BBC navigation

Após desastre em mina, milhares de turcos protestam contra o governo

Atualizado em  14 de maio, 2014 - 18:30 (Brasília) 21:30 GMT
Protesto (AFP)

Tragédia em mina pode, segundo correspondente da BBC, ser um teste para o premiê turco

A polícia nas cidades de Ancara e Istambul, na Turquia, usaram bombas de gás e canhões de água para controlar milhares de manifestantes que protestavam contra a explosão de uma mina na quarta-feira, em que ao menos 274 pessoas morreram.

Os manifestantes pediam a renúncia do governo após o desastre – o pior do tipo na história do país.

Também houve conflitos na cidade de Soma, próxima à mina de carvão, durante a visita do primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan. Revoltados, parentes e amigos das vítimas cercaram o carro do premiê, gritando e tentando agredi-lo.

Equipes de resgate trabalham de forma intensa no local da tragédia. Cerca de 450 trabalhadores foram resgatados, de acordo com a operadora da mina, mas outras dezenas deles ainda estão desaparecidos. Acredita-se que um total de 787 mineiros estivessem no local no momento do acidente.

No entanto, nenhum sobrevivente foi retirado nas últimas horas. "Em relação à operação de resgate, posso dizer que nossas esperanças estão diminuindo", disse o ministro da Energi, Taner Yildiz, que está em Soma.

Ele afirmou que o incêndio provocado pela explosão continua queimando o interior da mina, mesmo 18 horas depois do acidente. O ar lá dentro está cheio de fumaça, e as mortes estão sendo provocadas por inalação do monóxido de carbono.

Vaias e chutes

Após acidente em mina, população tenta agredir premiê turco

00:00:34

Carro de Erdogan foi cercado em Soma, cidade próxima à mina que explodiu.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Segundo a mídia local, os manifestantes em Soma chutaram o carro de Erdogan e gritaram frases pedindo sua saída, logo após o premiê dar uma entrevista coletiva.

Ele foi vaiado assim que saiu do carro e, cercado por seus guarda-costas, teve de se refugiar em uma loja.

Já na capital Ancara, cerca de 800 pessoas marcharam da uma universidade até o Ministério da Energia para prostestar contra a tragédia. A polícia usou bombas de gás para tentar dispersar a multidão.

Os protestos em Istambul ocorreram na sede da empresa Soma Holding, responsável pela mina.

Erdogan também enfrentou críticas nas mídias sociais e foi chamado de insensível, após citar vários acidentes com minas no mundo, incluindo um na Grã-Bretanha ocorrido no século 19, para defender a atuação do governo turco nesse setor.

"Vamos investigar todos os aspectos desse desastre e não vamos permitir nenhum tipo de negligência", disse Erdogan.

Desespero

O enviado da BBC a Soma, James Reynolds, disse que a tragédia é uma espécie de teste para a reputação de Erdogan. Ele lembrou que o governo anterior perdeu uma eleição por ter sido considerado inapto ao lidar com um terremoto, em 1999.

Segundo o correspondente, familiares dos mineiros estão em peso no hospital da cidade e dizem que não vão deixar o local até receberem informações.

"Meu filho ia se aposentar daqui a dois meses", dizia uma idosa, aos prantos, no hospital de Soma.

Reynolds contou que enquanto alguns dos familiares permaneciam sentados, encarando o chão, outros choravam copiosamente. De tempos em tempos, paramédicos passavam com alguém que havia desmaiado.

"Essas pessoas estavam simplesmente desesperadas por alguma informação sobre os mineiros presos. E não tinham outro lugar para ir."

Segurança

Os partidos opositores no país criticaram os níveis de segurança da mina, embora o governo tenha afirmado que as inspeções periódicas estavam em dia.

No local da tragédia, as equipes de resgate não estavam conseguindo retirar o gás preso no local, o que aumenta os perigos de novas explosões.

A explosão que causou a tragédia foi provocada por uma falha elétrica, e por isso muitos dos elevadores usados pelos mineiros pararam de funcionar, fazendo com que muitos não conseguissem deixar a mina.

Os que ficaram soterrados - entre eles os possíveis sobreviventes - estariam presos a cerca de 4 km da entrada da mina, a cerca de 2 km de profundidade. Oxigênio está sendo bombeado para o interior evitar que os operários morram sufocados.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.