Policia britânica divulga foto de vestido para solucionar morte

  • 6 agosto 2013
Vestido divulgado pela polícia de Norwich | Foto: Policia
Polícia espera que loja que vendeu o vestido ajude na investigação

A polícia britânica divulgou a foto de um vestido usado por uma mulher encontrada morta em Norwich, cidade da Inglaterra que fica a quase 200 km da capital, Londres, na esperança de que as pessoas que virem a roupa possam ajudar a identificar a mulher.

O corpo da mulher foi encontrado por um pescador, no lago da Universidade de East Anglia, perto das 9h, na última quinta-feira.

Um porta-voz da polícia disse que "não há evidências até o momento que possam sugerir que a mulher foi vítima de violência".

O vestido, que tem tamanho médio, estava sem etiqueta indicando a marca ou onde foi comprado.

A polícia afirmou que a mulher aparenta ter entre os 30 e 40 anos de idade, tem cabelos castanhos escuros que parecem ter sido tingidos de marrom avermelhado ou vermelho intenso, com 1,70 metro de altura.

O exame de autópsia (post mortem) do cadáver teve resultado inconclusivo, mas testes toxicológicos ainda estão sendo feitos.

'Em estoque'

O inspetor da polícia de Norwich, Richard Gravelin, fez um apelo para que as pessoas tragam informações que contribuam para as investigações.

"Nós estamos abertos para ouvir qualquer pessoa que possa ter visto a mulher que se encaixe na descrição e que estivesse usando esta peça (vestido) na área da universidade no começo da semana passada."

"Nós não fomos capazes de estabelecer onde o vestido foi comprado e gostaríamos saber as lojas que acreditam ter a peça em estoque".

Novas investigações foram feitas no final de semana depois que um sapato foi encontrado por um pescador na sexta-feira à noite, próximo a um atracadouro para barcos perto de onde o corpo da mulher foi encontrado.

Nenhum outro item foi encontrado e a polícia ainda não pôde confirmar se o sapato pertencia à mesma mulher.

"Não há evidência até o momento para sugerir que a mulher foi vítima de violência ou que outra pessoa esteja envolvida. Entretanto, nós estamos abertos (a todas as possibilidades)", disse Gravelin.