BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às:
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Saiba mais sobre as usinas do rio Madeira
 
O rio Madeira, na região da Vila de Teotônio, a 25 km de Porto Velho
Ambientalistas se dizem preocupados com impacto sobre biodiversidade da região
O processo de licitação da usina hidrelétrica de Santo Antônio (RO), que deve ocorrer dia 10, foi marcado por polêmicas relacionadas às condições de concorrência e aos impactos ambientais e sociais.

Em 2008, deverá ser licitada uma segunda usina, a de Jirau.

Entenda os debates em torno do projeto.

Por que a iniciativa é tão polêmica?

Ambientalistas e o Ministério Público se dizem preocupados com o impacto da obra sobre uma região tão rica em biodiversidade e sobre as populações ribeirinhas.

Um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) considerou os custos da obra superestimados e, além disso, contratos de exclusividade da Odebrecht com a estatal Furnas e com fornecedores de equipamentos levantaram suspeitas sobre as condições de concorrência.

Críticos também questionam se uma obra desse porte tão longe dos principais centros consumidores de energia seria a melhor opção para o país.

Por que as usinas são importantes?

A capacidade de produção de energia elétrica do país está próxima do limite e existe risco de desabastecimento se a economia crescer de forma mais acelerada.

A garantia de fornecimento de energia futura também dá segurança a empresários que planejam investir no país.

Os defensores do projeto dizem que o Brasil precisa dessa energia e que tem de buscá-la na Amazônia porque é lá que está 60% do potencial hídrico do país.

As novas usinas acabam com o risco de apagão elétrico?

Não acabam com o risco de falta de energia nos próximos anos, mas diminuem os riscos de falta de energia mais para a frente, especialmente a partir de 2012.

Qual são as principais preocupações com o meio ambiente?

Evitar o desaparecimento de determinadas espécies de peixe, que terão a sua rota migratória interrompida pelas barragens, evitar o acúmulo de sedimentos na represa e diminuir o impacto para as populações ribeirinhas que vivem da pesca e da agricultura nas áreas de várzea durante a época da seca.

Qual foi a polêmica em torno da licença ambiental?

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) concedeu a licença prévia para os dois empreendimentos em julho deste ano, após ter feito uma série de questionamentos e pedidos de complementação nos estudos de impacto ambiental, concluídos em maio de 2006.

A demora incomodou setores do governo como a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. A licença acabou saindo com 33 condicionantes.

Quais são as condicionantes?

O Ibama exige, por exemplo, que as ensecadeiras (paredões de concreto) construídas durante a obra sejam demolidas, para facilitar o fluxo de sedimentos e larvas de peixes.

Outra condicionante é a construção de um canal artificial para os peixes continuem subindo o rio para se reproduzir.

Também estão previstos programas de monitoramento para avaliar o risco de uma acumulação excessiva de mercúrio nos reservatórios e o dépósito de sedimentos.

Quais são as principais críticas ambientais ao projeto?

Os ambientalistas também dizem que os estudos avaliaram uma parte muito pequena do rio, a do trecho imediatamente afetado pelas usinas, e não permitem antever os efeitos que as obras poderão ter em toda a dinâmica do rio.

Segundo eles, as análises deveriam ter coberto toda a bacia do Madeira.

Como os empreendedores respondem a essas críticas?

O consórcio Furnas Odebrecht, que realizou os estudos de impacto ambiental, afirma que a lei não determinava que o estudo fosse feito em toda a bacia.

Eles dizem ainda que a tecnologia prevista no projeto minimiza o impacto ambiental em relação a outras hidrelétricas.

Como funciona essa tecnologia?

Nas chamadas usinas a fio d'água, as turbinas estão deitadas e são movidas pela correnteza, não por uma queda d'água, o que, segundo o consórcio, não altera muito a velocidade normal da água e por isso reduz a acumulação de matéria orgânica.

Segundo Furnas/Odebrecht, esse sistema torna nulos os riscos de assoreamento do rio e do acúmulo de níveis perigosos de mercúrio.

As hidrelétricas não são consideradas uma fonte de energia limpa?

Alguns ambientalistas questionam isso por causa das emissões de metano que elas geram e do alagamento, que interfere na dinâmica de cheia e seca, da qual dependem diversas espécies.

Além disso, pelo deslocamento de pessoas que essas obras envolvem, o impacto social também é considerado grande. Essa corrente defende usinas menores, com menor impacto no meio ambiente, uso de fontes alternativas de energia como o sol e o vento e diminuição do o desperdício de energia.

Outros dizem que a energia hidrelética ainda é preferível a fontes mais poluentes como o carvão e óleo diesel.

Por que o leilão foi adiado tantas vezes?

O governo argumentava que a concorrência precisava ser assegurada para garantir um menor preço da energia ao consumidor.

Até setembro, o único consórcio que se manifestava interessado em participar da licitação era o formado por Furnas, subsidiária da Eletrobras, com a construtora Norberto Odebrecht.

Outras empresas diziam relutar entrar na disputa por causa de um contrato de exclusividade do consórcio com fornecedores de geradores e turbinas previstos no projeto.

Como essa questão foi resolvida?

A Odebrecht abriu mão do contrato de exclusividade com o argumento de que não queria ser mais responsabilizada pelos atrasos no leilão, embora tenha defendido os contratos como "plenamente legítimos e prática usual de mercado".

Quem vai participar do leilão?

Três consórcios. O primeiro liderado por Furnas/Odebrecht (Consórcio Madeira Energia, com participação de Andrade Gutierrez, Cemig e Fundo de Investimentos, Banif e Santander); o segundo por Chesf e Camargo Corrêa (Consórcio de Empresas Investimentos de Santo Antonio, com participação da CPFL Energia e da Endesa); e o terceiro composto por Suez e Eletrosul.

Como será definido o vencedor?

Será um leilão reverso, ou seja, foi estabelecida uma tarifa-teto de R$ 122 MW/hora e quem apresentar o mesmo preço, desde que cumpra outras condições previstas no edital, ganha o direito de construir e explorar a usina.

Qual é a capacidade das usinas?

Juntas, as duas usinas terão capacidade de produzir 6.450 megawatts – o equivalente a metade da potência de Itaipu e 8% da demanda nacional, de acordo com o governo.

Quando as usinas serão construídas?

A construção de Santo Antônio deverá começar entre o final de 2008 e o início de 2009.

A usina deverá começar a funcionar com capacidade parcial em 2012, de acordo com o cronograma, e com capacidade total em dois ou três anos.

A usina de Jirau deverá ser licitada no início do ano que vem.

 
 
Rio Madeira
Ambientalistas criticam hidrelétricas.
Veja
 
 
Encontro entre os rios Mamoré (Brasil) e Beni (Bolívia),que dá origem ao rio Madeira Complexo Madeira
Usinas são início de grande projeto amazônico.
 
 
Região entre os rios Purus e Madeira Usinas no Madeira
Para biólogo, impacto na biodiversidade é imprevisível.
 
 
Cachoeira de Santo Antônio, onde uma das usinas será construída Hidrelétricas
MP questiona estudos de impacto do Madeira.
 
 
Itaipu Hidrelétricas
'Tem que rezar' para evitar apagão antes de 2012, diz analista.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade