BBC navigation

ONU acusa Vaticano de proteger padres pedófilos

Atualizado em  5 de fevereiro, 2014 - 12:01 (Brasília) 14:01 GMT
A praça São Pedro, no Vaticano

Para ONU, Vaticano não tomou medidas para coibir abusos, e continua violando convenção sobre crianças

Um relatório da ONU não economizou na linguagem forte ao acusar o Vaticano nesta quarta-feira de "sistematicamente" adotar políticas que permitiram o abuso sexual de menores por membros do clero, incluindo medidas para "proteger" os religiosos das consequências de seus crimes.

O Comitê da ONU sobre Direitos da Criança expressou "consternação" com a recusa da Santa Sé em reconhecer a extensão dos crimes cometidos, e pediu que o Estado católico abra seus arquivos para revelar os crimes.

A chefe do órgão, Kirsten Sandberg, disse que o Vaticano continua violando a Convenção da ONU para os direitos das crianças "porque não fez o que precisa ser feito".

"A Santa Sé adotou políticas e práticas que levaram a abusos contínuos e à impunidade dos agressores. A Santa Sé repetidamente colocou a reputação da Igreja e a proteção dos agressores acima dos interesses das crianças", afirmou Sandberg.

"Em suas conclusões, o comitê sobre esse tema destacou a prática de mobilidade dos agressores. Estes eram mudados de transferidos de paróquias para paróquias quando as coisas eram reveladas, o que ainda põe as crianças em muitos países em alto risco de abuso sexual."

Para o comitê da ONU, a Igreja deve "remover imediatamente" todos os padres suspeitos de abusos ou que comprovadamente praticaram abusos.

Medidas

O Vaticano disse à BBC que emitirá um comunicado escrito em resposta ao relatório da ONU.

Abusos sexuais na Igreja Católica

Alemanha: um padre, identificado apenas como Andreas L, admitiu em 2012 culpa em 280 acusações de abuso sexual envolvendo três meninos, ao longo de uma década

EUA: Revelações de abusos nos anos 1990, por dois padres de Boston - Paul Shanley e John Geoghan - causaram ultraje

Bélgica: O bispo de Bruges, Roger Vangheluwe, renunciou em abril de 2010 após admitir ter abusado sexualmente de um menino, durante anos

Itália: A Igreja admitiu, em 2010, que cerca de cem casos de padres pedófilos haviam sido relatados ao longo de dez anos

Irlanda: Um relatório de 2009 descobriu que abusos psicológicos e sexuais eram "endêmicos" em escolas e orfanatos sob comando da Igreja, durante boa parte do século 20

A sede do governo papal estabeleceu uma comissão para combater o abuso de crianças dentro da Igreja.

Barbara Blaine, porta-voz da associação de vítimas Snap, disse à BBC que não vê "nenhuma ação sendo tomada pelo papa Francisco ou sua administração" para proteger as crianças que ainda correm o risco de serem exploradas por religiosos.

Em dezembro, a Santa Sé rejeitou um pedido da ONU por informações a respeito dos abusos, alegando que só transfere esse tipo de informação a outros países no contexto de investigações judiciais.

"Temos recomendações bem concretas que (o Vaticano) deveria seguir, entre elas, de proteção e compensação das vítimas. Além de cooperar com as autoridades policiais em outros países", afirmou Sandberg.

"Quando às vítimas, elas precisam de medidas de reintegração, proteção; precisam de compensação monetária e na forma de medidas que possam ajudá-las hoje", disse.

O documento também criticou a Igreja Católica por suas posições quanto à homossexualidade, a contracepção e o aborto.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.