BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 31 de agosto, 2006 - 19h03 GMT (16h03 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
PIB será R$ 376 bi menor do que previu Lula, diz economista
 

 
 
Para economista, baixo crescimento afetou geração de emprego
O economista Claudio Considera, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), afirma que o Brasil deve deixar de ganhar R$ 367 bilhões nos quatro anos do governo Lula em relação ao sugerido pelo programa petista na eleição de 2002.

Essa é a diferença entre o PIB de R$ 2,094 trilhões, previsto para 2006 (considerando-se uma estimativa de crescimento de 3,5% até o final do ano e inflação de 4,5%), e o de R$ 2,461 trilhões, valor que seria alcançado se o Brasil tivesse crescido a uma taxa de 5% ao ano desde 2003, como almejado.

Em um dos cadernos temáticos que detalhavam seu programa de governo em 2002, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmava: "toda a política econômica no período de 2003 a 2006 deve ser concebida para viabilizar um crescimento médio de pelo menos 5%".

No texto geral do programa de governo, a expectativa em relação ao crescimento era ainda maior. "O Brasil já demonstrou, historicamente, uma vocação para crescer em torno de 7% ao ano. É essa vocação que o nosso governo vai resgatar", dizia o documento.

Nesses quatro anos de governo, no entanto, o crescimento foi mais modesto.

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB cresceu 0,5% em 2003, 4,9% em 2004 e 2,3% em 2005.

A coordenação da campanha de Lula à reeleição admite que o crescimento ficou aquém do desejado. Mas diz que, no âmbito possível, o Brasil cresceu mais do que nos oito anos anteriores e que, para um eventual segundo mandato, o compromisso é um desempenho nos mesmos patamares dos países em desenvolvimento.

Emprego

Segundo Considera, que foi secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, uma das conseqüências desse baixo crescimento é a menor geração de emprego.

"Mantendo-se a produtividade, a mesma quantidade de produto por trabalhador de 2002, deveriam ter sido gerados 7,74 milhões de empregos com esse crescimento do PIB", diz o economista.

"Caso se atingisse a taxa de 5% ao ano, seriam 14,304 milhões de empregos a mais", afirma Considera.

O programa de governo de 2002 falava em 10 milhões de vagas. "O país precisa criar 10 milhões de empregos. Pode parecer um número exagerado, mas não é", dizia a carta ao povo brasileiro assinada por Lula em 23 de julho de 2002.

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram criados 4,5 milhões de empregos com carteira assinada desde 2003.

Se incluídas vagas no serviço público e informais, esse número sobe para aproximadamente 6 milhões de empregos.

 
 
Brasil foi país que menos cresceu no mundo no 2º trimestrePIB
Brasil foi país que menos cresceu no 2º trimestre.
 
 
América Latina
Jornais de Argentina e Chile destacam 'insultos' de Lula.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade