BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 03 de setembro, 2008 - 09h54 GMT (06h54 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Grandes títulos, grandes livros
 

 
 
Ivan Lessa
Patenteei a leitura rigorosa de um livro. O método leva meu nome. Foi adotado por diversas pessoas de alto nível escolástico e alguns estabelecimentos de ensino esclarecidos. Nada mais simples. Chega-se à livraria, toma-se do objeto em questão (um livro, ora bolas!), abre-se ao meio, leva-se ao nariz e, então, aspira-se profundamente. O olor dirá tudo. Trama (caso tenha) personagens, estilo e lugar na história literária.

Nunca me ocorreu o que agora descubro com imensa alegria, eu que abandonei os livros, por serem desinteressantes, em troca da alta definição na televisão e o Blue Ray nos DVDs. A literatura acabou, decreto do alto de minha poltrona do papai. Viva o livro!

O que há é que humildemente reconheço que um valor mais alto do que eu se levantou. Trata-se do método – melhor dizendo, um esquema – bolado pelo insigne editor britânico Bruce Robertson, que, há 30 anos, no decorrer de uma dessas chatíssimas feiras de livros, a saber, a de Frankfurt, cansado de percorrer barraquinha e ver bobagem empilhada em cima de bobagem, tolice enfileirada ao lado de tolice, deu com um título interessante, uma vez que, homem sofisticado que era e é, não tinha mais paciência para a bobajada que se vende mundo afora. Saibam que no Reino Unido são editados cerca de 200 mil títulos novos de livros por ano. Duro ser editor, duro ser editado, duro, muito mais duro, ser leitor.

Dizia eu que o bom Bruce Robertson esbarrou, assim como quem não quer nada, num título interessante. A saber: "100 anos de cozinha nos trens britânicos". Gostou. Procurou mais coisas no gênero. Achou. "Cozinhando com Deus" e "50 novos estilos de pentear seu poodle". No entanto, o verdadeiro estalo de Vieira – ou boom do Bruce – deu-se com o volume "Autos da segunda oficina internacional sobre camundongos nus". Palavras de honra. Minha e do Bruce Robertson. Confiram aí. Foi editado pela University of Tokyo Press. Nada se sabe se foi ou não realizada uma terceira ou quarta workshop (para ficar no título original) sobre os bichinhos pelados. Nem porque deixaram de registrar o que se passou durante a primeira workshop. O importante é que nasceu aí, nessa tristeza da feira de Frankfurt, o Prêmio Diagram. Muito mais importante, no entender de muita gente boa, feito eu, Bruce e um rapaz que vocês não conhecem, do que os prêmios Pulitzer, Nobel, Juca Pato, Jabuti ou Camões. O vencedor leva para casa uma garrafa de vinho tinto razoável. Eu disse "razoável". Os conhecedores de títulos de livros são eméritos apreciadores daquilo que não atinge, ou sequer almeja, os pináculos da glória.

Não tenho mais nada a acrescentar. A não ser, claro, enfileirar, os títulos dos livros que mais me despertaram a atenção. Que fique claro: os livros, concorrentes apenas, ou vencedores, não devem, em hipótese alguma, serem lidos. O importante é o título. Só.

Segue uma modesta amostra. Joões Ubaldos e Paulos Coelhos, roam-se de inveja.

  • "Uma história pictórica do revestimento de línguas"
  • "Doenças inflamatórias dos intestinos: uma visão pessoal"
  • "Doenças infecciosas práticas"
  • "Sexo a seis pernas: a vida erótica dos insetos"
  • "Canibalismo neurótico induzido em porcos da Antarctica"
  • "Batatas da Bolívia: seu valor como plantação e relações evolucionárias"
  • "Instruções sexuais para agricultores irlandeses"
  • "Como secar flores no microondas"
  • "Impermeabilize seu bebê"
  • "Como cagar no mato" (vencedor, frise-se, do Prêmio Diagram de 1989)
  • "Manual do bom uso de suspensórios"
  • "Manutenção nasal"
  • "Escavando buracos e buracos muito grandes"
  • "Como evitar navios grandes"
  • "Autos do 18º Simpósio internacional de algas marítimas"
  • "Autos do 6º Congresso internacional da fadiga"
  • "Carrinhos de supermercado perdidos no leste da América do Norte: um guia para sua identificação" (Vencedor do Diagram de 2006 e exibido nas melhores vitrinas de livrarias do mundo. Chegou aí?)
  • "Gente que não se sabe morta"
  • "Costurando com o pelo de seu cachorro"
  • "Pequenos judeus fabulosos"
  • "Aumente o busto com o poder de seu pensamento"
  • "Guerra nuclear: como lucrar com ela"
  • "Como operar seu próprio cérebro"

Espero que nossos editores, que não primam pelo brilho em suas escolhas profissionais, aprendam alguma coisa com a lista acima e o emérito objetivo do Prêmio Diagram.

 
 
Arquivo - Ivan
Leia as colunas anteriores escritas por Ivan Lessa.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Canção de na bica da volta
01 setembro, 2008 | BBC Report
Achados e perdidos: o tempo
29 agosto, 2008 | BBC Report
Finalmente a aterrissagem
27 agosto, 2008 | BBC Report
Adeus, enfim, Portugal!
25 agosto, 2008 | BBC Report
Férias: duração de um bronzeado
22 agosto, 2008 | BBC Report
Férias: onde e como passá-las
20 agosto, 2008 | BBC Report
A monotonia das férias
25 julho, 2008 | BBC Report
Mateus, primeiro teus rosés
23 julho, 2008 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade