BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 14 de maio, 2008 - 19h05 GMT (16h05 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Conflito protege e causa danos à selva na Colômbia
 

 
 
Guerrilheiros da Farc patrulham localidade na selva amazônica colombiana
Guerrilheiros da Farc patrulham selva amazônica colombiana

O conflito colombiano, que inflige danos ao país, está paradoxalmente protegendo os 447 mil km² de território amazônico dentro da Colômbia contra ameaças, maiores, de migrações e ambiciosos projetos econômicos.

"O conflito evita que as pessoas venham (para a Amazônia)", disse à BBC o diretor do braço colombiano da entidade ambientalista Tropenbos Internacional, Carlos Rodríguez. "Quem vai querer entrar na selva no meio da guerra?"

Entretanto, na selva ocorrem freqüentes enfrentamentos entre o Exército colombiano e a guerrilha, além de ser onde se localizam 35% das plantações colombianas de coca, que cobrem 90 mil hectares.

De um lado, os laboratórios que processam a cocaína na selva utilizam químicos que poluem as fontes de água.

De outro, o governo colombiano lança sobre as plantações de coca o herbicida glifosato, que não apenas mata a coca, mas também a flora.

Nem mesmo parques nacionais, como La Macarena, escapam da fumigação aérea de glifosato.

A medida apenas faz com que as plantações mudem de local, o que ocasiona desmatamento não apenas na Amazônia, mas no resto do país.

Desmatamento

Estima-se que a cada ano cerca de 2 mil km² de Amazônia Colombiana estejam sujeitas ao desmatamento, embora isto não se deva apenas às plantações de coca. Outro fator é a atividade madeireira.

Segundo Darío Fajardo, diretor do instituto estatal de estudos amazônicos, Sinchi, as conseqüências mais visíveis do desmatamento na região é a proliferação das áreas de pastagem na Amazônia.

Fumigação aérea na Colômbia
Herbicida potente usado contra a coca também prejudica flora

A zona contém 61% dos recursos naturais madeireiros da Colômbia, nos quais a extração de madeira para construção é dificultada pela falta de estradas.

Carlos Rodríguez disse à BBC que a Colômbia desenvolveu uma "política progressista para a conservação da floresta tropical" dentro da região amazônica, que, apesar de problemas em sua aplicação, tem protegido a selva.

Entretanto, Darío Fajardo diz que descobertas mostram que a madeira é extraída no Peru com licenças especiais emitidas na Colômbia e então contrabandeada e processada na Colômbia.

Para Rodríguez, em relação a outros fenômenos, como a mudança climática, e comparado com outros países amazônicos, como o Brasil, a zona colombiana está em uma boa situação.

"Enquanto no Brasil chove menos, na Colômbia chove mais, e isso permite a melhor conservação dos ecossistemas", afirma.

Segundo o instituto Sinchi, estão catalogadas na Amazônia 674 espécies de aves, 1.965 espécies de répteis, 2.121 espécies de mamíferos e 753 espécies de peixes. Desse universo, umas 79 estão ameaçadas.

Urbanização

Para Fajardo, não há dúvida de que a principal ameaça contra a Amazônia é o aumento da densidade demográfica e a urbanização.

Cerca de 1 milhão de habitantes vivem na região amazônica colombiana, um terço do território do país. A Colômbia tem 42 milhões de habitantes.

"Há uma pressão crescente de povoamento da Amazônia, aonde estão chegando populações deslocadas (pelo conflito) de outras zonas do país", adverte Fajardo.

Segundo o instituto Sinchi, o fenômeno ocorre sobretudo nos pequenos municípios e povoados.

Entretanto, Carlos Rodríguez considera que, além da migração, a exploração petroleira e a extração de ouro ameaçam a Amazônia colombiana.

Ele lamenta que a Colômbia não conte com "políticas públicas claras para a Amazônia, que levem em conta o contexto cultural, ambiental e social local" e que a região seja pensada apenas "em termos de exploração econômica".

Jaguar (Foto: Mongabay, 2006)
Amazônia colombiana tem milhares de espécies catalogadas

Proteção

O diretor da Tropenbos diz que a Colômbia tem "uma boa legislação e garantias constitucionais" – entretanto "há problemas na aplicação das políticas".

A idéia é complementada por Fajardo, que acrescenta que a Amazônia está sendo ameaçada pela expansão da agricultura industrializada, como a da palma africana.

Segundo o especialista, o grande problema dos monocultivos na Amazônia é que eles atentam contra a biodiversidade, uma das principais características da zona.

Ele lembra que a história da exploração de borracha na Amazônia, no passado, andou de mãos dadas com os conflitos sociais.

Ambos os especialistas acrescentam que, apesar de tudo, a porção colombiana da Amazônia – entre 5% e 8% do total amazônico – é a zona que está em melhor situação, em relação a outros países.

 
 
Rio Amazonas Desafio amazônico
A floresta entre a preservação e o desenvolvimento.
 
 
O economista Alberto Acosta Equador
Amazônia e 'maldição da abundância'.
Veja
 
 
Amazônia
Agricultores contra a lei de preservação.
Veja
 
 
Refugiados do conflito colombiano (Foto: Acnur) Conflito no vizinho
Colombianos vêem Brasil como refúgio inacessível.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Amazônia pode 'morrer' em 50 anos, diz estudo
05 fevereiro, 2008 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade