Black Friday já teve quatro mortos e 56 feridos desde 2008 nos EUA

  • 29 novembro 2013
Consumidores de Nova York enfrentam tumulto para comprar na Black Friday (Getty)
Consumidores de Nova York enfrentam tumulto para comprar na Black Friday

Americanos, brasileiros e consumidores de outros países correram nesta sexta-feira para as lojas e sites de compras para a aproveitar a Black Friday, o dia de liquidações que tradicionalmente se segue ao Dia de Ação de Graças (feriado nos Estados Unidos) quando os vendedores oferecem grandes descontos.

No entanto, a grande popularidade do dia - o termo Black Friday foi usado milhões de vezes no Twitter nas últimas 24 horas - tem um lado obscuro.

O grande número de consumidores tentando aproveitar as ofertas já causou cenas caóticas e episódios de violência nos Estados Unidos.

Pisoteamentos e até tiroteios ocorreram no passado na sexta-feira de descontos, resultando em quatro mortos e 56 pessoas feridos nos últimos cinco anos.

Existem cerca de 1,4 mil vídeos no YouTube relacionados a tumultos ocorridos durante o dia de liquidações.

Apenas na Black Friday de 2012, os americanos gastaram US$ 59 bilhões, o que é o PIB aproximado de um país como o Sudão, na África.

Outros países

Em outros países, também há dias de descontos semelhantes, também trazendo oportunidades para os consumidores e problemas.

No Brasil, além da corrida às lojas de departamentos que abriram mais cedo, os consumidores também tiveram que enfrentar problemas nos sites de compras e o número de reclamações já bateu recordes.

No Canadá, para evitar que os consumidores cruzassem a fronteira com os Estados Unidos em busca de descontos, os comerciantes começaram a oferecer seus descontos, apesar de o dia de Ação de Graças já ter ocorrido há um mês.

No México há o El Buen Fin ("O Bom Final de Semana", em tradução livre) associado ao aniversário da revolução mexicana de 1910, que, em alguns anos coincide com o feriado americano de Ação de Graças. Dura o fim de semana inteiro.

Lojas online globais como o site da Amazon promovem desde 2005 a chamada Cyber Monday, uma segunda-feira para promover descontos para todos os países.

Na China há o "Dia dos Solteiros", um dia de grandes descontos. Na última edição foram vendidos 2 milhões de sutiãs em apenas uma hora por um dos sites de compras do país.

Mas os dias de consumismo estão causando uma reação contrária entre alguns grupos.

E esta reação veio na internet, com manifestações contra o consumismo desenfreado, chegando a ponto de grupos criarem uma campanha chamada Buy Nothing Day ("Dia de Não Comprar" em tradução livre), para permitir que funcionários de lojas americanas passem mais tempo do feriado prolongado com suas famílias.

A campanha se espalhou por 65 países no mundo todo.

Notícias relacionadas