BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 20 de maio, 2008 - 16h13 GMT (13h13 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Festival celebra casamentos de menores de idade na Índia
 

 
 
Foto de Arquivo
O casamento infantil é ilegal, mas praticado com freqüência
Centenas de menores de idade se casaram no Estado de Rajastan, no noroeste da Índia, como parte do festival de "Akshaya Trtiya", ou "Akha Teej".

O dia é considerado auspicioso para os indianos, especialmente para comércio, compras e casamentos, já que se celebra o nascimento do deus Visnú, tido como o guardador da vida no panteão hindu. É por esta razão que, todos os anos, se organizam centenas de casamentos entre crianças durante as comemorações.

Apesar de o matrimônio infantil ser proibido pelas leis indianas, uma vez que a cerimônia é realizada, a união torna-se válida.

Por isso, no festival deste ano, realizado há duas semanas, as autoridades indianas estavam em alerta e realizaram campanhas intensivas nos meios de comunicação para evitar a prática, considerada retrógrada.

De acordo com os dados da Unicef (Fundo da ONU para Infância e Adolescência), 56% das meninas indianas se casam antes dos 15 anos e 17% antes dos 10.

Uma pesquisa recente sobre saúde familiar nacional na Índia indicou que mais de 50% das meninas do Estado de Rajastan são mães antes dos 19 anos.

Incidência

Palácio em Rajastan
Rajastan é um importante destino turístico

A maioria dos casamentos infantis acontece em áreas rurais nos distritos de Jaipur, Alwar, Tonk, Sawai Madhopur, Bundi, Kota, Ajmer e Udaipur – todos no Estado de Rajastan.

O Estado é um importante destino turístico e conta com diversas atrações históricas e monumentos, como palácios, castelos e ruínas. No entanto, também apresenta um dos piores indicadores sociais do país: alto índice de analfabetismo, infanticídio, feticídio, casamentos infantis e violência.

Nas aldeias das regiões, as meninas são retiradas das escolas para que possam aprender suas obrigações matrimoniais - carregam água, fazem bolos de excrementos de animais para combustíveis e esfregam pisos.

Há várias possíveis razões para o grande número de casamento entre crianças na região. Os assistentes sociais apontam que os pais organizam estes matrimônios para economizar o custo da cerimônia, já que várias irmãs se casam ao mesmo tempo.

Além disso, os pais temem não conseguir noivos para suas filhas se estas crescem. No entanto, acima de tudo, as principais razões são a ignorância e a pobreza.

Efeitos negativos

Os efeitos negativos dos casamentos infantis são tão diversos quantos as razões pelas quais eles são realizados.

Casamento em Varanasi, Índia. Foto: AP
Os casamentos têm vários efeitos negativos

O matrimônio infantil está relacionado com problemas como o alto índice de natalidade, a pobreza extrema, o analfabetismo, a mortalidade infantil, a desnutrição e a baixa expectativa de vida no campo entre as mulheres.

De acordo com um relatório publicado na revista India Today, a população de Dbala Kachra, no distrito de Bhilwara, registrou 181 casos de casamentos infantis que fracassaram.

Em algumas ocasiões, os maridos venderam as esposas para outros homens. Por causa desse tráfico humano, muitas mulheres assassinaram seus esposos.

De acordo com Mohini Giri, ex-presidente da Comissão Nacional de Mulheres da Índia, trata-se de uma tragédia não apenas para as meninas, mas para o país, o fato de elas "sofrerem com esta prática retrógada e se casem antes que tenham a oportunidade de florescer".

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Casamento de macacos atrai 3 mil na Índia
26 fevereiro, 2008 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade