Como a queda do MH17 pode prejudicar Vladimir Putin

  • 23 julho 2014
Vladimir Putin (AP)
Até a queda do MH17, a forma que Putin lidava com a crise na Ucrânia era vista como razoavelmente bem-sucedida

Até a queda do voo MH17 da Malaysia Airlines, no dia 17 de julho, a forma como o presidente Vladimir Putin estava lidando com a crise ucraniana era vista, na Rússia, como razoavelmente bem-sucedida.

O avião foi derrubado em uma área do leste da Ucrânia controlada por rebeldes ligados à Rússia.

Era óbvio que a Rússia apoiava os militantes separatistas na região enquanto, por outro lado, tentava negar de forma plausível este apoio. Ao mesmo tempo, os russos se juntaram à Alemanha e França em um esforço diplomático para promover um acordo político dentro da Ucrânia que levasse em conta os interesses da Rússia.

A União Europeia pedia mais sanções contra o governo russo e vários países tentavam proteger suas importantes relações econômicas com o país. As tentativas do governo de Barack Obama de unir os europeus em torno de uma pauta de sanções pareciam ineficazes.

Putin, por sua vez, expandia suas relações com a China, ganhando um apoio moral de outros países dos Brics (Brasil, Índia, China e África do Sul) e também retomando antigas e fazendo novas amizades na América Latina.

Mas a tragédia do MH17 interrompeu tudo isto.

O governo dos Estados Unidos e vários aliados dos americanos acusaram a Rússia de instigação e cumplicidade. Muitos meios da imprensa ocidental tratam a Rússia como um Estado pária. Como a maioria das vítimas era da Holanda, as relações entre a Rússia e a Europa devem ser as mais prejudicadas.

Sem divergências

Depois do desastre com o voo da Malaysia Airline, as diferenças de abordagem entre os Estados Unidos e a União Europeia em relação às sanções contra a Rússia devem diminuir, o que acaba com as esperanças do governo russo de uma grande divergência entre os países ocidentais.

Na Ásia, para a onde a Rússia também estava se voltando, a derrubada de um avião de passageiros da Malásia poderá também abrir espaço para um sentimento contra a Rússia. E Putin acabou de assinar um acordo de 30 anos para fornecimento de gás à China.

Em outras partes do mundo não ocidental, que ainda conta com a imprensa ocidental para a cobertura de notícias internacionais, as reputações da Rússia e do presidente Putin tomarão um golpe.

Alguns na Rússia poderão observar a piora das relações com o ocidente devido à crise na Ucrânia como algo estimulado pelos Estados Unidos, como uma forma de conter a Rússia. Mas poucos aprovam esta piora. Enquanto a maioria dos russos simpatiza com a situação dos compatriotas do leste da Ucrânia, poucos são a favor de uma invasão militar do país.

Popularidade

A popularidade de Putin ainda chega aos 80% e ele é visto em seu país como o responsável por colocar a Rússia na rota certa: protegendo os interesses do país e evitando os riscos inaceitáveis.

Mas o desastre aéreo com o MH17 também coloca isto em risco.

A maioria dos russos já presume que o governo do país está dando mais do que apoio moral e político para os rebeldes em Donetsk e Luhansk.

Ao mesmo tempo, eles ouvem dos próprios líderes que a Rússia não controla aqueles a quem apoia publicamente. Por um tempo, eles podem ter aceitado esta aparente incoerência como uma estratégia diplomática.

Mas se a investigação internacional estabelecer que a Rússia realmente deu aos militantes armas poderosas que eles podem ter usado para derrubar, por engano, um avião de passageiros, parte do público russo, não necessariamente partidários do ocidente ou liberais, poderá achar que a abordagem do governo russo é irresponsável.

Sentindo este perigo, Putin está reagindo contra a versão do acidente que é apoiada pelos Estados Unidos. As autoridades russas estão apresentando suas próprias provas sobre a queda do avião e questionando o papel da Ucrânia no incidente. O próprio Putin está conversando com líderes da Malásia e do ocidente e apoiando publicamente um inquérito público.

Na ONU, o embaixador russo apoia uma resolução a respeito do caso. E agora, com a entrega das caixas pretas para investigadores internacionais, encontradas pelos rebeldes, o inquérito pode começar.

Possibilidades

Se os investigadores realmente constatarem a responsabilidade da Rússia, a integridade de Putin não sofrerá tanto. Afinal, ele nunca disse que os rebeldes não tinham nenhuma relação com a queda do MH17, ao invés disso ele culpou a Ucrânia por atacar os rebeldes.

Putin vai sobreviver, em termos políticos, mas terá que trabalhar muito para restaurar a fé que as pessoas tinham nele antes.

A Rússia poderá evitar a culpa. E, se evitar, a responsabilidade pelo crime cairá em cima de outros. Se for este o caso, mais uma vez, Putin terá escapado.

Notícias relacionadas