BBC navigation

Empresários planejam criar 'Vale do Silício' flutuante no Pacífico

Atualizado em  5 de abril, 2013 - 05:55 (Brasília) 08:55 GMT
Imagem do projeto Blueseed (foto: Blueseed)

Empresários querem construir comunidade flutuante próximo da costa da Califórnia

A região conhecida como Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos, é tida como o centro da inovação e radicalismo tecnológico no mundo. Ali se concentram empresas estabelecidas e também os iniciantes do setor.

Talento e inovação também parecem estar na ordem do dia na busca de soluções para empecilhos legais que impedem jovens empresários, com ambição e boas ideias, de alcançar seus objetivos.

Frustrados com a quantidade limitada de vistos que o governo dos Estados Unidos concede a cientistas e técnicos estrangeiros, uma dupla de empresários acredita ter encontrado uma alternativa para o problema: transferir os laboratórios e oficinas de empresas de tecnologia para o alto mar.

Dessa ideia nasceu Blueseed, um barco colônia no meio do Oceano Pacífico, em frente à Califórnia, onde não vigoram restrições legais vigentes no território americano.

"Muitas pessoas dizem que querem vir ao Vale do Silício para trabalhar, têm boas ideias e até dinheiro para investir, mas não conseguem porque não têm permissões de trabalho", disse Max Marty, um dos idealizadores do projeto, à BBC.

Uma estrutura flutuante, a cerca de 25 km da costa, em águas internacionais, poderia então servir de escala no caminho, um espaço que abrigaria empresas novatas que precisam contratar especialistas, qualquer que sejam seus países de origem.

"Como estão a meia hora de barco do Vale do Silício, o que é fundamental para reuniões e contatos, os ocupantes do barco poderiam ir e vir com vistos de visitantes, de negócios ou outro tipo", explicou. "A ideia é que se beneficiem da vida em comunidade, o que fomentaria a criatividade e o intercâmbio de informação".

Marty disse esperar que o barco esteja em operação no segundo trimestre de 2014.

Sem Visto

Marty - de origem cubana, exilado no início da década de 1960 - teve a ideia quando fazia mestrado em administração de empresas na Universidade de Miami.

Ele disse que viu vários de seus colegas de classe estrangeiros deixando os Estados Unidos, contra sua vontade, após se formarem.

"Muitos gostariam de criar uma companhia aqui, mas não podiam. Se é difícil conseguir (o visto) H-1B para você mesmo, imagina a dificuldade para se trazer outros que você queira contratar", explicou o empresário.

As empresas de tecnologia passaram anos fazendo pressão sobre Washington para conseguir a suspensão do limite de 65 mil vistos anuais H-1B para trabalho temporário especializado.

Cada ano, os vistos que o governo federal distribui se esgotam em questão de semanas - em 2012, eles se esgotaram dez dias após a abertura das inscrições, segundo o Instituto Brookings.

"Faz falta encontrar modelos para criar de maneira mais livre", disse o empresário.

Marty e seu sócio Darío Mutabdzija basearam seu Blueseed em uma ideia do TSI (sigla em inglês do Insituto Seasteading), uma organização que promove o desenvolvimento de cidades inteiras no oceano.

Os pesquisadores do instituto se inspiram na filosofia libertária e dizem acreditar que os territórios do futuro ficarão em águas internacionais e serão autossustentáveis e autogovernados.

Essa ideia já provocou debates em publicações como Time e Economist. Por trás dela está Patri Friedman, ex-engenheiro do Google e neto do economista Milton Friedman.

Também estão envolvidos na criação do conceito o especialista em engenharia naval George Petrie e o criador da empresa de pagamentos pela internet Peter Thiel – que tem grande interesse e investe em colônias flutuantes.

Inovação sobre ondas

Blueseed deverá ser, portanto, a primeira materialização das ideias do TSI.

Seus idealizadores afirmaram que a localização da colônia – a 20 quilômetros a sudoeste da baía de São Francisco – será uma vantagem estratégica para manter a instalação conectada com o Vale do Silício.

Eles esperam abrigar cerca de mil trabalhadores de 360 empresas e 65 países distintos.

"Muito cedo decidimos contatar nossos clientes em potencial e incorporá-los no processo de desenvolvimento. Logo filtramos as empresas que não nos interessavam, devido a seu modelo de negócios ou porque não funcionariam a bordo", disse Marty à BBC Mundo.

Para resolver as questões técnicas, o grupo usará as experiências de outros projetos flutuantes, como plataformas de petróleo, porta-aviões ou cruzeiros transoceânicos – nos quais uma comunidade têm que conviver em um ambiente isolado por períodos longos.

Os idealizadores do projeto ainda precisam arrecadar entre US$ 10 e US$ 30 milhões em investimentos até seu lançamento. Eles disseram que ter o apoio do fundador da PayPal é um passo-chave para isso.

Caro e polêmico

Mas o plano de viver em alto mar custará caro para os empreendimentos tecnológicos que se tornarem inquilinos do complexo – cerca de US$ 2.000 por mês por pessoa.

"A vida no oceano é cara se comparada à vida em terra. É preciso levar comida e há questões de segurança, energia e comunicação", afirmou Marty.

Contudo, o maior desafio pode ser um eventual confronto com autoridades americanas. O Escritório de Alfândegas e Proteção Fronteiriça não comentou o projeto.

Isso porque o projeto é uma espécie de atalho para evitar leis federais dos EUA – na medida em que deixaria uma comunidade de estrangeiros vivendo próximo da costa californiana com a clara intenção de trabalhar, ainda que indiretamente, na indústria tecnológica.

Há ainda a possibilidade de que a reforma migratória americana – um tema urgente na política do país – forneça uma solução antecipada, aumentando a disponibilidade de vistos para estrangeiros especializados.

O presidente Barack Obama declarou em fevereiro que uma "reforma real" deveria considerar "os trabalhadores altamente qualificados e engenheiros que ajudarão a fazer crescer a economia".

Os idealizadores do projeto dizem não acreditar que uma reforma acabe com o complexo antes mesmo de sua construção. "Não temos muitas esperanças de que isso (o aumento de vistos) ocorra no nível que falta. Mas se ocorrer, muitas empresas se sentem motivadas pelo conceito de compartilhar e trocar ideias em uma comunidade flutuante".

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.