BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 10 de julho, 2006 - 03h07 GMT (00h07 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Decisão dramática marca o fim da carreira de Zidane
 

 
 
Zidane
Tão longe, tão perto...
Os contornos dramáticos da decisão da Copa do Mundo, no Estádio Olímpico de Berlim, transformaram o anunciado fim de carreira do craque francês Zinedine Zidane em um dos momentos mais marcantes da história do futebol mundial.

No início da partida, Zidane marcou, de pênalti, o gol que deu vantagem à França. Mas a Itália reagiu e conseguiu o empate. Em clima de tensão, o jogo seguiu para a prorrogação. Poucos minutos antes do fim, o craque francês partiu.

Depois de agredir o zagueiro italiano Marco Materazzi com uma cabeçada, Zidane foi expulso de campo pelo árbitro argentino Horácio Elizondo. Cabisbaixo e irritado, passou ao lado da taça da Copa do Mundo e entrou no vestiário para não voltar mais.

O empate persistiu até o fim da prorrogação. Nos pênaltis, a Itália conquistou o tetracampeonato mundial e deu início a uma grande festa. Mas o momento era de decepção para os franceses. A Copa e a trajetória do genial Zidane terminavam em derrota e tristeza.

Despedida

Antes da Copa, quando anunciou que abandonaria o futebol depois do torneio, Zidane provavelmente não imaginava o que viveria no último mês de sua carreira.

Desacreditado após uma temporada ruim com o Real Madrid, o craque francês renasceu durante a competição. Foi decisivo na vitória contra o Brasil, nas quartas-de-final, e conquistou a chance de se despedir do futebol em uma final de Copa do Mundo.

Na decisão, entrou para a história mais uma vez: ao marcar o primeiro gol da partida, juntou-se aos brasileiros Pelé e Vavá e ao alemão Paul Breitner no restrito grupo de jogadores que marcaram gols em duas finais de Copa.

Mas os planos de repetir a conquista de 1998, quando fez dois gols na vitória por 3 a 0 contra o Brasil na decisão, chegaram ao fim após a discussão com Materazzi.

Agressão

A agressão estragou a despedida, mas foi perdoada pelos companheiros e pelos fãs do craque, incluindo o presidente da França, Jacques Chirac, que, após a partida, manifestou "admiração e respeito" pela trajetória de Zidane no futebol.

O técnico da seleção francesa, Raymond Domenech, também lamentou a expulsão do principal jogador de sua equipe, mas criticou a atuação do árbitro e expressou compreensão com a atitude de Zidane.

"Materrazzi foi o homem do jogo, e não Andrea Pirlo", disse o treinador, ironizando o jogador eleito pela Fifa como melhor em campo e o zagueiro que, além de marcar o gol do empate italiano, teria provocado Zidane no lance da expulsão.

"Quando alguém passa pelo que Zidane passou e o árbitro não faz nada, é compreensível”, acrescentou Domenech. “Você não pode desculpar, mas você pode entender."

O ídolo do futebol alemão Franz Beckenbauer, que preside o comitê organizador da Copa, também saiu em defesa do francês e chegou a dizer que, se Zidane desistisse de encerrar a carreira, seria recebido de braços abertos pelo Bayern de Munique.

"Materazzi deve ter dito algo a Zidane, que é uma pessoa tranquila, até inofensiva", disse Beckenbauer. "É uma pena que ele pare. Gostaríamos de continuar vendo-o jogar."

Zizou

Apesar do desfecho melancólico, a carreira de Zidane foi marcada por cenas de pura magia. Gols, títulos e lances de habilidade não faltaram nas atuações do craque francês, eleito pela Fifa por três vezes como melhor jogador do mundo (1998, 2000 e 2003).

Descendente de argelinos, Zinedine Zidane foi revelado pelo Cannes, clube em que estreou como profissional aos 16 anos de idade, e ganhou destaque quando passou a defender o Bourdeaux.

Contratado pela Juventus em 1996, ganhou experiência, força e reconhecimento no futebol italiano. Junto com a reputação, vieram também os primeiros títulos: bicampeão italiano (97 e 98), bicampeão da Supercopa da Itália (96 e 97) e campeão mundial interclubes (1996).

Em 1998, ao liderar a França na conquista da Copa do Mundo, Zidane consolidou a fama que já havia adquirido e ganhou status de ídolo do futebol mundial. Dois anos depois, voltou a comandar a seleção de seu país em mais uma conquista: a de campeão da Eurocopa.

Em 2001, o craque francês trocou a Juventus pelo Real Madrid. No clube espanhol, ganhou mais três títulos: campeão espanhol (2003), campeão mundial interclubes (2002) e campeão da Liga dos Campeões da Europa (2002), com direito a um golaço na decisão contra o Bayer Leverkusen.

Ao longo da última década, Zidane dividiu com Ronaldo o trono de melhor do mundo até 2004, quando o brilho de Ronaldinho Gaúcho passou a ser mais forte. Nas quartas-de-final da Copa da Alemanha, no entanto, o francês foi soberano diante dos brasileiros.

Agora, o Mundial terminou. E, com o fim da Copa, acaba também a carreira de Zidane. Os lançamentos e passes precisos, o domínio de bola magistral, a habilidade única para evitar e ultrapassar os adversários ficam para a história. Junto com 'Zizou'.

 
 
Replay VirtualCopa Virtual
Reveja em detalhes todos os gols das oitavas-de-final.
 
 
Copa do MundoCopa do Mundo
Reportagens, vídeos e áudios da BBC Brasil.
 
 
Replay VirtualReplay Virtual
Você controla o replay dos gols.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
"Efeito Klinsmann" muda a Alemanha
07 julho, 2006 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade