Medalhista paraolímpico Oscar Pistorius é preso suspeito de matar namorada

Atualizado em  14 de fevereiro, 2013 - 08:02 (Brasília) 10:02 GMT
Oscar Pistorius e a namorada. AP

Reeva Steenkamp, de 30 anos, teria sido confundida com um intruso, segundo a imprensa sul-africana

O velocista sul-africano Oscar Pistorius foi preso pela polícia da África do Sul suspeito de ter matado a tiros a namorada em sua casa, em Pretória.

Segundo a imprensa sul-africana, Pistorius teria confundido a namorada, a modelo Reeva Steenkamp, de 30 anos, com um intruso. Ela morreu com um tiro na cabeça e outro no braço.

O incidente ocorreu durante a madrugada desta quinta-feira, no condomínio onde o atleta mora na capital sul-africana.

A mulher chegou a ser atendida por paramédicos, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

"Nós encontramos uma pistola 9mm no local. Um homem de 26 anos foi detido", disse a porta-voz da polícia Katlego Mogale, à agência Reuters.

Prótese

Pistorius, de 26 anos, foi o primeiro atleta com as pernas amputadas a correr nas Olimpíadas, usando duas próteses.

Ele passou a usar duas próteses de fibra após nascer sem o perônio, o osso da canela, nas duas pernas.

Em 2012, nas Olimpíadas de Londres, ele competiu de igual para igual, chegando às semifinais das provas dos 400 m rasos.

Na Paraolimpíada, ele ganhou medalha de ouro nos 400 m T44.

Ele causou polêmica depois de perder a prova dos 200m T44 para o brasileiro Alan Fonteles, ao reclamar de supostas vantagens da prótese usada pelo atleta brasileiro.

Em conversa com a BBC, o comentarista sul-africano Daniel Silke disse que Pistorius é uma "lenda viva" na África do Sul.

"Ele é um herói no esporte da África do Sul. Ele é alguém que já superou grandes dificuldades e tragedia em sua vida pessoal", disse.

Criminalidade

A África do Sul tem um dos mais altos índices de criminalidade no mundo. Cerca de 50 pessoas são assassinadas por dia no país.

Devido à insegurança, é comum manter armas em casa. Cerca de 6 milhões de armas circulam no país, de 50 milhões de habitantes.

Erika Gibson, repórter do jornal Beelt, disse à BBC que o processo para adquirir a licença para porte de armas é bastante rigoroso, no entanto.

A criminalidade também faz com que a classe média do país prefira viver em condomínimos fechados.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.