Após venda de caças, prefeito sueco diz que trocará Natal por 'samba'

  • 19 dezembro 2013
Caça da Saab. Foto: AFP
Após mais de uma década de análise, Brasil anunciou que comprará caças da Saab

A poucos dias do Natal, o anúncio oficial da compra dos caças Gripen da sueca Saab pelo governo brasileiro foi comemorado com euforia na Suécia.

"Estou até pensando em cancelar a tradicional festa natalina e só dançar samba em volta da árvore de Natal", disse à imprensa sueca o prefeito local da cidade de Linköping, onde está situada a fábrica da Saab.

Na manhã desta quinta-feira, após o anúncio do acordo com o Brasil, as ações da Saab registraram alta de mais de 23% por cento na bolsa de valores da capital sueca, Estocolmo.

A notícia da escolha dos caças suecos pelo governo brasileiro, após negociações de mais de dez anos, foi manchete em todos os noticiários de TV e jornais da Suécia.

"Estou extremamente orgulhoso pela confiança depositada pelo governo brasileiro no Gripen", disse em comunicado o presidente da Saab, Håkan Bushke.

O governo sueco também celebrou a notícia da venda dos 36 caças Gripen, no valor de US$ 4,5 bilhões.

"O acordo com o Brasil é extremamente importante, tanto para a Saab como para a Suécia. Trata-se de um importante projeto que envolve know-how e parceria para o desenvolvimento de um sistema avançado de defesa", disse a ministra da Defesa, Karin Enström.

Críticas

Apesar da euforia, o acordo provocou críticas. A ONG pacifista Svenska Freds disse que o governo violou suas próprias regras de não vender armas "para países pobres afetados por conflitos internos".

"No Brasil, existe a ocorrência de violência policial contra civis e também de conflitos entre grupos armados", disse a diretora da ONG, Anna Ek.

Perguntado sobre se o acordo com o Brasil envolveu pagamento de subornos ou propinas, o vice-presidente da Saab, Lennart Sindahl, foi taxativo:

"A Saab possui valores éticos extremamente altos. Não houve absolutamente qualquer tipo de suborno ou acordos duvidosos".

Segundo Sindahl, a venda dos caças vai ajudar a promover a geração de empregos na Suécia, no momento em que o país enfrenta uma taxa de desemprego de cerca de 7%.

A maior parte dos novos empregos ligados ao negócio, entretanto, será gerada no Brasil.

O comentarista sueco de defesa Christer Åstrom disse à TV pública sueca SVT que 26 do total de 36 caças Gripen serão produzidos pela indústria de defesa brasileira.