BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às:
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Daiane dos Santos é 'protótipo da brasileira'
 

 
 
(Foto: Confederação Brasileira de Ginástica)
Daiane: Resultado misturou surpresa e confirmações
Do ponto de vista genético, a ginasta Daiane dos Santos é o protótipo da brasileira, indica o exame do seu DNA feito pelo cientista Sérgio Danilo Pena, a pedido da BBC Brasil como parte do projeto Raízes Afro-brasileiras.

Segundo o estudo do Laboratório Gene, de Pena, a atleta gaúcha tem 39,7% de ancestralidade africana, 40,8% européia e 19,6% ameríndia.

Dos nove indivíduos analisados, foi Daiane quem apresentou as proporções mais equilibradas entre os três principais grupos que deram origem à população brasileira.

Apesar da surpresa, a ginasta disse que o resultado explica a diversidade na sua família e se mostrou orgulhosa por ter "um pouco de cada".

"A parte da família da minha mãe é muito estranha", disse em entrevista no centro esportivo da Confederação Brasileira de Ginástica, em Curitiba, onde treina todos os dias.

"Tem primo loiro, índio, ruivo, negro. É tudo misturado. É igual ao Brasil, ninguém é puro de nenhum lugar, é uma mistura de raças."

Parte européia

Daiane só não esperava a composição européia. "Essa parte européia foi a maior surpresa para mim", disse, rindo.

Apesar dos genes europeus, Daiane ainda se vê como afro-descendente. "Acho que pela cor da pele. O importante é que todos somos brasileiros", acrescentou.

Já a irmã Cíntia não escondeu uma certa desconfiança com o resultado: "Européia?", perguntou, olhando para Daiane.

Das origens indígenas, a atleta só sabia que a sua bisavó materna era índia e que havia saído do "Uruguai ou do Paraguai".

"A minha bisavó era de tribo e foi para o Rio Grande do Sul. A minha mãe conta que ela vivia em oca mesmo", disse.

O projeto da BBC Brasil analisou o DNA de outros oito afro-brasileiros: Milton Nascimento, Djavan, Neguinho da Beija-Flor, Frei David Santos, Ildi Silva, Obina, Sandra de Sá e Seu Jorge.

Ancestralidade genômica
39,7% africana
40,8% européia
19,6% ameríndia
Laboratório Gene

Para chegar às proporções ameríndia, africana e européia de Daiane, a equipe de Pena analisou 40 regiões do seu genoma para estimar uma média da composição genética.

Ancestrais mais distantes

A equipe de Pena também rastreou os ancestrais mais distantes da ginasta por parte de pai e mãe, por meio do exame do DNA mitocondrial (blocos de DNA que só passam de mãe para filhos e filhas) e do cromossomo Y (transmitido apenas do pai para filhos homens).

Na análise da linhagem materna, o geneticista conclui que o haplogrupo (conjunto de seqüências genéticas) de Daiane é antigo, tendo se originado por volta de 20 mil anos atrás.

Das mais de 20 etnias em que Pena afirma ter identificado haplótipos (seqüências genéticas) idênticos aos de Daiane dos Santos, a única que Daiane reconhece são os iorubás - grupo famoso no Brasil por predominar na Bahia.

A lista inclui nomes menos conhecidos como Bakaka, Fula, Futa-Fula, Mansonca, Pepel, Chuabo, Serer e Wolof, entre outros.

Como o cromossomo Y só é passado entre homens, para analisar a ancestralidade paterna de Daiane, a equipe de Pena teve de examinar amostras de DNA do pai da ginasta, Moacir dos Santos.

Em uma indicação de que a linhagem do pai de Daiane é mais freqüente no Brasil do que a da mãe, o haplogrupo (grupo de haplótipos) de Santos foi visto em 47% dos negros que participaram de um estudo recente que Pena realizou em São Paulo.

"Este haplogrupo (E3a) é o mais freqüente na África Subsaariana, tendo uma ampla distribuição geográfica, que inclui as três regiões de onde vieram escravos para o Brasil: África Ocidental, África Centro-Oeste e África Sudeste", diz o geneticista, no seu relatório.

O geneticista Sérgio Pena explica, no entanto, que os testes de ancestralidade materna e paterna revelam apenas o ancestral mais antigo de cada lado.

Daí a importância de se fazer o teste de ancestralidade genômica que tira uma "média" do DNA e estima as porcentagens de ancestralidade africana, européia e ameríndia.

Sérgio Pena calcula em 2,5% a margem de erro dos testes de ancestralidade genômica.

Integram a equipe de Sérgio Pena que realizou os exames no Laboratório Gene: Heloísa Pena e as alunas de doutorado do geneticista Vanessa Gonçalves e Simone Santos.

 
 
Sandra de SáSandra de Sá
Cantora tem 96% de genes africanos.
Veja
 
 
Seu JorgeSeu Jorge
Músico descende de bantos africanos.
Veja
 
 
Neguinho da Beija-FlorNeguinho
Cantor tem mais genes europeus.
Veja
 
 
Daiane dos Santos
Ginasta tem mais genes europeus.
Veja
 
 
Frei David dos Santos Frei David
68% africano, ativista queria mais detalhes sobre origens.
 
 
Ildi Silva (Foto: Fernando Torquato)Negra européia?
Ninguém sabe como me definir, diz atriz global.
 
 
DjavanDjavan
Resultado 'bate' com o que eu sinto, diz músico.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade