Papa Francisco promove 'revolução suave' na Igreja

  • 7 janeiro 2014
Papa recebe carneiro durante visita a uma paróquia na Itália (AFP)
Número de visitantes no Vaticano quase triplicou durante o papado de Francisco

Nos últimos nove meses, o papa Francisco quase triplicou o número de pessoas que estiveram presentes em eventos na Cidade do Vaticano.

Até 13 de março do ano passado, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio imaginava que passaria o Natal seguinte já aposentado no bairro de Flores, em Buenos Aires, onde nasceu.

Mas hoje, aos 77 anos, ele leva consigo as esperanças e temores de mais de 1 bilhão de católicos.

O que explica o repentino e renovado interesse atual pelo catolicismo? A que anseios do povo o papa Francisco estaria atendendo?

Há nove meses, a Igreja Católica era assolada por acusações de irregularidades em sua burocracia e em seu banco, e sua reputação estava manchada por escândalos sexuais.

"A narrativa dominante a respeito da Igreja hoje é 'papa pop star conquista o mundo'", disse John Allen, do jornal americano National Catholic Reporter. "Se isso não for uma revolução, ao menos em termos da percepção, então não sei o que (revolução) significa. "

Compaixão

Essa "revolução" tem ocorrido por meio de gestos, como a decisão de Francisco de incluir uma mulher muçulmana no grupo de jovens infratores cujos pés ele lavou na última Páscoa. Ou o abraço instintivo que deu em um homem que tinha o rosto desfigurado por uma doença. Ou sua recusa em viver no apartamento habitual do papa ou vestir as roupas suntuosas que seus antecessores, por tradição, vestiram.

Tudo isso chama a atenção do público.

Irmã Teresa, freira da congregação Filhas de Sant'Anna, estava dando aula para crianças de 11 anos na cidade italiana Casal di Principe, quando seu celular tocou.

"Vi um número longo", ela disse. "Uma voz disse, 'Aqui é o papa Francisco'. Eu respondi, 'Você está brincando, não acredito'. Ele riu e disse, 'Sou eu sim, o pai Bergoglio'".

O papa havia telefonado para abençoar a campanha das freiras contra o despejo de lixo tóxico em locais inapropriados. Ele tinha ficado comovido ao ver fotografias que as irmãs haviam enviado para ele, cada imagem mostrando uma mãe segurando a foto de um bebê morto.

Irmã Teresa disse que, após a conversa, sentiu-se "serena, porque o papa está pensando em nós, nos ama e não nos deixará sozinhas".

Burocracia do Vaticano

Nem todos os católicos, no entanto, aprovam a nova abordagem do papa.

Para alguns tradicionalistas, a pouca disposição de Francisco de se aprofundar nas crenças da Igreja em questões como aborto, uso de anticoncepcionais e homossexualidade deixa muito espaço para valores laicos.

Kishore Jayabalan, diretor da organização cristã de pesquisas Acton Institute, disse que outros se preocupam com o estilo humilde do papa: "Como regra geral, o papa (costuma) ter a pompa de uma monarquia".

Mas o "efeito Francisco" não se limita a mudanças em estilo e foco.

O papa recrutou oito cardeais para ajudá-lo a reformar a burocracia do Vaticano e tomou medidas para resolver irregularidades na administração do Banco do Vaticano.

Agora, ele pode estar considerando um passo ainda maior.

"Acho que a mudança mais profunda que o papa pretende realizar é uma reforma no sínodo dos bispos", disse Robert Mickens, da publicação católica The Tablet.

"O (sínodo dos bispos) foi criado na década de 1960 e tem sido usado para dar aval a tudo o que o papa queira fazer", explicou.

"Esse papa quer dar (ao sínodo dos bispos) poder real e usá-lo como ferramenta para ajudá-lo a governar a Igreja e, eventualmente, dar (aos bispos) a autoridade para tomar suas próprias decisões. Seria uma mudança revolucionária."

O papa também sugeriu que o poder e a autoridade concentrados no papado durante séculos possa ser devolvido, até certo ponto, às conferências de bispos ao redor do mundo.

"Agora, temos um papa dizendo 'podemos confiar em bispos locais para tomar as decisões'", disse Allen. "No longo prazo, a mudança de poder do centro à periferia, se Francisco conseguir alcançar seu objetivo, é de importância histórica para a vida católica."

Mas pode haver perigos quando se soltam as rédeas em uma Igreja com mais de 1 bilhão de fiéis, distribuídos por sociedades tão diversas do mundo.

O frei Joseph Kramer, da igreja Santíssima Trindade dos Peregrinos em Roma, disse que o papado é necessário por razões práticas, para unificar o clero com propensão a discordar.

"Existe o risco de cismas, divisões e brigas", disse. "Infelizmente, isso acontece nas igrejas do Leste (Ortodoxas) e Protestantes, onde não há autoridades centrais."

Pode haver outras reformas - talvez o fim do veto a que católicos divorciados e casados novamente recebam a comunhão; talvez um papel mais amplo para mulheres na Igreja.

Mas não haverá mudanças nos ensinamentos conservadores em temas fundamentais como homossexualidade, eutanásia e aborto.

Narrativa

Será, então, que Francisco conseguirá reconstruir a fé cristã simplesmente mudando a "narrativa" sobre o catolicismo, sem uma reforma real nos ensinamentos?

John Allen vê o papado de Francisco como um tipo de experimento.

"Existe uma tendência na Igreja Católica progressista que diz que não precisamos mudar as doutrinas para recapturar o interesse do público", disse.

"É preciso que as pessoas vejam o compromisso real com o florescimento humano que está no âmago dessas doutrinas. O que veremos sob a liderança de Francisco é que ele vai acrescentar uma encantadora face humana à mensagem clássica."

A mudança de tom pelo novo papa, ao que parece, é dirigida a uma sociedade que se seculariza. Uma sociedade que, ao menos na visão de um observador, é "pós-cristã".

"A época cristã se foi, acabou, e o papa Francisco sabe disso", disse Mickens, do The Tablet. "Um líder jesuíta disse que a Igreja vinha dando respostas a questões que o povo não está perguntando. O papa Francisco está tentando dar respostas para questões que as pessoas estão fazendo. Por que minha avó está em um lar para idosos? Por que não tem ninguém para cuidar dela? Por que meu filho não consegue arrumar trabalho?"

Francisco tem a atenção do mundo - por mais inconstante e passageira que ela seja. E também uma oportunidade rara de fazer mudanças significativas.