Irmandade Muçulmana acusa Israel por morte de 16 guardas egípcios

Atualizado em  6 de agosto, 2012 - 18:04 (Brasília) 21:04 GMT

A Irmandade Muçulmana acusou o serviço secreto israelense, o Mossad, pela morte de 16 guardas egípcios no domingo nas proximidades da fronteira entre os dois países .

O comunicado do partido, ao qual pertence o presidente egípcio Mohammed Mursi, disse ser urgente rever os termos do acordo entre Israel e Egito.

Um porta-voz da chancelaria israelense rejeitou as acusações como sem sentido.

A mídia estatal egípcia disse que os soldados foram mortos por extremistas islâmicos que entraram no país pela Faixa de Gaza.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.