Brasil vive 'crise de imagem' às vésperas da Copa

  • 19 maio 2014
  • comentários
Reprodução da revista Spiegel
Capa da Spiegel da semana passada fala sobre 'Morte e Jogos' no Brasil

Para quem acompanha o que acontece no Brasil pela imprensa internacional, a sensação dos últimos meses pode ser a de que a sorte conspira contra o país às vésperas da Copa do Mundo.

Seria de se esperar que as notícias sobre os atrasos nas obras do Mundial ou os protestos anti-Copa fossem rodar o globo, mas recentemente tornou-se comum ler nos jornais de Londres, Madri ou Nova York sobre mazelas brasileiras que antes passariam desapercebidas aos olhos estrangeiros – de conflitos nas favelas do Rio ao surto de dengue no Nordeste; das denúncias de obras superfaturadas nos rincões do país ao risco de falta d'água em São Paulo.

Leia mais: Dez matérias ilustram 'negativismo' em cobertura sobre Brasil

"Agora quase todos os dias tem matéria sobre o Brasil nos jornais daqui – e realmente chama a atenção o fato de a grande maioria delas ser negativa", diz Daniel Buarque, jornalista e autor do livro Brazil, um país do presente: A imagem internacional do "país do futuro" (Ed. Alameda), que está na Grã-Bretanha pesquisando sobre a cobertura internacional da Copa.

Recentemente, o Financial Times comparou a presidente Dilma Rousseff ao grupo de comediantes irmãos Marx; a revista Economist sugeriu que o problema da falta de crescimento da produtividade no Brasil teria causas culturais e o New York Times (NYT) destacou a grande quantidade de obras abandonadas e superfaturadas no país.

Fora do campo econômico, o espanhol El País anunciou que o Brasil estaria vivendo uma "crise de segurança" e o tabloide britânico Daily Mirror definiu Manaus como "um buraco dos infernos tomado pelo crime".

Certamente, também há exemplos de reportagens positivas, mas é difícil ignorar que o tom geral da cobertura está mais desfavorável ao Brasil, da mesma forma que há apenas três anos o entusiasmo com o país era evidente.

'Perdeu a chance'

Estadio (Foto AFP)
Atrasos nas obras da Copa viraram manchete em todo o globo

Para Simon Anholt, especialista em imagem-país que faz um ranking das nações mais populares do mundo, o Brasil perdeu a chance de aproveitar os holofotes da Copa para projetar seriedade e competência, fortalecendo sua reputação na área econômica.

"Ao que tudo indica, o país não conseguiu agarrar essa oportunidade e deve continuar a ser o país da festa, carnaval e futebol. Um país que as pessoas veem com simpatia, mas que ninguém leva muito a sério", diz Anholt, informando que a pontuação do Brasil em sua pesquisa caiu em 2013 pelo segundo ano consecutivo, de 57,86, para 57,67 (de um total de 70 pontos).

"É claro que fatos negativos viram notícia, antes de tudo, porque fatos negativos estão acontecendo - e em um momento em que muitos jornalistas foram deslocados para o Brasil para cobrir a Copa", diz Buarque.

Ele nota, porém, que, há alguns anos, quando o tom da cobertura sobre o Brasil era "quase eufórico", os problemas estruturais do país eram os mesmos.

"Os jornais e TVs oferecem a seu público uma história simples, não uma realidade complexa e multifacetada, o que pode levar a exageros", afirma Peter Hakim, especialista em assuntos latino-americanos do Inter-American Dialogue.

"As pessoas querem saber se a situação está melhorando ou piorando em determinado país e no Brasil há algum tempo temos uma tendência geral de deterioração do cenário econômico e político."

Segundo analistas ouvidos pela BBC Brasil, a grande quantidade de notícias negativas sobre o país deve-se a uma combinação de pelo menos quatro fatores, listados abaixo.

Quatro razões da 'negatividade' da imprensa

Longo Prazo

E qual impacto a cobertura internacional da Copa pode ter na imagem do país no longo prazo?

O governo tem defendido que todo esse clima negativo se reverterá quando os jogos começarem e o Brasil finalmente explodir em uma grande festa.

Também diz que o torneio ajudará a promover o país no exterior, contribuindo para atrair turistas e investidores no longo prazo.

As opiniões dos analistas se dividem.

Para Anholt, não há garantias de que um evento esportivo desse tipo possa melhorar a imagem externa de um país.

"Pode acontecer inclusive o contrário: a África do Sul, por exemplo, vinha melhorando progressivamente sua posição em nosso ranking (da popularidade dos países) depois do apartheid, mas a Copa de 2010 fez os sul-africanos retrocederem esses avanços em dois anos", conta.

"Em muitos lugares não se tem ideia da real extensão do problema da desigualdade no Brasil, por exemplo – e se ela for escancarada pela imprensa internacional podemos ter um impacto negativo na imagem do país", acredita Anholt.

Protesto anti-Copa (Foto AP)
Protestos contra a Copa teriam ajudado e minar entusiasmo pelo evento

Mais otimista, Anthony Pereira, diretor do programa de estudos brasileiros do King's College London, acredita que a cobertura "excessivamente" pessimista às vésperas do torneio pode fazer com que seja mais fácil para o Brasil chegar a um resultado considerado razoável.

"Essa negatividade ajuda a reduzir as expectativas, de forma que se nenhum incidente grave ocorrer, isso já será visto como um sucesso", diz ele.

Para Marcos Troyjo, da Universidade de Columbia, a possibilidade de que haja um estrago significativo nas percepções de investidores estrangeiros sobre o Brasil é pequena.

"A Copa realmente pode acabar mostrando que o país ainda tem enormes deficiências na área de infraestrutura, por exemplo, mas às vezes tais carências também são percebidas como oportunidades de negócios."

"Entre os altos e baixos da cobertura, acho que ao menos podemos dizer que as pessoas tendem a estar um pouco mais informadas sobre o Brasil no exterior em função dessa exposição", acredita Daniel Buarque.