BBC navigation

China ‘esfria’ e contempla mudanças em modelo econômico

Atualizado em  15 de julho, 2013 - 18:05 (Brasília) 21:05 GMT
Rongsheng / Reuters

Estaleiro Rongsheng vem sofrendo com as intempéries da economia chinesa

Desde que abriu as portas, em 2006, o estaleiro Rongsheng, na costa leste da China, sempre foi considerado um símbolo da economia pujante do país.

O local refletia o crescente poder industrial chinês, alimentado por um gigantesco boom de investimentos.

Trata-se de um dos maiores estaleiros da China: suas gruas e guindastes são capazes de construir alguns dos maiores navios do mundo.

O estaleiro foi inaugurado como parte do plano anunciado pelo país asiático de ser o maior fabricante de navios do mundo em 2015.

Mas hoje Rongsheng passou a ser visto como um símbolo do pessimismo que paira sobre a economia chinesa.

A maior parte do pátio está ociosa, e 20 mil funcionários foram demitidos nos últimos dois anos.

Cidade fantasma

Por trás da derrocada de Rongsheng está um fato comum a outros setores industriais chineses: o excesso de investimento, que criou um imenso excedente de capacidade instalada de produção. Na China, por exemplo, há um total de 1.647 estaleiros.

A cidade de Changqingsha, que foi construída ao redor de Rongsheng, também sofreu com o ocaso do estaleiro. Ela agora é uma cidade fantasma, à sombra do crescimento econômico chinês acompanhado pelo mundo nos últimos anos.

Uma das principais ruas comerciais da cidade, a uma curta caminhada dos portões do estaleiro, é uma imagem desse declínio.

Loja e mais lojas, dos dois lados da rua, estão trancadas a cadeado com cartazes colados nas vitrines em que se leem ofertas de aluguel.

Os poucos comerciantes que permaneceram vêm dando duro para pagar pelo menos os custos do aluguel até o vencimento dos contratos.

Situação semelhante acontece com os donos dos restaurantes, que tentam atrair alguns dos 7 mil homens e mulheres que ainda mantêm seus empregos, de um total de 28 mil há dois anos.

Ajuda governamental

Changqingsha / BBC

Changqingsha virou uma cidade fantasma, à sombra do crescimento do país

"Nós todos sabemos que falta dinheiro a Rongsheng", diz um dos trabalhadores. "Se o governo puder ajudar, será uma boa coisa".

O estaleiro pediu mais ajuda do governo, embora já tenha recebido centenas de milhões de dólares de financiamento público.

Apesar de ser uma empresa privada, Rongsheng segue a lógica da relação entre burocratas e empresários na China.

Quando a reportagem da BBC pediu permissão para fazer entrevistas e gravar imagens no local, a resposta ─ negativa ─ veio do escritório de propaganda do Partido Comunista.

O cenário desolador, entretanto, contrasta com as taxas ainda elevadas do crescimento chinês, em um patamar superior ao de muitos países desenvolvidos e emergentes. Em 2012, por exemplo, a alta do PIB foi de 7,8%.

Nesta segunda-feira, o Escritório Nacional de Estatísticas (o IBGE chinês) divulgou que o país cresceu 7,5% no segundo trimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2012.

A taxa, apesar de elevada, confirmou as expectativas de desaceleração, já que no trimestre anterior, de janeiro a março, o PIB da China havia crescido 7,7%.

Com uma economia fortemente baseada em exportações, o país vem sofrendo com a menor demanda mundial, em especial de seus principais parceiros, os Estados Unidos e a Europa.

Esfriamento

Para muitos especialistas, o futuro crescimento da China dependerá de uma fonte muito mais sustentável: o consumo interno.

Eles afirmam que os anos de expansão econômica de dois dígitos já ficaram para trás, e o esfriamento da economia já teria começado.

A dúvida é sobre como esse esfriamento vai prosseguir.

Lou Jiwei / AFP

Lou Jiwei deu sinais de que aceitaria um crescimento do PIB de 7% em 2013

A meta oficial de crescimento para este ano é de 7,5%, mas alguns já se perguntam se a taxa deverá ser revisada para baixo de novo, após um comentário feito pelo ministro das Finanças, Lou Jiwei, na semana passada.

Na ocasião, Jiwei deu sinais de que estaria satisfeito com uma alta de 7%.

Se seu redirecionamento for feito da forma correta, então a economia chinesa poderá ser salva de seus próprios problemas estruturais, e o governo poderá se concentrar em tornar realidade o chamado “sonho chinês” – o slogan usado pelo presidente chinês Xi Jinping para se referir a sua visão de futuro do país, evocando paralelos com o “sonho americano”.

Mas há enormes riscos, e eles já estão aparentes, talvez pela primeira vez, em locais como Changqingsha.

"Não há esperança", afirma um dos comerciantes que sobreviveram à decadência da cidade. "Não há sonho nenhum aqui."

Até agora, a China dependeu do forte crescimento econômico para assegurar a estabilidade social. Mas o país estará pronto para frear seus gastos?

Nesse sentido, Rongsheng pode vir a se tornar um teste para as verdadeiras intenções do governo, um indicador de quão rápida e tranquila será a transição da economia.

Alguns analistas sugerem que é inevitável que, no caso de um estaleiro desse tamanho, o governo seja obrigado a mostrar clemência e injetar mais dinheiro em algum tipo de pacote de resgate – algo que vem tentando deixar de fazer.

Mas existe também a possibilidade de que as autoridades em Pequim prefiram usar Rongsheng para enviar um sinal de que a muito antecipada, grande e dolorosa mudança no modelo de PIB chinês esteja verdadeiramente em andamento.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.