de Paris, Anne Hidalgo, e o ex-prefeito Bertrand Delanoe (à esquerda) celebram a vitória em frente à Prefeitura de Paris (Getty Images)brate in front of the City Hall of Paris, after she won the second round of the French municipal elections on March 30, 2014
Vitória da socialista Anne Hidalgo, em Paris, foi um dos poucos êxitos do partido do presidente François Hollande

Em Quimper, na Bretanha, o prefeito socialista, que também atua como conselheiro de Hollande, não conseguiu se reeleger.

Os socialistas perderam ainda cidades para a própria esquerda, como Grenoble, onde a disputa foi vencida pelo Partido Verde, ou Montpellier, conquistada por um dissidente socialista.

"Essas eleições foram marcadas pelo desafeto significativo das pessoas que confiaram em nós em 2012 (nas presidenciais)", declarou no domingo o primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault, acrescentando que a derrota socialista "é uma responsabilidade coletiva".

"O presidente vai tirar as lições dessa eleição municipal", disse Ayrault, que foi substituído no cargo mais rápido do que o previsto. Hollande nomeou já nesta segunda-feira um novo primeiro-ministro: Manuel Valls, que era o ministro do Interior.

Hollande registra o pior índice de popularidade de um presidente em mais de 50 anos, com apenas 22% a 25%, segundo pesquisas.

Para complicar ainda mais as chances dos socialistas no segundo turno, foi anunciado na semana passada um novo aumento da taxa de desemprego na França.

"Por uma cruel ironia da história, Hollande se tornou o coveiro do que ele mesmo construiu", escreve o jornal Le Monde em um editorial intitulado "A queda do socialismo municipal".

"Durante os 11 anos em que Hollande dirigiu o partido (entre 1997 e 2008), os socialistas colecionaram vitórias em eleições cantonais e regionais, arrancaram Paris e Lyon da direita e conquistaram 44 cidades de mais de 20 mil habitantes", diz o jornal, acrescentando que a "poderosa rede de políticos municipais" constituída ao longo dos anos "desabou abruptamente".

Foi graças a essas rede de eleitos municipais que o Senado francês passou, em 2011, pela primeira vez em sua história, a ser comandado pela esquerda, já que os vereadores integram parte do colégio eleitoral que elege o senado (também é uma votação indireta).

Riscos no Senado

Além do remanejamento do gabinete de governo de Hollande nesta semana, a derrota nas municipais têm outro impacto importante: os socialistas correm o forte risco de perder o comando do Senado em setembro.

"O Senado deverá passar novamente para a direita", estima Jean-François Copé, secretário-geral do UMP (partido do ex-presidente Nicolas Sarkozy). Segundo ele, o UMP se tornou o "primeiro partido da França" após as municipais.

De acordo com o Ministério do Interior, a direita tradicional obteve 45,91% dos votos nas eleições municipais e, a esquerda, 40,57%.

A Frente Nacional (FN), de extrema direita, obteve 6,84%. O restante foi registrado por listas de candidatos sem filiação partidária.

A votação também foi marcada por uma taxa de abstenção recorde, de 36,3% no segundo turno, o que revela, segundo analistas, o "desafeto" dos franceses em relação à classe política.

Extrema direita

As eleições municipais também reforçaram a consolidação da extrema direita como terceira força política da França, na avaliação de analistas.

É certo que o avanço da FN não foi tão grande como inicialmente estimado após o primeiro turno. O partido participou de mais de 200 disputas de segundo turno no país, algo jamais visto.

Apenas 12 cidades mais um distrito de Marselha (o mais populoso, com 150 mil habitantes) foram conquistados, mas os resultados se inserem totalmente na nova estratégia do partido: se estabelecer em nível municipal para ampliar, progressivamente, suas chances na disputa presidencial (Marine Le Pen, a líder do partido, obteve 17% nas presidenciais de 2012, sendo a terceira colocada).

Como os cargos de vereadores são distribuídos proporcionalmente aos resultados na votação (mesmo derrotado para o comando da prefeitura, um partido pode eleger vários vereadores), a Frente Nacional conseguiu eleger 1,4 mil vereadores.

Em algumas cidades, o partido chegou a obter 30% dos votos no segundo turno. A FN conseguiu se firmar com vereadores em localidades onde jamais esteve presente, como na Bretanha, em cidades operárias com altas taxas de desemprego.