BBC navigation

Protestos e tumulto marcam 7 de Setembro pelo país

Atualizado em  7 de setembro, 2013 - 15:49 (Brasília) 18:49 GMT
Manifestante em Brasília

Manifestantes entraram em confronto com a polícia nos arredores do estádio de Brasília

Os já habituais protestos do 7 de Setembro ganharam força neste ano, quase três meses após a onda de manifestações que varreu o país. Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo foram palco dos protestos mais violentos. Houve confronto com a polícia e dezenas de detenções.

O protesto teve os manifestantes habituais, como os movimentos sociais em torno do Grito dos Excluídos (de inspiração católica). Mas, neste ano, foi engrossado por muitos dos manifestantes que em junho foram à ruas pela primeira vez, durante os protestos dos 20 centavos. E cenas de confronto voltaram a se repetir.

No Rio, manifestantes entraram na avenida do desfile cívico-militar pela manhã. Houve confronto, bombas de águas e feridos, entre manifestantes e público. À tarde, manifestantes, incluíndo black blocks, seguiram ao monumento Zumbi dos Palmares, na avenida Presidente Vargas, e queimaram a bandeira do Brasil. O grupo seguiu depois ao palácio da Guanabara, sede do governo. Segundo informações oficiais, 27 manifestantes foram detidos.

Na capital de São Paulo, manifestantes chocaram-se com a polícia no centro antigo. Um grupo, com black blocks, tentou depredar a Câmara Municipal e seguir depois para a Sé. Ainda não há balanço oficial sobre o número de detidos.

Em Brasília, manifestantes se enfrentaram e foram dispersos pela polícia nos arredores do Congresso, do estádio Mané Garrincha e no Museu da República. Segundo informações oficiais, foram detidos 35 adultos e 15 adolescentes.

O protesto teve início em frente ao Congresso Nacional, com cerca de 3 mi manifestantes. A concentração se deu a pouca distância da tribuna onde a presidente Dilma Rousseff acompanhava o desfile cívico-militar em comemoração aos 191 anos da independência.

Parte do grupo dirigiu-se depois ao entorno do estádio Mané Guarrincha, onde a Seleção Brasileira enfrentou a Austrália em jogo amistoso.

A Polícia Militar do Distrito Federal bloqueou o acesso, com a tropa de choque e a cavalaria. Manifestantes entraram em confronto e a cena seguinte foi de corre corre em meio ao gramado seco da capital federal.

Bombas de gás lacrimogênio e spray de pimenta foram usados na dispersão dos manifestantes, que voltaram a se enfrentar com os policiais na rodoviária.

Os manifestantes seguiram pelo eixo monumental em direção ao Congresso. Foram contidos pela polícia, deram meia volta e seguiram ao Museu da República, onde se deram outras cenas de confronto.

Rio

Protesto no Rio | Foto: Julia Carneiro

Bombas de gás foram lançadas próximo às arquibancadas no Rio (Foto: Júlia Carneiro)

No Rio, pela manhã, houve confronto com a polícia nos arredores do desfile militar na Avenida Presidente Vargas. Manifestantes, em sua maioria membros dos black blocs, furaram o bloqueio e entraram na área da parada militar, segundo relato da BBC Brasil, Júlia Carneiro.

"Os black blocks entraram na faixa paralela à do desfile e começaram a acompanhar a parada. Mas um grupo de cerca de 15 policiais do Batalhão de Choque chegou por trás do protesto e começou a atirar bombas de gás lacrimogêneo, embora os manifestantes estivessem logo ao lado das centenas de pessoas que assistiam ao desfile de arquibancadas. A correria foi imediata – as bombas de gás atingiram igualmente os manifestantes e as famílias, crianças e idosos que foram ao centro para acompanhar as celebrações do 7 de Setembro".

"Após o fim do desfile militar, outro protesto – o tradicional Grito dos Excluídos, organizado todo ano paralelo aos desfiles da Independência – seguiu por uma Presidente Vargas já vazia em tom mais festivo, com músicos puxando palavras de ordem em ritmo de carnaval. Grande parte das frases era contra o governador Sérgio Cabral, chamado de ditador pelos manifestantes".

"O protesto manifestação seguia pacífica mas houve confrontos com a polícia próximo à Central do Brasil e correria quando bombas de gás foram lançadas. O protesto terminou na Estátua Zumbi dos Palmares. Manifestantes subiram nos mastros em frente ao monumento e retiraram as bandeiras do Brasil e do Estado do Rio que estavam hasteadas. Um grupo rasgou e queimou as bandeiras para depois hastear uma bandeira preta no lugar".

País

Em São Paulo, manifestantes se concentraram em frente ao Masp (Museu de Arte), na avenida Paulista, que ficou tomada por policiais.

Um grupo seguiu para o centro antigo da capital paulista. Outro grupo fechou a avenida 23 de Maio. Houve confronto com os policias em frente à Câmara Municipal. Agências bancárias foram depredadas na região da Sé.

No Rio Grande do Sul, agências bancárias também foram depredadas e houve prisões em Porto Alegre.

Em Minas Gerais, manifestantes black blocks também entraram em confronto com a polícia na praça da Liberdade, em Belo Horizonte.

Protesto no Rio | Foto: Reuters

Manifestantes mascarados usaram fogos de artifício durante protesto no centro do Rio de Janeiro

Protestos foram ainda registrados em Teresina (PI), Cuiabá (MT), Goiânia (GO), Curitiba (PR), Belém (PA) e outras capitais. Manifestantes portando máscaras foram presos em Fortaleza (CE).

Em Maceió, integrantes de movimentos sociais interromperam o desfile cívico após ocupar a área da parada militar.

Protestos e reforço de segurança

O Dia da Independência chega quase três meses após a onda de protestos que tomou as ruas do país. No Facebook, a convocação do grupo Anonymous para o autodenominado "maior protesto da história do Brasil" tinha mais de 400 mil confirmações para eventos em 149 cidades até sexta-feira, ainda que isso não necessariamente reflita o número de pessoas que estarão nas ruas.

Outros grupos, como o Grito dos Excluídos e o Movimento Brasil Contra a Corrupção, também convocaram protestos em quase todos os Estados.

Já se previa que o uso de máscaras fosse um dos pontos polêmicos durante as manifestações. Diferentes Estados criaram regras distintas sobre o assunto.

No Distrito Federal, a polícia está autorizada a deter manifestantes mascarados que não quiserem se identificar. Pernambuco também proibiu que os manifestantes cubram o rosto. Já em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin disse que não há orientação nenhuma à Polícia Militar para abordar pessoas com máscaras.

No Rio de Janeiro, o governo voltou atrás e decidiu permitir o uso de máscaras, mas os policiais fluminenses podem pedir às pessoas que descubram o rosto e se identifiquem.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.