'Maracanazo' espanhol foi fim de ciclo glorioso, diz imprensa da Espanha

  • 18 junho 2014
Espanha eliminada (AFP)
Jogadores espanhóis não escondem sua decepção ao deixar o campo após derrota para o Chile

Atual campeã mundial, a Espanha foi eliminada precocentemente da Copa do Mundo nesta quarta-feira depois de perder para o Chile por 2 a 0 no Maracanã.

A derrota foi a segunda seguida dos espanhóis, que foram batidos pela Holanda no primeiro jogo e não conseguiram obter nenhum ponto nesta primeira fase do Mundial.

A equipe começou a competição como uma das grandes favoritas do torneio, junto com Argentina, Brasil e Alemanha.

Talvez por isso, a decepção da imprensa espanhola com o resultado foi ainda maior.

Os jornais do país disseram que a Espanha deixa pela "porta dos fundos" esta Copa, que foi um pesadelo para o time.

Foi dado até mesmo um apelido para a partida de hoje no Rio: o "Maracanazo" espanhol, em alusão à histórica derrota do Brasil em pleno Maracanã na final da Copa de 1950.

Em uníssono, a imprensa espanhola considerou essa despedida merecida, mas ainda assim um "triste fim para um ciclo glorioso". Confira:

Marca

Reprodução

"O ciclo mais glorioso da história do futebol espanhol morreu em um templo", disse o jornal.

O Marca relembra que a Espanha pretendia jogar a final desta Copa do Mundo no Maracanã, mas acabou deixando a competição pela porta dos fundos como a segunda equipe eliminada, junto com a Austrália.

"A Espanha não merecia um final assim, mas é como o futebol é. Do céu ao inferno."

Segundo o jornal, o goleiro Casillas e a defesa espanhola falharam, enquanto seu ataque não foi capaz de "meter medo" no adversário.

"Foi o pior final possível de um ciclo. Foi precioso enquanto durou, mas tudo termina. E este acabou."

Sport

Reprodução

O jornal taxou a eliminação como um "nocaute histórico".

"A Espanha se despede merecidamente e deixa para trás uma péssima imagem."

O Sport destaca que o Chile se aproveitou das conhecidas fragilidades da seleção espanhola e deu uma lição de esforço coletivo nos adversários.

"A versão moderna do 'Maracanazo' confirmou o que se previa desde o embate com a Holanda. Um ciclo termina. Este grupo deixou anos maravilhosos de futebol, mas agora este precisa começar de novo para voltar a fazer parte da elite do futebol mundial."

Mundo Deportivo

Reprodução

O jornal considerou um "desastre total" o desempenho da seleção espanhola e disse que ela deixou a Copa do Mundo pela "porta dos fundos" gerando muitas dúvidas sobre seu futuro.

"Não há por que buscar desculpas ou colocar panos quentes no que aconteceu, mas agradecer a este grupo por tudo que fez. No entanto, é preciso viver o futebol dia a dia, e a Espanha se converteu numa caricatura de si mesma neste mundial."

Para o Mundo Deportivo, o maior erro do time foi acreditar que seguia sendo o melhor enquanto não estava bem fisicamente.

O primeiro sinal veio contra a Holanda, diz o jornal, e nem o otimismo depois da derrota foi suficiente diante do Chile, que comportou-se agressivamente diante do nervosismo espanhol.

"Um triste e não merecido fim para a melhor seleção espanhola da história."

El País

Reprodução

O jornal disse que a Espanha "foi um Titanic" e que desperdiçou a chance que tinha de seguir viva na Copa do Mundo ao cair diante do Chile, que foi "sempre muito superior".

"Os gols de Vargas e Aranguiz bastaram para derrotar a campeã mundial, que teve uma atuação calamitosa, agravando a situação iniciada diante da Espanha", disse o El País.

Desde 1998, destaca o jornal, a seleção espanhola não deixava uma Copa pela porta dos fundos, na primeira rodada.

"Agora falta jogar com a Austrália para acabar com esse pesadelo no Brasil."

La Vanguardia

Reprodução

O jornal diz que a derrota da Espanha foi "incontestável".

"Depois de maravilhar o mundo nos últimos seis anos, em que conquistaram duas Eurocopas e um Mundial, a Espanha disse basta", afirma o La Vanguardia.

"E o fez de uma maneira tão brusca quanto humilhante."

Segundo o jornal, os jogadores espanhóis foram uma sombra de si mesmos em um campeonato no qual aspiravam ao impossível, o bicampeonato seguido.

"A Espanha estava nervosa desde o início e carente de intensidade para competir com um rival mais agressivo. O golpe diante da Holanda foi duro demais. O medo se apoderava de qualquer jogador que recebia bola", afirma.

Ao deixar Xavi de fora da partida, diz o La Vanguardia, a Espanha perdeu sua identidade e foi uma equipe "irreconhecível".

"Sem sorte, mas também sem o futebol que a havia levado à glória no Mundial, essa equipe impossível de se repetir, que por anos serviu de exemplo e teve um estilo elogiado por seus rivais, abdicou de sua coroa no mítico Maracanã."

As

Reprodução

O jornal também chamou a partida contra o Chile de 'Maracanazo' espanhol.

"Foi um fim horrível. Tinha que chegar algum dia, mas nunca imaginamos uma despedida assim. Adeus, mundial. E o castigo inclui a humilhação de disputar contra a Austrália a partida da vergonha entre as duas primeiras seleções eliminadas da Copa."

Para o As, o esgotamento da Espanha coincide com o esgotamento do Barcelona, que encerrou sua primeira temporada sem títulos em seis anos.

"Não é por acaso que em ambos os casos o ciclo glorioso tenha durado seis anos e tenha acabado ao mesmo tempo."

A Espanha começou a ser derrotada, diz o As, já no momento do hino, quando 40 mil chilenos cantaram em uníssono.

"Adeus, mundial. Adeus, Espanha. Foi bonito enquanto durou."

Notícias relacionadas