Esculturas em forma de joias são tema de exposição em NY

21 novembro 2013 Atualizado pela última vez 09:30 BRST 11:30 GMT

Mostra no Metropolitan Museum of Art é rara chance de ver de perto criações caras e 'exclusivas' de Joel A. Rosenthal.
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
O Metropolitan Museum of Art, em Nova York, inaugurou nesta semana a primeira retrospectiva nos EUA dedicada ao designer de jóias Joel A. Rosenthal, conhecido como JAR. Este broche de 1982, feito com diamante, turmalinas e ouro, é uma das peças em exposição. (Foto: 'Poppy Brooch'/ Katharina Faerber. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
A mostra 'Jewels by JAR' (Jóias de JAR, em tradução livre) traz mais de 400 peças e é uma rara chance de ver de perto as criações exclusivas de Rosenthal. Este broche em formato de zebra, de 1987, foi criado com ágata, diamantes, uma safira, prata e ouro. (Foto: 'Zebra Brooch'/Katharina Faerber. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
As peças de Rosenthal são famosas pela mistura de materiais e pela variedade de formas e temas. Flores e borboletas são temas recorrentes, geralmente na forma de broches, como este, feito em 1994 com materiais como safiras, rubis, ametistas, diamantes, prata e ouro. (Foto: 'Butterfly Brooch'/ Katharina Faerber. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Nova-iorquino do Bronx, Rosenthal mudou-se para Paris logo após a formatura na Universidade de Harvard, em 1966. Na capital francesa, ao lado de Pierre Jeannet, iniciou a carreira de designer de joias. Este colar, de 1999, é uma mistura de rubis, safiras, esmeraldas, ametistas, turmalinas, diamantes, prata e ouro, entre outros materiais. (Foto: 'Colored Balls Necklace'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Instalado há 35 anos na Place Vendôme, Rosenthal recebe uma clientela exclusiva, que inclui a brasileira Lily Safra e a atriz Gwyneth Paltrow. Estes broches, de 2001, misturam diamantes, safiras, alumínio, prata e ouro. (Foto: 'Lilac Brooches'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Materiais não-tradicionais, como alumínio, titânio, aço e madeira aparecem nas criações do artista. Este broche em forma de gerânio, de 2007, foi feito com diamantes, alumínio, prata e ouro. (Foto: 'Geranium brooch'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
A curadora da mostra, Jane Adlin, compara peças de JAR, como este broche em forma de tulipa, de 2008, a esculturas. 'Se você colocar suas joias sobre uma mesa, verá que são de fato obras de um escultor', diz. (Foto: 'Tulip Brooch'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Esta é a primeira vez que o Metropolitan Museum of Art dedica uma retrospectiva a um designer de joias contemporâneo. Os brincos na parte superior da foto foram criados em 2008. Os que aparecem na parte de baixo são de 2010. (Foto: 'Hoop Earrings'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Segundo os organizadores da mostra, a obra de Rosenthal é caracterizada por 'uma ambição mais estética que comercial'.Este bracelete, de 2010, tem diamantes, prata e platina. (Foto: 'Bracelet'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Um dos temas preferidos do artista, as flores aparecem de diversas formas em suas joias, seja como botão, uma flor desabrochando ou uma pétala caindo. Este broche em formato de camélia, de 2010, mistura rubis, safiras, diamantes, prata e ouro. (Foto: 'Camellia Brooch'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Estes brincos foram criados em 2011. Pierre Jeannet, que trabalha ao lado do artista há décadas, destaca o perfeccionismo de Rosenthal. 'A cada passo do processo de criação de uma peça, ele checa e corrige. E se, ao final, seus olhos não estiverem felizes, nós destruímos a peça',diz. (Foto: '(Multicolored Handkerchief Earrings'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Segundo Jeannet, depois de prontas as peças, Rosenthal gosta de se certificar de que a joia foi para a mulher certa. 'Então, ele suspira. Seu trabalho está feito', diz. Este par de brincos, de 2011, mistura esmeraldas, pérolas, diamantes e platina. (Foto: 'Earrings'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Os organizadores da mostra observam que uma das características de Rosenthal e sua equipe é a maneira como selecionam as pedras que compõem uma jóia, pela compatibilidade de cor e pela maneira como complementam ou contrastam umas com as outras. Este broche de 2011 mistura rubis, diamantes, prata e ouro. (Foto: 'Cameo and Rose Petal Brooch'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)
'Jóias de JAR', no Metropolitan Museum of Art, é chance rara de ver de perto criações exclusivas de Joel A. Rosenthal
Rubis, diamantes, bronze, prata, ouro e platina foram usados para criar este broche, de 2011. A exposição no Metropolitan Museum of Art fica em cartaz até março de 2014. (Foto: 'Raspberry Brooch'/ Jozsef Tari. Cortesia de JAR, Paris)