A linguagem do amor: 10 apelidos curiosos entre casais

  • 12 junho 2013
Abraço de Barack e Michelle Obama | Foto: AFP
Expressões de carinho entre namorados têm origens curiosas em todo o mundo

A cantora e ex-primeira-dama francesa Carla Bruni chama seu marido, o ex-presidente Nicolas Sarkozy, de "Chouchou". Samantha Cameron, a esposa do primeiro-ministro britânico David Cameron, foi ouvida dizendo no microfone: "eu te amo, bebê". E a primeira-dama americana Michelle Obama descreveu a foto acima, a mais compartilhada de todos os tempos no Twitter, com a frase: "Esse é meu docinho (tradução livre da expressão honey, mel, em inglês) me dando um abraço".

Algumas expressões de afeto podem ser usadas em muitas línguas ─ "bebê", "anjo" e "querido(a)", por exemplo. Mas outras não se traduzem tão bem. Se você chamar um francês ou francesa de "mel", ele ou ela achará que está sendo chamado de grudento ou sentimental.

E como você reagiria se alguém o chamasse de repolho, pulga ou elefantinho?

Confira um pequeno guia da linguagem do amor pelo mundo ─ dominada por metáforas desde a culinária até o reino animal.

1. Repolhinho (francês)

Petit chou

"Chou" (repolho) é o equivalente francês de "docinho". A palavra dá a ideia de algo pequeno e arredondado e também é usada para descrever massas usadas em pratos da confeitaria francesa como profiteroles. "Chou" também dá a ideia de uma cabeça de criança. Ao longo dos anos, muitas crianças francesas ouviram dos pais que os meninos nasciam em repolhos e as meninas, em rosas. Ainda é possível dobrá-la ─ "chouchou" é usada no sentido de "querido(a)"

2. Chuchuzinho (português brasileiro)

"Chuchu" é um legume um tanto insosso - mas a semelhança da palavra com o "chouchou" sugere que o apelido brasileiro para o ser amado derivou do francês, mesmo que se refira a um vegetal diferente.

3. Ovo com olhos (japonês)

Tamago gata no kao

No Japão, as mulheres são frequentemente chamadas de "ovo com olhos" por seus amantes. É um grande elogio ─ ter um rosto oval é considerado muito atraente na cultura japonesa. É possível observar o fascínio pelos "ovos com olhos" nas pinturas tradicionais do país.

4. Torrão de açúcar (espanhol)

Terrón de azúcar

Gravura japonesa | Foto: AFP
Formato oval do rosto é valorizado por japoneses

Assim como "honey" (literalmente, mel) em inglês, doces costumam se transformar em termos carinhosos em muitas línguas. A expressão "torrão de açúcar" se refere aos cubos de açúcar usados para adoçar chá ou café. Aparentemente, ela está bem no alto na escala de sentimentalismo, então use com moderação.

5. Fruta do meu coração (língua indonésia)

Buah hatiku

Apesar de a expressão ter um uso romântico e aparecer em canções de amor e poemas, ela é mais usada atualmente para expressar afeição por crianças. Publicitários usam "fruta do meu coração" em produtos orientados para a família e especialmente jovens casais da classe média: "O melhor presente/alimento/produto para 'a fruta do seu coração'". A expressão também é encontrada em quase todos os livros e artigos sobre paternidade, e ela frequentemente aparece como nome de organizações focadas em crianças, incluindo um hospital perto de Jacarta.

6. Minha pulga (francês)

Ma puce

"Ma puce" é o equivalente francês de "queridinho(a)" ou "amorzinho(a)" em português. Uma teoria sugere que a expressão pode ter ligação com a relação histórica entre humanos e pulgas ─ em tempos passados, remover pulgas do outro era um cuidado dividido entre pessoas íntimas, que dizia-se ser bastante agradável.

7. Gazela (árabe)

Ghazal

A poesia clássica árabe é cheia de em imagens de belas gazelas (uma metáfora para mulheres). Há numerosas referências às "lanças letais" do olhar de uma bela mulher. Se você acredita nos poetas, os caçadores (uma metáfora para homens em geral) podem morrer de amor após um simples olhar da gazela. Hoje também, um homem podem dizer a uma mulher que ela tem "olhos de gazela" ("Laki uyounul ghazal"). Isso pode significar que ele sucumbiu ao seu feitiço antes que ela ficasse enfeitiçada por ele.

8. Elefantinho (tailandês)

Chang noi

Criança com gazela | Foto: AFP
Poesias árabes diziam que o olhar de uma gazela (bela mulher) pode matar de amor

Elefantes são os animais mais queridos do povo tailandês. Eles supostamente trazem boa sorte, especialmente os elefantes brancos. O símbolo do elefante pode derivar do deus hindu Ganesha, refletindo a grande influência que a cultura indiana exerce na região. Os elefantes têm um lugar tão especial no coração dos tailandeses que se tornaram um emblema na bandeira do país. "Elefantinho" pode ser usado afetuosamente para chamar uma criança ─ mas entre adultos tem uma conotação diferente.

9. Peixe afogado, ganso caído (chinês)

Chen yu luo yan

A expressão vem de um conto sobre a mulher mais bonita da história, uma mulher chamada Xi Shi. Diz-se que ela era tão bonita que quando olhou para os peixes de um lago, os peixes ficaram tão deslumbrados por sua beleza que esqueceram de nadar e, gradualmente, desceram para o fundo do lago. Do mesmo modo, diz-se que quando gansos voaram sobre uma mulher chamada Wang Zhaojun, eles ficaram tão impressionados com sua beleza que esqueceram de bater as asas e acabaram por precipitar-se para o chão. Por causa disso, até hoje, quando um jovem chinês está apaixonado por uma mulher chinesa, ele pode dizer que para ele, ela é tão bonita quanto Xi Shi ou Wang Zhaojun. Para fazer isso, ele só precisa dizer quatro palavras: "Peixe afogado, ganso caído".

10. Pombinho(a) (russo)

Golubchik (masc.) / golubushka (fem.)

O romancista e poeta russo Alexander Pushkin usou a palavra "pombinha" para se referir afetuosamente a sua babá idosa nos versos de um de seus poemas mais conhecidos. Mas a babá também poderia ter usado a mesma palavra para se referir a ele, quando ele era uma criança (e ela provavelmente usou). Como expressão de carinho, a palavra aparece desde pelo menos o livro Cântico dos cânticos, no Antigo Testamento ("Minha pomba...mostra-me teu rosto"), escrito originalmente em hebraico. A tradução eslava da Bíblia teve uma influência profunda na formação da língua russa, então o uso na Rússia pode ter raízes bíblicas.

O professor de línguas e autor de livros sobre italiano, francês e espanhol Paul Noble contribuiu com este artigo.

Notícias relacionadas