BBC navigation

Painel da ONU confronta Vaticano sobre abuso sexual de crianças

Atualizado em  16 de janeiro, 2014 - 13:59 (Brasília) 15:59 GMT
Representantes do Vaticano em audiência da ONU (AFP)

Em audiência, Igreja foi questionada a respeito de medidas concretas para divulgar e prevenir abusos

O Vaticano foi publicamente confrontado nesta quinta-feira, pela primeira vez, a respeito de abusos sexuais de crianças por sacerdotes, em uma audiência da ONU em Genebra.

Autoridades da Santa Sé ouviram perguntas duras e diretas - por exemplo, por que não liberam todas as informações que têm a respeito, e o que estão fazendo para prevenir abusos futuros.

O acerbispo Silvano Tomasi, enviado do Vaticano à ONU, disse que tais crimes "jamais poderiam ser justificados", que todas as crianças devem ser "invioláveis" e que "prevenir abusos é uma preocupação real e imediata".

Em homília também nesta quinta, o papa Francisco declarou que escândalos de abusos são "a vergonha da Igreja".

"Há tantos escândalos que não quero nomeá-los individualmente, mas todos os conhecem", disse.

'Segredos'

O Vaticano havia recusado, anteriormente, um pedido do Comitê da ONU pelos Direitos das Crianças (CRC, na sigla em inglês) por arquivos relacionados às denúncias; a Santa Sé também foi acusada de responder de forma inadequada a alegações de abusos.

Em Genebra, a integrante do CRC, Sara Oviedo, afirmou que "a Santa Sé não estabeleceu nenhum mecanismo para investigar os acusados de abusos sexuais, nem para processá-los judicialmente".

Abusos sexuais na Igreja Católica

Alemanha: um padre, identificado apenas como Andreas L, admitiu em 2012 culpa em 280 acusações de abuso sexual envolvendo três meninos, ao longo de uma década

EUA: Revelações de abusos nos anos 1990, por dois padres de Boston - Paul Shanley e John Geoghan - causaram ultraje

Bélgica: O bispo de Bruges, Roger Vangheluwe, renunciou em abril de 2010 após admitir ter abusado sexualmente de um menino, durante anos

Itália: A Igreja admitiu, em 2010, que cerca de cem casos de padres pedófilos haviam sido relatados ao longo de dez anos

Irlanda: Um relatório de 2009 descobriu que abusos psicológicos e sexuais eram "endêmicos" em escolas e orfanatos sob comando da Igreja, durante boa parte do século 20

Mas vítimas dizem esperar que a audiência, transmitida ao vivo nesta quinta-feira, forçará a Igreja Católica a abrir "segredos".

No mês passado, o papa Francisco anunciou a criação de uma comissão de combate ao abuso sexual de crianças por sacerdotes.

A Santa Sé é signatária da Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças, documento de valor legal. Mas, após submeter relatório inicial à convenção, em 1994, o Vaticano não prestou contas a respeito até 2012 - quando já estava fortemente abalado por denúncias de pedofilia em diversos países.

Integrantes do CRC questionaram o fato de a Igreja ter transferido padres suspeitos de abusos, bem como alegações de que alguns casos foram encobertos.

Outro questionamento diz respeito à visão de que os abusos seriam uma ofensa moral, e não um crime.

"Será que a Santa Sé acredita que a pedofilia é algo que possa ser superado?", questionou o CRC. "A melhor maneira de prevenir novas ofensas é revelando as antigas", prosseguiram os representantes da ONU.

'Cidadãos, não funcionários'

Tomasi disse que é importante notar que os padres "não são funcionários públicos do Vaticano, mas cidadãos de seus países e submetidos às leis de seus próprios países".

Agregou que nenhuma profissão está imune à presença de agressores sexuais, mas admitiu que esse comportamento é especialmente "sério" em sacerdotes, "já que essas pessoas ocupam cargos de grande confiança e são chamados a proteger todos os elementos da pessoa humana, incluindo sua saúde física, emocional e espiritual".

O bispo Charles Scicluna, ex-promotor-chefe do Vaticano para casos de abusos, insistiu que "não era política da Santa Sé estimular acobertamento (de casos)".

Mas, acrescentou, "a Santa Sé entende que há coisas que precisam mudar".

Ao mesmo tempo, observadores do encontro se queixaram da falta de respostas específicas por parte da Igreja.

"Quando vocês tornarão públicas suas estatísticas (sobre abusos)?", questionou, via Twitter, a ONG de proteção a crianças CRIN.

Barbara Blaine, presidente de um grupo que representa americanos abusados por padres, disse à BBC que a audiência desta quinta-feira trouxe "esperança a vítimas ao redor do mundo".

Mas, acrescentou, "também mostrou como representantes da Igreja se recusaram a responder perguntas; como alegam ser abertos e transparentes, mas não cumprem" o que pregam.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.