BBC navigation

Camundongos fêmeas promíscuas geram 'filhotes mais sensuais', diz estudo

Atualizado em  19 de novembro, 2013 - 18:28 (Brasília) 20:28 GMT
Camundongos, em foto de arquivo (AFP)

Estudo mostra como ambientes a que pais são submetidos influenciam os genes de seus filhos

Camundongos fêmeas que competem entre si em ambientes promíscuos têm filhotes machos que tendem a atrair mais as fêmeas, indica uma pesquisa da Universidade de Utah, nos Estados Unidos.

No estudo, os cientistas analisaram feromônios (substâncias que influenciam o comportamento de outros membros da mesma espécie, por vezes com função de atrair sexualmente membros do gênero oposto) presentes na urina das crias macho.

A conclusão é que os filhotes cujas mães tiveram de disputar para conseguir parceiros produziam mais feromônios. Mas, em contrapartida, esses mesmos camundongos apresentaram uma tendência a ter uma vida mais curta que a de camundongos de pais monógamos.

"Faz pouco tempo que começamos a entender que as condições ambientais enfrentadas pelos pais podem influenciar as características de suas crias", diz o professor Wayne Potts, um dos autores da pesquisa, publicada no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

"Este estudo é um dos primeiros a mostrar este tipo de processo 'epigenético' (relacionado a mudanças de um organismo durante seu desenvolvimento) agindo de forma a aumentar o êxito dos filhotes quando forem acasalar."

Acredita-se que as conclusões do estudo poderão ajudar na elaboração de programas de reprodução em cativeiro de animais ameaçados de extinção.

Competição

Os cientistas estudaram camundongos domésticos, que em geral vivem em gaiolas e acasalam com apenas um parceiro.

Para reintroduzir a competição social vivenciada por camundongos selvagens, os animais de laboratório foram mantidos em uma espécie de "celeiro" - áreas fechadas e repartidas para criar territórios.

Os camundongos podiam transitar entre os territórios, e alguns destes foram propositalmente transformados em espaços mais atraentes, para estimular a competição - por espaço e parceiros - entre os animais.

Para averiguar se os pais tinham alguma influência sobre a atratividade de seus filhotes, o pesquisador Adam Nelson facilitou o cruzamento de camundongos do celeiro e camundongos monógamos, mantidos em outro local.

Nelson e sua equipe descobriram que, independentemente da experiência ambiental vivenciada pelo pai, filhotes de fêmeas que vivem em ambientes mais competitivos produziam mais feromônios.

Camundongos machos usam odores, presentes na urina, para marcar seu território, e as fêmeas se sentem mais atraídas e acasalam com mais frequencia com machos cuja urina tem o cheiro dessas substâncias.

"Se os seus filhotes forem especialmente sensuais e acasalarem mais, isso ajudará seus genes (a serem passados) de forma mais eficiente às gerações futuras", explica Wayne Potts.

Em contraste, os filhotes de pais (não mães) promíscuos eram menos atraentes, produzindo 5% a menos de feromônios que os de pais monógamos. A explicação pode ser pelo fato de pais e filhos disputarem entre si parceiras sexuais.

"Os pais competem com seus filhotes e geralmente os expulsam rapidamente de seu território", prossegue Potts. "Se você teme que seu filhote prejudique seu próprio sucesso reprodutivo, então não há motivos para torná-los mais sensuais."

Preço

Em contrapartida, o aumento da produção de feromônios cobra seu preço: a equipe de pesquisadores descobriu que apenas 48% dos filhos de camundongos fêmeas promíscuos sobreviveram até o final do experimento. Já entre os filhos de monógamas a taxa de sobrevivência foi de 80%.

Segundo Potts, isso ocorre pelo grande esforço feito pelos animais para produzir o feromônio.

Os pesquisadores acreditam que suas descobertas podem ajudar em projetos de acasalamento destinados a espécies ameaçadas que vivem em cativeiro.

"A domesticação estimula mecanismos epigenéticos que tornam os animais menos aptos a viver na natureza", explica Potts. Esses mecanismos também resultam na produção de filhotes menos "bem-sucedidos sexualmente".

Ao forçar sua reprodução em ambientes mais competitivos para as fêmeas, os cientistas acham que esses animais aumentaram a atratividade de suas crias. Isso poderia aumentar as taxas de sucesso da reintrodução na vida selvagem de espécies criadas em cativeiro.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.