BBC navigation

Protestos também abalam o interior da Venezuela

Atualizado em  20 de fevereiro, 2014 - 19:17 (Brasília) 22:17 GMT
Protestos na Venezuela

Os protestos em Mérida, ao leste do país, começaram há uma semana

A Venezuela vive, há nove dias, os protestos mais graves em uma década e a onda de violência se expande por todo o país.

Durante uma semana, foram registrados prejuízos, denúncias de maus tratos e confrontos entre manifestantes contra e a favor do governo.

A maior parte das notícias fala de Caracas, onde estão os políticos e as sedes dos principais meios de comunicação.Mas o resto do país também vive uma situação difícil.

Desde a quarta-feira passada, dia 12 de fevereiro, cinco pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.

O Ministério do Interior diz que cerca de 200 pessoas foram detidas na última semana em todo o país, mas que só 13 estão presas por acusações como porte de armas e danos a propriedades. Na capital e no interior.

A onda de protestos começou, na verdade, fora de Caracas: manifestações de estudantes do estado de Táchira, no oeste do país, foram o estopim da atual onda de manifestações.

Um dia depois, estudantes protestavam por todo o país contra a insegurança.

No dia 12 de fevereiro aconteceu a maior das manifestações na capital, já com o apoio de políticos da oposição - entre eles Leopoldo López, que agora está detido.

Desde então, a situação - que também é causada por uma profunda crise de insegurança e pela crise econômica que se acentua no interior - se agravou.

A BBC Mundo falou com moradores das diferentes regiões do país por telefone e conta como estão as coisas para além de Caracas.

Uma vida diferente

A cidade de Valencia, a duas horas de Caracas no noroeste do país, foi cenário de um dos conflitos mais graves.

Ali aconteceram os supostos maus tratos de oficiais da Guarda Nacional a jovens detidos, que disseram diante dos tribunais terem sido torturados. Uma jovem disse ter sido violentada com um fusil.

Andreína Álvarez, uma vendedora de móveis de 30 anos em Valencia, diz que enfrenta a situação com a ajuda do Zello, um aplicativo de smarphones que permite fazer denúncias e se comunicar com outros usuários, como se o telefone fosse um walkie-talkie.

"Mas às vezes eu desligo (o aplicativo) porque fico desesperada", diz.

Segundo Álvarez, seus filhos não vão à escola há uma semana, porque o local é próximo de um dos focos de violência na cidade, a rotatória de Guaparo. "E a escola não tem janelas, então as crianças ficam respirando o gás lacrimogêneo."

Valencia, Venezuela (Reuters)

A jovem Génesis Carmona foi morta com um tiro na cabeça num protesto em Valencia

Na quarta-feira passada em Valencia, oito pessoas foram feridas a bala após os protestos, entre elas uma ex-Miss, Génesis Carmona, que faleceu nesta quarta-feira em consequência de um tiro na cabeça.

Prejuizos

Rodolfo Colmenares, na cidade de Barquisimetro, no oeste, diz que o número de clientes em seu lava-rápido baixou pelo menos 40% nos último dias.

"Além disso, tenho que sair cedo pra não me arriscar, nem ficar preso em alguma rua fechada."

Na terça-feira, segundo ele, cinco veículos particulares foram queimados. Árvores e bancos de uma praça pública foram destroçados.

No mesmo dia, funcionários do governo falaram de um incêndio no edifício da CANTV, a empresa de comunicações do Estado.

Cerca de 30 mil telespectadores foram afetados e "grupos fascistas" foram acusados.

'Infiltrados'

A cidade de Puerto Ordaz, no sudeste do país, também é foco de protestos.

Na terça-feira, tiroteios foram registrados e pelo menos cinco pessoas ficaram feridas na cidade, no estado de Bolívar.

Valencia, na Venezuela (El Nacional)

Muitas ruas em Valencia foram bloqueadas por manifestantes

Viviana Irureta, uma corretora de seguros de 28 anos, conta que viu durante um dos protestos um caminhão distribuindo camisetas brancas "a pessoas que estavam vestidas de vermelho".

"Deram (as camisetas) a chavistas, para que eles fossem confundidos com estudantes e provocassem violência", afirmou.

"Também chegaram motociclistas escoltados por policiais para roubar as pessoas."

Uma das denúncias mais recorrentes durante os protestos - documentada em vídeos e fotos - foi a participação dos chamados "coletivos", grupos armados de civis ligados ao governo, que se infiltrariam nas manifestações para sabotá-las.

Os relatos, no entanto, ainda são puderam ser confirmados de maneira independente.

Na noite da quarta-feira, o presidente Nicolás Maduro falou de cinco operários simpatizantes do regime que foram gravemente feridos em confrontos com opositores em Puerto Ordaz.

Em quase todas as partes do país há regiões onde quase não acontecem protestos ou eles são nulos, sobretudo nos redutos chavistas.

Mas no estado do Amazonas, que é governado pela oposição, "as coisas estão calmas", segundo Marianella Rojas, gerente de uma pousada em Puerto Ayacucho.

"Aqui somos mais tranquilos, mas em todos os dias houve concentrações de uns 50 ou 60 estudantes", disse.

Mesmo que os protestos não estejam acontecendo em todas as cidades, as ruas da Venezuela são tomadas de alguma forma pelo alvoroço que deixa o país em suspenso.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.