BBC navigation

EUA e União Europeia condenam organização de referendo na Crimeia

Atualizado em  6 de março, 2014 - 22:12 (Brasília) 01:12 GMT
Manifestantes pratidários da Ucrânia pedem apoio dos EUA em Washington (foto: Reuters)

União Europeia e EUA condenam tentativa de realizar referendo para definir destino da Crimeia

A União Europeia e os Estados Unidos condenaram nesta quinta-feira a tentativa de organizar um referendo na Crimeia, uma república autônoma da Ucrânia, para decidir se a região passará a fazer parte da Rússia.

Durante um encontro emergencial em Bruxelas, diplomatas afirmaram que a proposta é “ilegal” e disseram que Moscou pode enfrentar “sérias consequências” se não agir para minimizar a crise na regição.

De acordo com os parlamentares da Crimeia, se o pedido for aceito pelas autoridades de Moscou – que ainda não se pronunciaram -, a separação da Ucrânia será colocada em votação no dia 16 de março.

A decisão de votar a questão também foi criticada pelo governo ucraniano.

A Crimeia, cuja maioria da população é russa ou de origem russa, está no centro da tensão entre Moscou e Kiev. Tropas pró-Rússia mantém o controle sobre a península há vários dias.

Merkel e Obama

Membros da União Europeia, liderados pela Alemanha, já haviam indicado que preferiam uma mediação da Rússia para tentar resolver a crise, ao invés de se tomar medidas mais duras.

No entanto, correspondentes da BBC na região afirmam que a manobra dos parlamentares da Crimeia fortaleceu a estratégia tomada pelo bloco europeu.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que o referendo era contrário à Constituição ucraniana e, portanto, ilegal.

O presidente americano, Barack Obama, seguiu a mesma linha, dizendo que o referendo “viola a Constituição ucraniana e a legislação internacional.”

‘Inconstitucional’

O governo provisório da Ucrânia não reconhece o governo da Crimeia, que foi empossado em uma sessão de emergência no Parlamento na semana passada.

O primeiro-ministro interino em Kiev, Arseniy Yatsenyuk, disse que a Crimeia se juntar à Rússia seria inconstitucional. O argumento é que o Parlamento da Crimeia não tem poderes para determinar a secessão.

Por sua vez, o vice-primeiro-ministro da Crimeia, Rustam Temirgaliev, disse que as autoridades no poder em Kiev não são legítimas e descartou a alegação de inconstitucionalidade.

No leste da Ucrânia, onde há uma significativa população russa, o líder dos ativistas pró-Rússia da cidade de Donetsk, Pavel Gubarev, foi detido por forças de segurança ucranianas no momento em que estava dando uma entrevista para a BBC. Donetsk tem sido palco de confrontos entre forças pró e contrárias à Rússia nos últimos dias.

A crise começou em novembro de 2013 quando o governo do então presidente ucraniano Viktor Yanukovych anunciou que havia abandonado um acordo que estreitaria as relações do país com a União Europeia. Posteriormente o governo procurou uma aproximação maior com a Rússia.

Manifestantes contrários ao governo, que lutavam pelo fortalecimento das ligações da Ucrânia com a União Europeia, exigiram a renúncia de Yanukovych e eleições antecipadas.

Importância estratégica

A maioria da região da Crimeia, habitada por moradores falantes de russo, tem grande importância política e estratégica tanto para a Rússia como para a Ucrânia.

A esquadra russa no Mar Negro tem sua base histórica na cidade de Sevastopol. Depois que a Ucrânia se tornou independente, um contrato foi elaborado para que a frota continuasse a operar de lá.

Em 2010, este contrato foi estendido para 2024 em troca de suprimentos mais baratos de gás russo para a Ucrânia.

Papel central de Kiev

Protestos ocorreram em todo o país, mas o coração do movimento se estabeleceu na praça da Independência em Kiev e lá permaneceu por três meses.

Apesar de as manifestações serem pacíficas na maior parte do tempo, episódios de violência deixaram centenas de feridos e mais de 80 mortos.

Quando a violência sofreu uma escalada, o parlamento ucraniano votou pela deposição do presidente Yanukovych e ele fugiu para a Rússia.

Ucrânia dividida

As divisões na Ucrânia remontam a episódios muito anteriores à crise atual. O país tem estado dividido entre leste e oeste desde o colapso da União Soviética em 1991 – e a separação se reflete também na cultura e na língua.

O russo é falado abertamente em partes do leste e do sul. Em algumas áreas, incluindo a península da Crimeia, ele é o idioma mais usado.

Em regiões ocidentais – próximas à Europa – o ucraniano é a língua principal e muitas pessoas se identificam com a Europa central.

Essa divisão normalmente se reflete nas eleições do país. As áreas com grandes proporções de falantes de russo são aquelas nas quais Yanukovych foi mais votado em 2010.

União Europeia e Rússia

A Ucrânia tem laços econômicos tanto com a União Europeia quanto com a Rússia.

Os gasodutos russos para a Europa passam pelo país – fato que ficou bastante claro em 2006 quando Moscou cortou brevemente o fornecimento de gás, soando um alarme na Europa ocidental.

As ações recentes para chegar a um acordo com a União Europeia aumentaram a tensão com a Rússia, que as entendem como um passo em direção à integração com a União Europeia.

A Rússia preferiria interromper essa integração com os europeus para aumentar a influência de Moscou sobre a Ucrânia por meio de uma união aduaneira.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.