Ver em 3D é possível usando apenas um olho, diz estudo

  • 15 outubro 2013
O estudo propõe um novo aspecto para a criação da experiência em 3D

Pesquisadores da Universidade de St Andrews, na Escócia, sugerem que é possível ter a experiência de ver uma imagem em 3D usando apenas um olho.

O estudo mostrou que um método que utiliza um pequeno buraco circular poderia ter amplas implicações para a tecnologia 3D.

A pesquisa, divulgada na publicação cientifica Psychological Science, mostrou que o método também apresentou implicações para pessoas que têm apenas um olho ou têm problemas de visão dupla (a percepção de duas imagens a partir de um único objeto).

Acredita-se que o método cria um efeito 3D semelhante ao utilizado para o cinema.

Nova hipótese

Os pesquisadores disseram que o pensamento atual é baseado na necessidade de existirem duas imagens – uma para cada olho – que quando combinadas no córtex visual, criam uma sensação de profundidade.

Mas o psicólogo Dhanraj Vishwanath, da Universidade de St Andrews, acredita que os dois olhos não são necessários para uma "experiência 3D".

"Nós demonstramos experimentalmente, pela primeira vez, que a mesma "maneira especial" com que a profundidade é experimentada em filmes 3D pode ser vivida olhando para uma imagem normal com apenas um olho através de uma pequena abertura (orifício circular)", disse Vishwanath.

"Embora este efeito seja conhecido há muito tempo, ele é geralmente rejeitado", observa.

"Agora, nós mostramos que o efeito é de fato real, e os resultados perceptivos são exatamente como os vistos quando assistimos filmes em 3D", afirma.

"Com base nesta constatação, nós fornecemos uma nova hipótese sobre o que pode ser a causa real da experiência em 3D", diz.

A universidade disse que a invenção de 1838 do estereoscópio - a tecnologia por trás da técnica usada na cinematografia 3D - trouxe consigo a suposição de que dois olhos eram necessários para se obter uma imagem em 3D.

Alta resolução

"Este trabalho tem implicações significativas para as pessoas que não têm visão binocular normal", diz Vishwanath.

"Em primeiro lugar o estudo poderia ajudá-los a experimentar o que significa ver em 3D. E em consequência dessa experiência, poderia incentivá-los a procurar terapia para tentar recuperar a visão em 3D usando os dois olhos (que produz o efeito 3D mais forte na vida cotidiana)", afirma.

Vishwanath e seus colegas estão agora testando o método com um grupo de pessoas com estrabismo, que têm os olhos desalinhados.

O psicólogo também acredita que sua teoria sugere que uma experiência em 3D pode ser induzida simplesmente aumentando a resolução, utilizando televisões de definição ultra-alta.

Notícias relacionadas