Telefonema do papa surpreende multidão em vigília na Argentina

  • 19 março 2013
Multidão em Buenos Aires (Getty)
Telefonema do papa surpreendeu e emocionou multidão em Buenos Aires

O papa Francisco, que foi cardeal de Buenos Aires, surpreendeu os argentinos concentrados na praça em frente à catedral da cidade ao telefonar para eles do Vaticano, às 3h30 da manhã (hora de Buenos Aires e de Brasília), pouco antes de assumir como pontífice da Igreja Católica.

"Temos uma surpresa para vocês", informou um anúncio feito em frente a catedral metropolitana. Quando a voz do papa começou a sair pelos alto-falantes espalhados na Praça de Maio, a multidão vibrou, muitos choraram, fizeram o sinal da cruz e gritaram, "viva o papa".

Segundo a imprensa local, o papa tinha combinado a surpresa com o sacerdote Alejandro Russo, da catedral. Na madrugada, o papa ligou para o celular do colaborador, e a ligação foi transmitida através do Centro Televisivo da Arquidiocese (CTA).

"Cuidem-se, cuidem-se entre vocês, cuidem da natureza, cuidem das crianças, cuidem dos idosos, que não haja ódio, dialoguem, deixem a inveja de lado, que entre vocês este desejo de se cuidar cresça. Deus é bom, Deus sempre perdoa, Deus compreende, não tenham medo. Deus é pai, aproximem-se dele. E, por favor, não se esqueçam deste bispo que está longe, mas os quer muito", afirmou.

Francisco encerrou sua mensagem com a despedida que o caracteriza ao encerrar uma conversa, segundo diferentes testemunhas na Argentina: "Rezem por mim".

O pedido de diálogo era um dos itens conhecidos nas homilias que o cardeal Jorge Bergoglio realizava em Buenos Aires, muitas vezes em referência aos políticos do país.

Diálogo

A posse do papa no Vaticano foi motivo de folga na rede municipal de ensino. Além da catedral, outros pontos turísticos da capital argentina foram enfeitados com a bandeira branca e amarela do Vaticano.

Na multidão em frente à catedral estavam argentinos de vários pontos do pais, além de estrangeiros.

"Foi o momento de maior emoção. Nós saímos de casa, de ônibus, 1h da manhã e muita gente estava distraída, deitada na grama ou sentada nas cadeirinhas que trouxeram, quando o papa ligou. Foi uma surpresa e não esqueceremos jamais", disse Anália Veronica Corvalán, de 25 anos.

O universitário Danilo Junqueira, de 25 anos, de São José do Rio Preto (SP), disse que se sentiu "dentro do Vaticano" com o telefonema do papa.

O estudante Danilo Junqueira (Foto: Marcia Carmo)
O estudante Danilo Junqueira chegou à praça de madrugada

"Todo mundo aplaudiu, todo mundo se emocionou, chorou. Eu não dormi, mas me senti dentro do Vaticano e valeu a pena", afirmou, mostrando a bandeira do Brasil.

A gaúcha Sirlei Reginatto, de 58 anos, que mora há 24 anos em Buenos Aires, chegou à praça às 5h da manhã, pouco antes da transmissão da posse do papa no Vaticano.

"O momento mais emocionante foi quando ele rezou o Pai Nosso, quando pediu mais cuidado com o meio ambiente e a paz entre as pessoas", disse.

Muitos dos presentes na praça tinham uma história para contar sobre como conheceram o novo papa.

A estudante Florência Capuano, de 17 anos, conheceu Bergoglio na paróquia Lujan Portenho, no bairro de Flores, onde ele nasceu e foi sacerdote.

"Estou emocionada de ter visto o papa argentino no Vaticano. Fiz a primeira comunhão com ele", afirmou.

Telefonemas

Nas últimas horas surgiram várias informações sobre os telefonemas que o papa fez desde que foi eleito.

O jornaleiro da banca próxima à catedral contou à imprensa local que o papa lhe telefonou para agradecer a ele e para pedir que ele suspendesse a entrega dos jornais porque ele agora mora em Roma.

O papa também teria telefonado para a secretária do seu dentista e para a secretária da catedral.

Segundo a irmã do papa, María Elena, Bergoglio teria pedido que ela falasse em seu nome com toda a família porque "não queria gastar o dinheiro do Vaticano", com as outras ligações.