BBC navigation

Dívida e geração de caixa da Petrobras preocupam mercado

Atualizado em  28 de outubro, 2013 - 08:50 (Brasília) 10:50 GMT
Plataforma de petróleo (foto: Getty Images)

Maior campo de petróleo do Brasil precisará de US$ 80 bilhões em investimentos em dez anos.

Dívidas e uma incerteza sobre geração de caixa alimentam o ceticismo do mercado sobre os fundamentos da Petrobras para levar adiante a tarefa hercúlea de explorar a maior bacia petrolífera do país, o campo de Libra.

Empresa mais endividada do mundo, segundo um relatório do Bank of America, a Petrobras saiu "aliviada" do leilão, consideram analistas. O governo tachou a concessão de um "sucesso".

Mas os desafios no médio e no longo prazo permanecem. Com um volume recuperável (o óleo disponível) estimado em 8 a 12 bilhões de barris, Libra deve requerer investimentos da ordem de US$ 80 bilhões nos dez primeiros anos, segundo estimativas de mercado.

Ao longo dos 35 anos de contrato, calcula-se que Libra necessite de cerca de US$ 200 bilhões em investimentos.

A Petrobras afirma que "as estimativas sobre volume de óleo recuperável, custos e investimentos e cronograma dos sistemas de produção desse bloco serão oportuna e paulatinamente divulgados".

Mas se a estatal trabalhar com estimativas semelhantes, isso significa que lhe caberia desembolsar US$ 32 bilhões só na próxima década (proporcionais à sua participação de 40% no consórcio vencedor).

A empresa também terá de pagar à União R$ 6 bilhões referentes ao bônus de assinatura do contrato.

Altos investimentos, grandes dívidas

Para lidar com os desafios do pré-sal, a Petrobras divulgou um ambicioso plano de investimentos de US$ 237 bilhões nos próximos cinco anos, época que compreenderá a fase de exploração do campo de Libra.

Três em cada cinco dólares (mais de US$ 147 bilhões) do plano de investimento 2013-2017 serão direcionados para a área da produção e exploração.

Mas a presidente da empresa, Graça Foster, disse que os recursos a serem desembolsados nos dois primeiros anos serão pequenos.

"Por estar ligada à União, é difícil a empresa não cumprir com esses investimentos. Um dos temores do mercado é que a empresa não sustente esse modelo e precise de mais caixa para tocar os seus planos", disse à BBC Brasil o analista da corretora Ativa, Marcelo Torto.

No início deste mês, a agência de avaliação de risco Moody’s rebaixou os títulos da Petrobras – e os colocou em perspectiva "negativa" – citando fatores como alto endividamento e problemas de caixa para balizar sua decisão.

Reforçando o pessimismo, na última sexta-feira a empresa anunciou ter tido no terceiro trimestre um lucro de R$ 3,4 bilhões, 39% abaixo do que o registrado no mesmo período de 2012 e 45% a menos do que no trimestre anterior. Foi um resultado abaixo das expectativas do mercado.

O vice-presidente sênior da agência, Thomas Coleman, apresentou estimativas de endividamento da empresa que incluem uma relação dívida-lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortização (o resultado operacional da companhia) de 3,8 vezes.

Esse significa, em outras palavras, que as dívidas da empresa são quase quatro vezes mais altas que a sua capacidade de gerar caixa – o indicador mais alto entre as petroleiras, enfatizou a Moody’s.

Segundo um relatório do Bank of America, a Petrobras é a empresa mais endividada do mundo – mais do que qualquer outra corporação não-financeira em países emergentes ou industrializados. Sua dívida de US$ 112,7 bilhões supera as da China State Grid (US$ 104 bilhões) e Verizon (US$ 98).

Em uma observação positiva, a agência disse que a empresa conta a seu favor com grandes reservas de petróleo, um significativo potencial de crescimento e "apoio implícito" do governo.

Peso no balanço

Completando a equação das dificuldades da empresa, estão as preocupações sobre como a corporação vai gerar caixa para pagar essas dívidas e implementar o plano de investimentos.

O fator que os analistas mais acompanham são os prejuízos da empresa na área de abastecimento do mercado interno, já que a estatal, com infraestrutura de refino já perto da capacidade máxima, precisa comprar combustível no mercado externo a preços internacionais e revender dentro do Brasil a valores mais baixos, para obedecer à política de controle de preços.

No primeiro semestre deste ano, enquanto a área de exploração e produção registrou um lucro de R$ 18,9 bilhões, por exemplo, a área de abastecimento deu prejuízo de R$ 6,8 bilhões.

Por causa de reajustes de combustíveis desde meados do ano passado, além de um maior processamento nas refinarias, o prejuízo da área de abastecimento foi 40% menor no primeiro semestre deste ano que no mesmo período do ano passado.

A empresa submeteu ao seu Conselho de Administração a proposta de uma nova política de preços que prevê reajustes automáticos e periódicos dos combustíveis conforme a necessidade de alinhamento com os preços no mercado internacional.

Graça Foster, porém, disse anteriormente que o governo "não tem data" para reajustar combustíveis. Ela frisou ainda que a empresa tem capacidade de pagar os R$ 6 bilhões do bônus de assinatura sem necessidade de reajuste nem aportes do Tesouro.

Escrutínio

As preocupações devem manter a Petrobras sob escrutínio do mercado nas próximas décadas. Em 2010, a Petrobras fez uma captação recorde de US$ 70 bilhões no mercado, e os analistas creem que, se for necessária, uma nova captação poderia ser entendida como um sinal das dificuldades financeiras da empresa.

O leilão de Libra foi considerado um bom resultado para a empresa porque foi, relativamente, menos oneroso do que poderia ter sido.

Mas a analista de petróleo e gás da corretora Itaú BBC, Paula Kovarsky, ainda assim observou que a exploração de Libra "inevitavelmente deslocará projetos mais lucrativos" para a Petrobras.

Antes do leilão, o temor do mercado era que a companhia fosse obrigada a entrar em um consórcio com uma participação acima de 40% e possivelmente pagando mais do chamado "petróleo-lucro" que o mínimo de 41,65% estipulado nas regras.

"Foi dos males o menor para a Petrobras, o que justifica a reação positiva do mercado", escreveu Paula Kovarsky no seu relatório para investidores.

Há consenso no mercado que, sem mudar o atual formato, a exploração do pré-sal será lenta – mais que o necessário, dizem os críticos – para que a empresa tenha de tempo de pôr os projetos em marcha.

Calcula-se que toda a área do pré-sal demande investimentos da ordem de R$ 500 bilhões para ser explorada. A ANP afirmou que não tem planos de realizar nenhum outro leilão no ano que vem, só em 2015.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.