Mulheres avançam no poder na América Latina, rumo à 'maturidade política'

  • 15 dezembro 2013
Matthei e Bachelet, candidatas à Presidência chilena (AFP)
Matthei e Bachelet disputam neste domingo o segundo turno das eleições presidenciais chilenas

O Chile elege uma nova presidente neste domingo - seja a socialista Michelle Bachelet ou Evelyn Matthei, de centro-direita -, que vai se somar a outras três governantes mulheres na América Latina: Dilma Rousseff, a argentina Cristina Kirchner e a costarriquenha Laura Chinchilla.

Será um feito inédito: quatro mulheres governando simultaneamente. Mas cabe a pergunta: será que a presença feminina representa maturidade política ou é uma brecha momentânea na tradicional hegemonia masculina - uma concessão tácita a uma mulher quando é conveniente?

Em uma época de grande descrédito de políticos tradicionais, em geral homens, as mulheres surgem como uma nova fonte de esperança. Para muitos partidos, elas representam renovação e ter maior poder de captação de votos, além de enfrentar menos resistência que o candidato típico.

Mas será que elas realmente trazem mudanças concretas?

Damas de ferro

Até relativamente pouco tempo, e em sociedades de tradição democrática, esperava-se apenas que as mulheres - que passavam a maior parte do tempo em casa - participassem de ações como eventos beneficentes ou debates.

Os políticos dominantes cediam a mulheres cuidadosamente selecionadas alguns postos de acordo com suas "virtudes femininas", mas sem poder real.

Se a mulher superasse esse obstáculo e alcançasse um cargo de responsabilidade pública, deveria passar, de maneira deliberada, uma imagem de energia intransigente e falta de escrúpulos para "compensar" as virtudes atribuídas a ela de solidariedade e compaixão - que um setor considerável do eleitorado (inclusive o feminino) considerava mostras de debilidade.

Cristina Kirchner e Dilma Rousseff
Argentina e brasileira fazem parte do seleto grupo de presidentes mulheres do continente

Líderes da estatura de Indira Gandhi (Índia), Golda Meir (Israel) e Margaret Thatcher, a "dama de ferro" britânica, costumavam destacar a necessidade de se mostrar mais energéticas do que às vezes consideravam prudente, para sufocar a desconfiança instintiva sobre elas. Esse traço acabou sendo incorporado definitivamente à sua imagem pessoal.

Essa necessidade começa a desaparecer, e se multiplicam os exemplos de mulheres que facilitam a ação política melhor do que seus colegas homens.

Já é evidente que a mulher superou a etapa de mero acesso ao processo público e tem credibilidade eleitoral e margem de ação política, requisitos essenciais para exercer o poder de fato.

'Adultas de Washington'

Um caso exemplar é o papel de 20 senadoras americanas (16 democratas e quatro republicanas) na superação da paralisação parcial do governo, uma grave crise de governabilidade que afetou os EUA em meados de outubro.

A revista Time escreveu que "as mulheres são as últimas pessoas adultas de Washington".

A senadora democrata Amy Klobuchar disse que "as mulheres são uma força incrivelmente positiva, porque nos gostamos mutuamente. Podemos trabalhar juntas e encontrar terreno comum".

Claro que mulheres e homens estão expostos a pressões e equívocos semelhantes, e não há provas de que tenham enfoques éticos distintos. Mas se a descrição de Klobuchar convencer o eleitorado, pode ter um efeito considerável.

Cálculo eleitoral

Laura Chinchilla
Laura Chinchilla preside a Costa Rica desde 2010

O que cada vez mais homens reconhecem é que a presença feminina não é necessariamente uma concorrência indesejável, mas sim um recurso extra da máquina política: afinal, metade do eleitorado é formado por mulheres.

No cálculo eleitoral, chega um momento em que uma mulher oferece mais vantagens do que desvantagens: quando a porcentagem de homens predispostos contra elas não for alta o bastante para sufocar sua candidatura em outros setores sociais.

A candidata também pode ser mais convincente que seu par masculino em promessas de atenção à educação, à saúde e aos serviços sociais - temas de cada vez mais relevância em campanhas. Representa, dessa forma, a possibilidade de uma mudança real, em vez de mais do mesmo.

Tudo isso são impressões, às vezes meras sombras (políticos e políticas também mudam de acordo com as circunstâncias) e não há experiência acumulada o suficiente. Mas, na política eleitoral, as impressões têm grande peso.

Antecedentes

Nos últimos 40 anos, houve dez presidentes mulheres na América Latina. A primeira herdou o poder de seu companheiro; outras tiveram papel institucional em determinado momento e um terceiro grupo, como as que estão atualmente no poder, batalhou por seu próprio destino político.

Bachelet e Matthei fizeram carreiras políticas independentes, mas a lembrança de seus pais - ambos generais das Força Aérea, em polos políticos opostos - tem uma influência inegável.

Em países europeus, seja por hereditariedade (as rainhas britânica e dinamarquesa, por exemplo) ou ação política (Margaret Thatcher, a alemã Angela Merkel, as irlandesas Mary Robinson e Mary MacAleese), é mais comum a presença feminina nas chefias de governo ou de Estado, com maridos que passam quase despercebidos.

Mas, ainda que muitas partes do mundo tenham dado passos inegáveis pela integração das mulheres às instâncias de poder, ainda não se pode falar de uma maturidade definitiva - que chegará só quando não for mais notícia o fato de uma mulher candidata ou eleita.

A participação feminina também teria de crescer em outras instâncias. No Brasil, por exemplo, apenas 12% das parlamentares são mulheres, disse à BBC Brasil a ministra de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci.

Mas a evolução se acelera, rumo à igualdade plena de gêneros.