Ebola: Brasileiros relatam medo de contaminação e mortes na Libéria

  • 27 agosto 2014
Homem observa cartaz advertindo sobre o ebola na Libéria (AP)
Homem observa cartaz advertindo sobre o ebola na Libéria, onde muitas pessoas duvidam que epidemia exista

Medo de contaminação, morte de pessoas próximas e o fim de apertos de mãos e abraços. A epidemia do ebola afeta profundamente a vida e os hábitos de dois brasileiros vivendo na Libéria, país do oeste da África e um dos polos do atual surto.

"As reuniões de trabalho e sociais foram reduzidas a um mínimo. As únicas das quais participo são as realizadas quinzenalmente na sede da força de paz da ONU na Libéria, ocasião na qual o corpo diplomático é informado e consultado sobre diversos aspectos do esforço de combate à epidemia", disse à BBC Brasil, por e-mail, o embaixador brasileiro no país, André Luis Azevedo dos Santos, que mora na capital Monróvia.

"Não mais abraçamos ou apertamos as mãos das pessoas que encontramos, o cheiro de cloro (usado para desinfecção das mãos) é onipresente e lavamos as mãos dezenas de vezes por dia. Estou aqui com a minha mulher e nossa rotina doméstica foi sendo afetada gradualmente: fechamento da academia de ginástica onde nos exercitávamos; interrupção do consumo de algumas frutas (não mais disponíveis nos mercados de rua); redução do número de idas a supermercados e demais recintos públicos."

A situação é ainda mais grave no interior do país, diz Santos, onde muitas pessoas não acreditam que se trate de uma epidemia - acham que sua água foi envenenada ou que são vítimas de um feitiço - onde muitas famílias se recusam a entregar os corpos de seus mortos às autoridades, para que possam realizar funerais segundo sua tradição.

Embaixador André dos Santos
Embaixador André dos Santos diz que sua rotina foi afetada gradualmente pelo ebola

"Durante o velório, familiares e amigos tocam o corpo do falecido para 'dar sorte'", relata o diplomata. "As autoridades sanitárias proibiram tais práticas, passando a remover e a enterrar os corpos em valas coletivas. É claro que a população se revoltou e, até hoje, o governo tem de lidar com uma resistência muito grande. É nesse contexto que ocorrem os enterros clandestinos."

"Cabe ressaltar também o estigma enfrentado pelas famílias que têm um de seus integrantes contaminado (vivo ou não): os sobreviventes são discriminados e tratados como párias."

'Não tem para onde fugir'

É no interior do país que atua a missionária católica brasileira Maria Teresa Moser, da Ordem Consolata. Em carta enviada a suas colegas brasileiras e à BBC Brasil, a irmã relata o caso de uma comunidade em que mais de 40 pessoas morreram por conta do vírus do ebola. Cerca de outros dez missionários foram contaminados.

"Em poucos dias, (a doença) matou muitas pessoas entre nós. Durante a guerra (civil liberiana, terminada em 2003) a gente fugia de uma parte a outra para se defender. Agora não tem para onde fugir e sair. O ebola está em todo lugar, é agressivo e impiedoso."

Ela conta que muitos moradores escondem seus mortos em casa e não acreditam nas precauções ordenadas pelo governo.

"Os agentes que dão explicações sobre o ebola estão sendo perseguidos e ameaçados pelos moradores. (...) Em várias famílias, morreram até oito ou dez pessoas. Morrem jovens, velhos, gente de todas as idades. Temos que evitar toda a demasiada aproximação com as pessoas, mesmo que (aparentem ser) saudáveis."

A embaixada em Monróvia diz que tem mantido contato direto com a pequena comunidade brasileira na Libéria, de apenas 21 pessoas.

Irmã Maria Teresa Moser, ao centro
Irmã Maria Teresa Moser (centro) disse a colegas que famílias inteiras estão sendo contaminadas no interior da Libéria

Até esta terça-feira, o Itamaraty não havia determinado a evacuação dos brasileiros dos países mais afetados pela doença (Serra Leoa, Guiné, Libéria e Nigéria), mas pedia a suas representações diplomáticas que mantivessem contato próximo com eles para monitorar a situação.

O embaixador André dos Santos explica que "a sensação de pânico parece ter diminuído entre as pessoas com quem tenho conversado, graças a mecanismos de defesa que desenvolvemos naturalmente".

Mas o diplomata ressalta que "infelizmente, as autoridades ainda não conseguiram quebrar o círculo vicioso da propagação do vírus, que hoje já afeta algumas localidades da região de fronteira com a Costa do Marfim".

"A epidemia já se espalhou por todo o país, mas há cerca de 4 milhões de liberianos que não podem simplesmente pegar um avião e fugir. Esses continuam a lutar pela sobrevivência, vendendo artefatos chineses ou milho assado nos sinais de trânsito, jogando futebol na praia ou nas ruas, trabalhando nos mercados e no comércio, namorando e se casando", descreve.

"Loucura ou irresponsabilidade? Não, definitivamente não! É simplesmente a única coisa que podem fazer, independente da gravidade da situação."

Mortos

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esta é a maior epidemia de ebola já registrada, com ao menos 2,6 mil infectados até agora. Cerca de metade deles morreram. Só na Libéria, já foram confirmadas 624 mortes.

Os sintomas da doença, que causa danos ao sistema nervoso central, incluem febre alta e sangramentos. Não há vacina, e alguns poucos doentes têm sido tratados com drogas experimentais em países como EUA e Grã-Bretanha.

A OMS alertou, nesta semana, que a epidemia contaminou também um "número sem precedentes" de médicos e enfermeiras em áreas de risco do oeste africano, por conta da ausência de equipamentos de proteção e de equipes insuficientes para lidar com o surto.

"O ebola tirou a vida de proeminentes médicos na Serra Leoa e na Libéria", diz a OMS em comunicado.

Notícias relacionadas