Ascensão de eurocéticos marca eleição na UE, segundo boca de urna

  • 25 maio 2014
Marine Le Pen (AFP)
Marine Le Pen afirmou que a liderança do partido Frente Nacional era clara na França

O partido francês Frente Nacional, da extrema direita, ficou em primeiro lugar na votação ocorrida na França para o Parlamento Europeu, segundo as pequisas de boca de urna.

Os resultados preliminares já estão sendo chamados pelo primeiro-ministro francês, Manuel Valls, de "terremoto político".

Partidos eurocéticos (contrários à integração) também podem ter conseguido grandes vitórias em outros países, ficando em primeiro na Dinamarca e Grécia.

O comparecimento na votação que começou nos países do bloco na quinta-feira e terminou neste domingo foi de 43,1%, segundo números preliminares do Parlamento Europeu.

Ainda segundo estes números preliminares, é esperado que o Partido do Povo Europeu (EPP, na sigla em inglês), de centro-direita, conquiste 211 das 715 cadeiras no Parlamento, 28,1%. Isto transformaria o EPP no maior grupo no Parlamento, mas com 60 cadeiras a menos do que costumava ter.

Ainda assim, o EPP ficaria à frente do grupo dos Socialistas, que tem 193 cadeiras (25,7%), Liberais, com 74 (9,9%) e o Partido Verde, com 58 (7,7%).

O grupo eurocético e de direita Europa da Liberdade e Democracia (EFD, do inglês), que incorpora o Partido da Independência da Grã-Bretanha (UKIP), pode ficar com o mesmo número de cadeiras conquistadas na eleição anterior, mas, o número de eurocéticos no Parlamento deve aumentar devido aumento dos parlamentares de direita eleitos que não estão ligados a nenhum dos grupos.

Os números preliminares também mostram que o grupo de esquerda do Parlamento europeu deve conquistar mais 12 assentos graças ao partido Syriza, na Grécia.

Liderança clara

Depois de ser informada sobre os resultados das pesquisas de boca de urna, a líder do Frente Nacional da França, Marine Le Pen, afirmou que "claramente, estamos na liderança".

Mas, uma declaração divulgada pelo partido de Le Pen acusou o governo francês de "fraude gigantesca", afirmando que o primeiro-ministro Manuel Valls tentou evitar a vitória do Frente Nacional.

O partido de extrema direita ainda afirmou que, em muitas zonas eleitorais, os eleitores receberam cédulas com erros ou que não incluiam o partido.

O correspondente da BBC em Bruxleas Chris Morris afirmou que, até o momento, o resultado das pesquisas de boca de urna na França, que sugerem a vitória do Frente Nacional, é a história mais marcante nesta noite contagem dos votos nas eleições europeias.

"Em outros lugares, as pesquisas sugerem que o partido radical de esquerda grego Syriza, que é contra os planos de austeridade, ficou em primeiro na Grécia. Na Itália, parece que será uma disputa próxima entre o Partido Democrático, do primeiro-ministro Matteo Renzy, e o Movimento Cinco Estrelas (do comediante) Beppe Grillo", afirmou Morris.

"Então, vários partidos antiautoridades devem aumentar sua parte na votação, como era previsto. Isto pode fazer com que o Parlamento europeu fique mais interessante. Mas, mesmo assim, ainda haverá uma clara maioria de (parlamentares) pró-Europa."

"A questão para os partidos tradicionais de centro-direita e centro-esquerda agora é como eles pretendem responder a este sentimento de insatisfação com a 'política de sempre' que muitos eleitores expressaram claramente", disse o correspondente da BBC.

A eleição na União Europeia é o maior exercício em democracia multinacional do mundo e os resultados, os 751 parlamentares eleitos, devem afetar as vidas dos 500 milhões de cidadãos do bloco.

Os poderes do Parlamento tiveram uma expansão desde a última eleição em 2009 e agora os membros do Parlamento europeu podem negociar legislações com ministros de governos nacionais antes de o Parlamento votar novas leis.

E, neste ano particularmente, muita coisa está em jogo devido à crise econômica que intensificou ainda mais o debate sobre o futuro do bloco.

Notícias relacionadas