BBC navigation

Papa é homem 'sem eufemismos', diz amigo rabino

Atualizado em  15 de março, 2013 - 12:43 (Brasília) 15:43 GMT
Foto: AFP

Amizade entre cardeal (acima, já como papa Francisco) e rabino começou com piadas sobre futebol

"Um homem íntegro, direto, sem eufemismos." É assim que o rabino Abraham Skorka, reitor do Seminário Rabínico Latino-Americano, com sede em Buenos Aires, descreveu o cardeal argentino Jorge Bergoglio em entrevista à BBC.

Skorka conhece Bergoglio há cerca de 20 anos e ambos mantêm uma amizade de grande relevância em um país predominantemente católico que abriga a maior comunidade judaica da América Latina.

Como de costume na Argentina, a aproximação começou com piadas sobre futebol. Skorka é fã do River Plate e Bergoglio, do San Lorenzo. O diálogo inter-religioso acabou resultando em uma forte amizade e, em 2010, os dois resolveram publicar juntos o livro de diálogos Sobre o Céu e a Terra, que aborda temas como Deus, o capitalismo e a morte.

"Nos encontrávamos duas vezes por mês para falar sobre todos os temas", lembrou Skorka.

Dor compartilhada

Para o rabino, o papa Francisco tem uma sensibilidade fora do comum. Ele se lembra emocionado de alguns episódios de sua amizade com o novo pontífice.

Em março de 2012, por exemplo, o jornal argentino La Nación revelou que os soldados argentinos judeus que lutaram em 1982 na guerra das Malvinas (Falklands para os britânicos) sofreram humilhações antissemitas.

Segundo Skorka, o cardeal Bergoglio lhe telefonou após ler o relato sobre as humilhações.

"Ele disse: 'Eu não sabia e compartilho sua dor'. Ficou tão emocionado (com os relatos) que teve de me ligar para manifestar a sua dor."

Quando o irmão de Bergoglio morreu, em junho de 2010, Skorka foi ao velório para dar suas condolências e, enquanto conversavam, perguntou por que Bergoglio pediu ao jornalista Sérgio Rubin que ele - Skorka - escrevesse o prólogo de sua biografia, O Jesuíta. "Veio do coração", respondeu o novo papa.

Atuação na ditadura

Há questionamentos sobre o papel de Bergoglio durante a ditadura argentina, entre 1976 e 1983. Em 2010, o jornal argentino Pagina 12 publicou um artigo acusando o novo papa de colaborar com as autoridades militares na época.

O jornalista Horacio Verbitsky recolheu e publicou testemunhos de pessoas que disseram que, quando estava à frente da ordem jesuíta na Argentina, Bergoglio retirou sua proteção a dois sacerdotes que faziam trabalho social em bairros carentes.

Ambos terminaram presos e torturados pela ditadura.

Foto: Arquivo pessoal

Rabino diz que papa Francisco deve ser "orgulho para a Argentina"

Skorka diz que, ao questionar Bergoglio sobre o tema recebeu de volta uma pergunta: "'Qual é a prova?', ele disse".

Em O Jesuíta, Bergoglio refutou tais acusações. "Fiz o que podia, dada a minha (pouca) idade e as poucas relações que tinha, para advogar pelas pessoas sequestradas", afirmou.

Skorka também lembra que no livro de diálogos que ambos escreveram juntos, o papa "fustiga terrivelmente todos os sacerdotes que ficaram do lado dos militares".

Papado

O rabino também conta que chegou a discutir algumas vezes com Bergoglio a possibilidade de ele um dia ser papa.

"Falávamos sobre quais seriam as dificuldades e grandes desafios (do cargo)", disse Skorka.

"Sua principal preocupação parecia ser construir uma imagem que transmitisse uma profunda mensagem espiritual em um mundo cético e, ao mesmo tempo, que precisa desesperadamente de fé."

Skorka acredita que o novo papa poderá realizar esse projeto porque os cardeais "lhe deram sua confiança em um momento de crise na história da Igreja".

A Igreja está perdendo fiéis na América Latina, que abriga o maior número de católicos no mundo (41% do total).

Ao mesmo tempo, o Vaticano tem enfrentado uma série de questionamentos tanto sobre casos de abuso sexual na Igreja quanto sobre a opacidade das suas finanças.

"Ele foi o escolhido para fazer frente a todas essas dificuldades", disse o rabino.

Skorka afirma ainda que o novo papa deve ser um "orgulho" para todos os argentinos. "Estou muito emocionado, pedindo a Deus que lhe ajude, que lhe dê força física e redobre suas forças espirituais."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.