Califórnia testa sistema de alerta para desastres naturais

  • 3 janeiro 2014
Enchente nos EUA, em foto de arquivo
Sistema consegue medir umidade do ar e, assim, prever tempestades e enchentes

Um sistema de alerta para terremotos, tsunamis e enchentes está sendo testado na Califórnia, com o objetivo de prover "informações em tempo real" na iminência de desastres naturais.

Cientistas estão usando tecnologia GPS e sensores para detectar ameaças desses desastres - e o protótipo já ajudou a alertar serviços de emergência ao risco de enchentes.

Os minutos que antecedem um desastre natural são considerados cruciais, e alertas podem auxiliar autoridades a se preparar e a responder a eventos de grandes proporções, bem como a advertir a população.

Sensores

O sistema californiano se baseia em estações já existentes de GPS, que usam tecnologia via satélite para fazer medições precisas de movimentos de solo.

Os cientistas usaram essas estações para instalar sensores sísmicos e outros instrumentos capazes de detectar mudanças climáticas e vapores de água no ar.

"Ao combinar os dados do GPS com dados desses outros sensores, podemos medir movimentações (de terreno) ocorridas durante terremotos ou outros eventos", explica Yehuda Bock, do Instituto de Oceanografia Scripps. "Isso ajuda a minimizar ameaças à segurança pública."

Segundo ele, o protótipo é capaz de detectar tremores segundos antes de um grande terremoto, prever sua magnitude e a probabilidade de que provoque um tsunami.

GPS

O GPS, além de identificar localização, mede a quantidade de vapor em determinadas posições. Com isso, os cientistas conseguem monitorar, em tempo real, a umidade do ar e a eventualidade de chuvas fortes. O método já foi usado para prever tempestades na cidade californiana de San Diego.

"Parece surpreendente o uso de GPS para monitorar eventos climáticos, mas o GPS é um instrumento climático", explica Angelyn Moore, do Laboratório de Propulsão da Nasa (agência espacial americana).

"Uma estação de GPS mede o tempo que leva para um sinal viajar dos satélites até as estações receptoras em solo. E o tempo dessa viagem é modificado pela quantidade de umidade no ar."

Parte desses dados costuma vir de balões climáticos, "mas há apenas dois deles no sul da Califórnia e eles estão distantes entre si", explica Moore.

"E os lançamentos de balões climáticos ocorrem apenas a cada 12 horas. No ínterim, usamos o GPS para monitorar mudanças no vapor d'água."

Com isso, a equipe conseguiu emitir alerta de perigo de enchentes durante tempestades.

A tecnologia de medição está sendo associada a sistemas de alerta, para garantir que a informação sobre desastres climáticos chegue ao público.

"Quando um meteorologista faz o alerta, ele chega à polícia ou bombeiro responsável por proteger a vida e as propriedades, quase instantaneamente", diz Mark Jackson, do serviço meteorológico americano.

O protótipo foram apresentados no recente encontro da União de Geofísicos Americanos, em San Francisco.

Notícias relacionadas