BBC navigation

Caso de mãe que congelou bebês choca França

Atualizado em  26 de março, 2013 - 17:03 (Brasília) 20:03 GMT
Condomnínio onde corpos de bebês foram encontrados

Mortes de bebês podem ter sido causadas por problemas psicológicos enfrentados por mãe

A descoberta de dois bebês congelados na casa de uma francesa que já foi condenada por infanticídio chocou a França e está tendo grande repercussão no país.

A mãe das vítimas é uma garçonete de 32 anos, que não terá o nome revelado.

Ela confessou ter matado os dois bebês por afogamento logo após os nascimentos, que teriam ocorrido em 2011 e 2012, segundo o procurador de Bourg-en-Bresse, Denis Mondon.

A mulher já havia sido condenada a 15 anos de prisão em 2005 pelo assassinato de outro bebê recém-nascido, ocorrido em 2002.

Detida em 2002, após a descoberta do crime, ela permaneceu presa até dezembro de 2010. A mulher obteve liberdade condicional depois de cumprir pouco mais da metade da pena.

O procurador informou que irá averiguar as razões que permitiram a liberação antecipada da mulher.

"O Ministério Público considera que existem circunstâncias agravantes porque essa pessoa é reincidente", disse Mondon.

Ela pode ser condenada à prisão perpétua em razão das circunstâncias agravantes.

A mãe dos bebês está detida desde domingo, quando os corpos dos bebês foram descobertos em sua casa, no vilarejo de Ambérieu-en-Bugey, no leste do país.

Foi o namorado da suspeita quem encontrou um dos corpos no congelador da casa e alertou imediatamente a polícia. Após buscas no local, os investigadores encontraram um segundo corpo, também congelado.

Segundo o procurador, apenas as autópsias dos dois corpos, que seriam de dois meninos, permitirão verificar se as declarações feitas pela mãe são verdadeiras.

"No momento, as hipóteses se baseiam apenas nas suas declarações. As autópsias permitirão verificar se os bebês estavam vivos no momento do nascimento e se eles realmente morreram afogados", afirmou Mondon.

"Um infanticídio é algo muito complexo e é possível que a acusada não faça um relato exato da realidade", afirmou o procurador.

No infanticídio cometido em 2002, a acusada escondeu sua gravidez, deu a luz em um banheiro e depois o afogou, segundo a Justiça.

Após o crime, ela colocou o corpo do bebê em um saco e pediu à sua mãe, avó da criança, para abandoná-lo em uma casa em ruínas. A avó foi condenada a 18 anos de prisão.

Problemas psicológicos

Especialistas afirmam que os crimes de infanticídio normalmente não são atos premeditados e estão ligados a problemas psicológicos da mãe.

"Essas mulheres, de qualquer meio social, se sentem sem apoio, isoladas e sofrem uma grande miséria afetiva, mesmo as casadas. A gravidez não é desejada e elas não criam laços afetivos com a criança", afirma o psiquiatra Gérard Lopez, especialista junto à Corte de Recursos de Paris.

"O perfil dessas mulheres é normalmente o mesmo. Elas são frágeis, ansiosas e imaturas. Elas escondem uma grande pobreza afetiva e têm baixa autoestima", diz a psicóloga Alexandra Moins, autora de um estudo sobre diferentes tipos de infanticídios.

Diversos casos

Crimes de infanticídio de recém-nascidos são revelados com certa frequência na França. Segundo a imprensa, há pelo menos um caso por ano desde 2006.

Um dos mais famosos é o de Dominique Cotrez, que confessou, em 2010, ter matado oito recém-nascidos. Ela ainda não foi julgada.

Outro caso famoso é o de Véronique Courjault, presa em 2006 por ter matado três recém-nascidos. Os corpos congelados de dois deles haviam sido encontrados por seu marido em Seul, na Coréia do Sul, onde o casal residia. Ela confessou ter matado outro bebê em 1999, na França.

Courjault foi condenada em 2009 a apenas oito anos de prisão, mas foi liberada no ano seguinte.

No ano passado, três outros infanticídios foram revelados. O primeiro, em janeiro, foi o de um bebê de menos de três semanas.

Em novembro, um bebê de três meses e sua irmã de cinco anos foram encontrados mortos em uma geladeira e em um congelador. Nesse caso, o pai, tunisiano, estava foragido.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.