Vídeo com violência policial choca a França

  • 22 agosto 2013
Video mostra policial agredindo com cassetete mulher deitada no chão (foto: AFP)
Vídeo mostrando agressões policiais a uma mulher choca franceses.

Um vídeo amador que mostra um policial agredindo duas mulheres com um cacetete e gás pimenta foi visto por milhares de pessoas na internet e está provocando polêmica e críticas à violência policial na França.

As cenas também relançaram discussões sobre as ações da polícia em periferias pobres do país, onde vivem pessoas com origem estrangeira.

O sindicato dos policiais afirmou, no entanto, que não houve excessos da polícia.

Divulgado na segunda-feira no site Youtube, o vídeo foi intitulado "Vergonha da polícia francesa" pelo cinegrafista amador.

A cena foi filmada na manhã de domingo por um jovem de Joué-les-Tours, subúrbio considerado problemático nos arredores de Tours, no centro-oeste da França.

As imagens já foram vistas por quase 2 milhões de internautas e suscitaram inúmeros comentários de indignação nas redes sociais, além de ampla repercussão na imprensa.

Agressões

As imagens mostram dois policiais tentando algemar um homem e uma mulher, que já estavam rendidos, no meio da rua. Outro casal observa a ação de perto.

Um dos policiais bate com uma tonfa (espécie de cassetete) na mulher deitada no chão. Em seguida, ela se levanta e é agredida novamente com o cassetete e, em seguida, tem o rosto borrifado com gás de pimenta.

Em seguida, uma segunda mulher que assistia à cena interagindo com os policiais, também é atingida por gás pimenta.

A primeira mulher permanece por vários minutos caída no chão. Em seguida, um carro de polícia com reforços chega ao local, e ela é colocada na viatura.

Segundo o cinegrafista amador, foi possível ouvir o policial que a agrediu insultá-la com palavrões e dizer "ah, se eu pudesse.....", sem completar a frase, no momento em que ela entra no carro de polícia, algemada.

O vídeo foi gravado da janela de um apartamento sem o conhecimento dos policiais e das vítimas. Ele tem oito minutos de duração, mas não retrata a ação policial de forma contínua. A câmera é desligada e volta a gravar instantes depois ao menos uma vez.

Reações

"Não há lugar na polícia francesa para a violência ou nem para palavras que não tenham nada a ver com a idéia que se faz de uma polícia republicana", afirmou o ministro do Interior, Manuel Valls.

"A polícia deve ser irrepreensível. A imensa maioria dos policiais faz um trabalho difícil e notável", disse Valls, acrescentando que "a verdade e a transparência" prevalecerão nas investigações.

A Inspeção Geral da Polícia Nacional francesa (que exerce o trabalho de corregedoria) já abriu investigações para apurar o ocorrido.

Defesa dos policiais

Segundo o sindicato Synergie Officiers, que representa a categoria dos policiais, o "vídeo parece chocante quando não se sabe o contexto".

Os policiais envolvidos afirmam, de acordo com o sindicato, ter interceptado um carro ziguezagueando pela rua em alta velocidade. Sete pessoas estavam no veículo.

O motorista, que não tinha carteira, se recusou a fazer o teste do bafômetro e não quis acompanhar os policiais, afirma Gaëlle James, porta-voz do Synergie Officiers.

Os passageiros se rebeleram e um dos policiais teria sido mordido três vezes até sangrar pela mulher que foi depois agredida com cassetete.

Ela também teria tentado arrancar o rádio de suas mãos para impedir que ele chamasse reforços e o policial teria caído no chão nesse momento.

Para Nicolas Comte, secretário-geral do principal sindicato de policiais, o Unité SGP Police, "não há nenhum excesso injustificável por parte dos policiais, com exceção dos insultos".

O motorista está preso. Ele já havia sido condenado à prisão por dirigir sem carteira e estava foragido da Justiça.

Notícias relacionadas