Argentinos recordam ‘voos da morte’ no delta do rio Paraná

  • 28 março 2013
Delta do rio Paraná. BBC Mundo
Região pode ser uma grande fossa comum de prisioneiros mortos pela ditadura argentina

"Mesmo após anos, a lembrança continua ali. Eu tento não me lembrar, porque não é algo bonito."

A frase é de José Luis Pinazo, que vive no delta do rio Paraná, na Argentina. Há três décadas ele foi testemunha de cenas que marcaram um dos capítulos mais sombrios da ditadura argentina – o lançamento de corpos de prisioneiros políticos no rio a partir de aviões.

Pinazo é piloto de uma lancha que transporta diariamente as crianças ribeirinhas para uma escola na cidade de Villa Paranacito.

A paisagem repleta de riachos e pântanos, a 200 km ao norte de Buenos Aires, pode ter sido uma grande vala comum dos chamados "voos da morte", que também despejaram corpos no oceano Atlântico e no rio da Prata.

O jornalista Fabián Magnotta investigou a questão dos desaparecidos durante a última ditadura argentina (1976-1983) e ouviu vários ribeirinhos que relatam o lançamento de corpos no rio. Alguns prisioneiros já estariam mortos quando foram jogados, outros ainda estariam vivos. Agora, são todos considerados desaparecidos.

O relatório oficial das vitimas da junta militar argentina fala de quase 20 mil desaparecidos. Organizações de direitos humanos mencionam 30 mil. Mas a Equipe Argentina de Antropologia Forense identificou apenas 500 corpos até o momento.

Pântanos

José Luis Pinazo. BBC Mundo
Pinazo conta que viu varios corpos serem jogados do alto dos aviões no delta do Paraná

A BBC acompanhou Magnotta em viagens pelo delta a bordo de um bote e de um avião.

Segundo o jornalista, em alguns lugares a água do Paraná chega a 60 metros de profundidade. Do céu é possível avistar uma imensa área de pântanos, capazes de fazer sumir um corpo em segundos.

Marcos Queipo, mecânico aposentado, diz que se lembra de “ter visto cadáveres no rio Bravo (um braço do delta do Paraná) jogados de aviões”.

"Lembro de ter visto helicópteros e aviões jogando pacotes. Abriam a escotilha e caia um pacote do ar", conta.

"A princípio, ninguém sabia o que tinha naqueles pacotes. Mas depois de alguns dias, descobrimos", disse.

Queipo conta que descobriu por conta própria. Abriu vários “pacotes” e em todos havia corpos sem vida, de jovens em sua maioria. Muitos tinham as mãos atadas.

Tanto as testemunhas entrevistadas pela BBC quando as ouvidas por Magnotta (em entrevistas separadas) contam que em alguns momentos haviam voos diários, principalmente nos primeiros anos do governo militar, quando a repressão foi mais forte.

Atualmente, a Justiça investiga os chamados voos da morte. Sete ex-funcionários do governo militar, incluindo ex-pilotos militares, são acusados de terem jogado no rio prisioneiros políticos que estavam detidos na Esma (Escola Superior da Armada), um dos centros da repressão.

Magnotta lembra uma peculiaridade em seu livro. Emilio Massera, o almirante a cargo da Esma, era de Entre Ríos, província onde se encontra o delta do Paraná. Ele passava férias na região e conhecia bem o local.

Medo

Marcos Queipo. BBC Mundo
Queipo decidiu avisar a polícia sobre os corpos e foi alertado que ele poderia ser o próximo

Como o segredo pôde ser guardado por tanto tempo?

"(Os ribeirinhos) são pessoas muito reservadas com o que vem de fora", conta o jornalista, que diz ter esperado anos para romper a reticência das testemunhas.

Mas o medo imposto pelos militares foi o elemento crucial. Queipo conta que assim que descobriu os corpos, tratou de avisar a polícia.

"Fui e contei que havia muitos corpos boiando no rio. Eles me disseram: 'cala a boca, senão vai te acontecer o mesmo'", conta.

Por anos, os ribeirinhos foram testemunhas silenciosas e amedrontadas das atrocidades.

Alguns contam ter visto corpos pendurados nas árvores. Outros tiveram corpos caindo no próprio telhado. Muitos viram corpos boiando no encontro das águas do Paraná com o oceano.

Vítimas

Santa Teresita. BBC Mundo
Santa Teresita é uma das inúmeras mães que ainda buscam o paradeiro do filho desaparecido

Além dos que pereceram nos voos, as famílias que mais de 30 anos depois ainda buscam seus entes queridos também se tornaram vítimas.

A família Dezorzi é uma das milhares. Eles vivem em Gualeguaychú, próximo ao delta.

Santa Teresita Dezorzi sabe que seu filho Óscar pode ter sido lançado à morte muito próximo do local onde vivia. Acredita-se que tenha permanecido preso na Esma, a menos de meia hora de avião do delta.

Óscar foi tirado de casa seminu, na madrugada de 10 de agosto de 1976. Ele era militante do Montoneros, o grupo de extrema esquerda dos peronistas que a Junta Militar tratou logo de extirpar.

Santa Teresita conta que nunca mais encontrou o filho, mas nunca deixou de buscá-lo.

Em dezembro, um tribunal condenou quatro ex-militares e policiais pelo desaparecimento de Óscar. Mas o julgamento não fez com que surgissem novas pistas sobre seu paradeiro.

Notícias relacionadas